CNBB se posiciona a respeito dos casais homoafetivos e suas famílias



Aparecida (SP) – Os quatro bispos eleitos na quinta-feira pela 53ª Assembleia Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) para participar do Sínodo sobre a Família, em outubro, em Roma, vão propor que a Igreja discuta questões desafiadoras para a pastoral, como a situação dos casais divorciados que vivem uma segunda união e a acolhida aos homoafetivos. O bispo de Camaçari (BA), dom João Carlos Petrini, um dos delegados escolhidos, adiantou que esse não é o foco central, mas é um desafio que receberá atenção especial. “Há uma expectativa de que o Sínodo dê uma resposta a essa questão, embora não se concentre nela”, disse dom Petrini, para o qual o Sínodo deverá buscar uma resposta com equilíbrio.

Leia mais aqui. Texto muito informativo sobre diversos temas, inclusive esse: 

http://www.em.com.br/app/noticia/nacional/2015/04/25/interna_nacional,641013/confederacao-dos-bispos-defende-acolher-casais-homoafetivos.shtml

------------------------------------------------------------
COMENTÁRIO DESTE BLOGUEIRO

Parabéns aos Bispos da CNBB pela lucidez demonstrada em todos os posicionamentos referentes aos casais em segundo casamento, aos casais homoafetivos, à terceirização de mão-de-obra e à redução da maior idade penal. 

Levando em consideração o que a fé e as orientações dadas pelos sacerdotes representam para tantos milhões de brasileiros, folgo em ver uma abordagem mais humanista, mais inclusiva, mas simpática às dores daqueles que sofrem com preconceitos muitas vezes reforçados pelo discurso religioso carente de lucidez.

Espero que o Vaticano considere cada palavra desse posicionamento da CNBB com a abertura intelectual e com o espirito caritativo que deveriam acompanhar todas as decisões que afetam direta e profundamente as vidas dos que já têm sido oprimidos por tempo demasiado. 

Claro que dentro da própria igreja já devem estar revoltados aqueles que não conseguem enxergar a beleza da diversidade e como sua celebração pode enriquecer a vida comunitária e devocional de cada paróquia nessa imensa rede de eclésias que compõe a Igreja Católica e pela qual o Vaticano é o responsável máximo. 

A melhor maneira de mostrar que não existe monstro embaixo da cama não é cobrindo a cabeça com o lençol, mas acendendo a luz do quarto.

Francisco, acenda a luz: mostre que o monstro imaginado por essas crianças na fé e no amor não passa de imaginação infantil. A Igreja e todo mundo só têm a ganhar em qualidade de vida com a inclusão dessas famílias.

Comentários

  1. Francisco, você é um hipócrita!
    Rejeitar o embaixador gay que a França enviou ao Vaticano mostra como era apenas jogada de marketing aquele papo furado dito para os jornalistas após a JMJ: "Se um homossexual faz o bem e busca a Deus quem sou eu pra julgar?"
    E aquela de receber um transexual no Vaticano? Ah, aí o papa estava falando de cima para baixo com ele. Mas receber um homossexual como representante de um país independente é demais, né?
    E quando esse fariseu vai pedir desculpas a Cristina Kirchner pelo fricote malafaico que ele fez quando a presidenta resolveu reconhecer os direitos civis dos LGBTs? Os parasitas do Vaticano acham que todo mundo deve pedir perdão a eles, mas eles não têm a dignidade de reconhecer seus erros e pedir perdão, ou pedem depois de 400 anos, como no caso de Galileu.
    Vai lamber sabão, Francisco!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixe suas impressões sobre este post aqui. Fique à vontade para dizer o que pensar. Todos os comentários serão lidos, respondidos e publicados, exceto quando estimularem preconceito ou fizerem pouco caso do sofrimento humano.