Estudo: Abordagem da imprensa em Pernambuco reforça criminalização das travestis



Pesquisa mostra que a abordagem da imprensa em Pernambuco reforça criminalização das travestis. Que toda a imprensa brasileira reflita sobre isso e mude o que precisa ser mudado no modo como lida com os fatos relacionado a esse segmento. 
 

Abordagem da imprensa em Pernambuco reforça criminalização das travestis


Por Antonio Lira

De acordo com um relatório da ONG internacional Transgender Europe, entre 2008 e 2013, o Brasil foi o país com o maior número de assassinatos de travestis e transsexuais do mundo. Preocupado com a violência sofrida por essa parcela da população, Bruno Robson de Barros Carvalho procurou avaliar a abordagem da imprensa pernambucana em relação as travestis. Ao analisar os principais jornais de Pernambuco, o pesquisador concluiu que a construção discursiva das reportagens que tratam de travestilidade em contextos de criminalidade, acabam por criar um afastamento entre o leitor e a travesti vítima de violência, reafirmando a condição marginal das mesmas.

 
LEIA na íntegra AQUI.

Comentários