"YANK! - O Musical", de David Zellink e Joseph Zellink.



Por Sergio Viula

Se tem uma coisa que eu amo é teatro, cinema - arte em geral - com temática LGBTQIA+ (a sigla é uma tentativa de incluir toda a diversidade sexual e de gênero, não importa qual). Então, sou daqueles que amam festivas de cinema, tais como  Mix Brasil e o Rio Festival de Gênero & Sexualidade no Cinema. Outra coisa que eu adoro é teatro que trabalha com essa temática. Entre as peças que mais gostei de todas as que eu já vi, BENT foi, sem dúvida, a mais tocante. Chorei algumas vezes durante o espetáculo. Outra que vi recentemente e amei foi GISBERTA, estrelada por Luís Lobianco. Que trabalho primoroso! 

Porém, se alguns desses trabalhos contam com o apoio financeiro de grandes instituições e até mesmo do Ministério da Cultura ou das Secretarias Estadual e Municipal dos locais onde são produzidos e/ou estreados, outros não recebem esse mesmo aporte financeiro. Esse é o caso de "YANK! - O Musical", agendado para estrear no dia 08 de junho deste ano no Teatro Serrador. 

Por isso, a produção do espetáculo está promovendo uma campanha de financiamento coletivo no Catarse:  https://www.catarse.me/yanknobrasil. A meta é levantar 40 mil reais para cobrir o que falta relativo aos custos de produção. No momento em que escrevo esse post (dia 16/05, às 13h:13m), eles já conseguiram reunir 11.190 reais. Vale lembrar que o Catarse só repassa o valor se a meta for atingida. Caso contrário, os valores são devolvidos aos contribuintes e os produtores do espetáculo nada recebem. 

Ajuda lá, vai. ^^

Antes de pedir seu apoio para o projeto, eu também contribuí. Investi 80 reais - o que me deu direito a um par de ingressos, significando que o investimento praticamente retornou para mim. Não preciso nem dizer que ingressos para teatro costumam custar em torno disso. Moral da história: Você ajuda, mas também ganha. Existem outras recompensas para valores maiores também. Confira lá em:
https://www.catarse.me/yanknobrasil.


Não deixe de visitar a página deles no Facebook: 
https://www.facebook.com/yankomusical/.

Compartilhe esse post em suas redes sociais.  

"YANK - O Musical" é uma obra off Brodway que já fez muito sucesso por onde passou. Agora, vamos juntar forças para fazer esse espetáculo acontecer e fazer história na dramaturgia do Rio. 





Um pouquinho mais sobre o nascimento de YANK!



David Zellnik (dramaturgo e letrista) e seu irmão Joe Zellnik (compositor) queriam criar um musical no estilo dos grandes shows da Era de Ouro dos musicais americanos (como Oklahoma! e Ao Sul do Pacífico, ambos de Rodgers & Hammerstein), mas que ainda assim abordasse um tema importante para o século XXI. As pesquisas sobre o universo militar mostraram que a Segunda Guerra Mundial marcou a primeira vez que as Forças Armadas admitiram a existência de homossexuais em suas tropas. A política do don’t ask, don’t tell (algo como sem perguntas, sem respostas), porém, mantinha o “segredo” sob controle, afastando dos campos de batalha qualquer um de “comportamentos e atividades” muito evidentes. 

Através de extensa pesquisa a depoimentos de veteranos e seus familiares, cartas e antigos diários, os irmãos Zellnik criaram uma peça original que permite às novas gerações um mergulho na história de uma guerra e de um grupo de pessoas cuja experiência não pode ser esquecida.




Teatro Serrador 

Rua Senador Dantas, 13, 20031-202

Telefone (21) 2220-5033

Comentários

  1. Sergio, que alegria contar com um texto tão lindo, sua colaboração e divulgação. Um grande abraço! Será um prazer tê-lo em nossa plateia!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, George. É um prazer. E eu torço que muitas outras iniciativas como essa linda obra que vocês estão produzindo apareçam por aqui e rodem o Brasil todo. Super obrigado pelo comentário carinhoso. Estou ansioso para estar com vcs. Abração.

      Excluir

Postar um comentário

Deixe suas impressões sobre este post aqui. Fique à vontade para dizer o que pensar. Todos os comentários serão lidos, respondidos e publicados, exceto quando estimularem preconceito ou fizerem pouco caso do sofrimento humano.