Na cama com um bissexual





Ultimamente, não tenho sentido vontade de sair com ninguém. Para falar a verdade, tenho declinado de convites para encontros vindos de gente muito interessante. A maioria pelas redes sociais. Não sei por quê. Simplesmente, não me sinto empolgado com esse tipo de interação. Gosto mesmo é daqueles encontros que acontecem quando a gente menos espera. Aquela coisa bem olho no olho. Cantadas online não costumam me cativar. Sei que posso dar a impressão de querer parecer difícil. Não quero, não. Mas também não sou fácil. Vai entender...


Esses dias, saí com um carinha que eu achei muito interessante. Ele era negro, um pouco mais baixo que eu, simpático e bom de papo. Mas não me refiro a esse papinho chulé de cantada barata, não. Na verdade, esse tipo de conversa é broxante. Entre outros atrativos, o cara sabia conversar sobre tudo e não tinha tabus para falar de sua própria sexualidade e de sua vida pessoal nos mais diversos aspectos.


Depois que passamos um bom tempo na cama, tomamos um banho e abrimos uma bebida - ele uma Skol e eu um Kovak Ice. Ficamos conversando sobre nossas experiências.Ele é pai de duas filhas e eu também sou pai de dois filhos. Achei isso fascinante e contei um pouco da minha história para ele e ouvi um pouco da dele também. Uma das coisas que mais me cativaram foi o fato dele se identificar como bissexual e vivenciar muito tranquilamente ambos os tipos de relação, seja com uma mulher ou com um homem. Curiosamente, ele prefere as mulheres, ou seja, sua "escala de trabalho" é mulheres quase sempre, homens, de vez em quando. Mas ele me disse que passou a transar muito melhor com as mulheres depois de se permitir o sexo com homens - o que demorou alguns anos. E o mais curioso foi que ele fez sexo passivo comigo sem o menor grilo. Nada de querer provar "macheza". Apenas, dar curso ao desejo. E nada melhor do que estar em paz consigo mesmo. Tudo melhora.


Mas não fui só eu que me admirei com ele. Uma coisa que o deixou intrigado foi a tranquilidade com que eu encarei sua bissexualidade. Pensei: E por que não? Foi aí que ele me contou que os caras geralmente não aceitam esse fato pelos mais diversos motivos. A maioria pensa que ele é um gay mal resolvido ou apenas um hétero curioso.


Não, minha gente! Definitivamente, bissexualidade EXISTE e é mais comum do que vossas mercês imaginam. Ponham isso em suas cabecinhas ocas, please. kkkk


O último cara que ficou com ele chegou a chamá-lo de duas caras. Que ousadia! Que baixaria! Como é que alguém pode julgar o outro assim se não está na pele dele para saber como funciona sua cabeça, seu desejo?


Por essas e outras, não é nada simples ser uma pessoa bissexual numa sociedade como a nossa: se ele fala para a mulher com quem deseja ficar que é bissexual, ela já pensa logo que ele é gay e pode nem querer ficar com ele; se ele diz para o homem com quem deseja ficar que é bissexual, ele já pensa logo que ele deve ser um gay enrustido ou mal-resolvido. A mera menção da frase "sou bissexual" desencadeia um processo de ciúmes, uma espécie de crise possessiva do tipo: ele nunca vai ficar só comigo. Mas que bobagem, especialmente quando nenhum dos dois está namorando ali. Além disso, quem garante que o gay ou heterossexual com quem você namora vai ser fiel, bunit@?


Segundo esse pedacinho de paraíso, quando ele está com alguém, ele fica exclusivamente com aquela pessoa. Isso quer dizer que se ele estiver com uma mulher, ficará só com ela. Nota-se que ele é romântico, que acredita em fidelidade. O mesmo acontece quando ele está com um homem, mas ele me confidenciou que nunca namorou um homem para valer. Isso porque seu desejo mais constante e mais intenso é pelas mulheres. Achei tudo isso fantástico! O ser humano é incrivelmente complexo e ao mesmo tempo essencialmente simples. Talvez, nós mesmos compliquemos o que é descomplicado de per si. Criamos as formas e depois queremos encaixar todo mundo nelas como se fosse massa de bolo. Não funciona assim, darling.


De qualquer modo, eu não estava ali para romance mesmo. Porém, não posso negar que rolou um clima de muita cumplicidade. E depois dessa bebidinha e de toda essa conversa, eu disse a ele: Quero te dar uns 'amassos' de novo. Ele sorriu e disse: Eu também. Eu respondi: Então, vem cá. Deita aqui e relaxa enquanto eu exploro um pouco mais dessa tua pele linda. Ele deitou com aquela cara de maroto...


Daí para frente, fica a cargo da imaginação de vocês.


Se a gente vai se ver de novo? Talvez, mas sem pressa. Nem eu e nem ele estamos em busca de contos de fada, mas já vimos que damos conta da foda. Depois de conversarmos, fiquei pensando: já imaginou se um dia eu me pego num relacionamento pluriamoroso, sendo ele a interface entre uma mulher hétero e um homem gay (euzinha)?


Bem, no jogo da vida, tudo pode acontecer, mas quando o placar termina em empate, isso significa que todo mundo saiu feliz! E tem coisa melhor do que ser feliz sem ter que dar nome a tudo e sem qualquer garantia de replay? Fica a dica... ;)

Comentários