Saiu o resultado da votação dos presbitérios da Igreja da Escócia sobre a ordenação de clérigos gays




IGREJA DA ESCÓCIA VOTA A FAVOR DA ORDENAÇÃO DE CLÉRIGOS GAYS

 

Com informações de Andrew Page

Tradução e adaptação por Sergio Viula


Reverendo Scott Rennie: “Isso só pode ajudar nossas congregações a crescer.”


A Igreja da Escócia votou majoritariamente a favor da proposta de permitir que congregações locais escolham ministros que sejam gays e vivam em regime de parceria civil.

Os 46 presbitérios da Igreja foram consultados sobre o assunto e passaram os últimos meses votando sobre essa posição conciliatória proposta pela Assembleia Geral em maio.

32 presbitérios votaram a favor da proposta, e somente 14 contra. A Igreja ainda vai anunciar formalmente o resultado da votação, mas está claro que os que apoiaram a mudança venceram.

O resultado da votação representa uma expressão impressionante de apoio à posição da Assembleia Geral e quase certamente significa que as igrejas locais poderão decidir por selecionar ministros em parcerias civis uma vez que a votação final seja realizada na Assembleia Geral de 2015.

Essa votação é parte de uma contínua conversação sobre ordenação gay com a Igreja da Escócia, iniciada pela indicação do Rev. Sott Rennie para a Queen’s Cross Church em Aberdeen em 2009. O Sr. Rennie é abertamente gay e vive em regime de parceria civil com outro homem.

Falando sobre o resultado, o Sr. Rennie disse ao KaleidoScot que "os números da votação são imensamente encorajadores, e mostram que a Igreja da Escócia está caminhando para um entendimento apoiador e ajudador das famílias modernas em todas as suas formas e tamanhos. Por toda a Escócia, igrejas que oferecem às pessoas oportunidades de explorar a espiritualidade num ambiente moderno e aberto estão crescendo. O Moderador convocou-nos para fazer nossas congregações crescerem – isso só pode ajudar.”

O Reverendo Blair Robertson, o convocador do Affirmation Scotland, que apoia a entrada no ministério daqueles que vivem em relacionamentos homoafetivos, disse: "é emocionante que a maioria dos presbitérios tenha votado pela mudança e o Affirmation Scotland naturalmente espera que a Assembleia Geral endosse isso. Claro que isso [ainda] não é igualdade para lésbicas e diáconos e ministros gays, mas é um passo na direção da abertura e da inclusão.”


Stuart Ryan, membro da Igreja da Escócia em Paisley e do presbitério de Greenock celebrou o resultado e acrescentou que estava feliz de que o anúncio tenha sido feito no mesmo dia em que os casamentos homoafetivos foram legalizados:  “Pessoalmente, estou feliz que casais homoafetivos agora possam casar. O voto da igreja ser confirmado no mesmo dia é uma feliz coincidência, mas também mostra que nenhuma quantidade de pensamento positivo da parte da velha guarda vai fazer a maré voltar.”

Alguns tradicionalistas expressaram suas preocupação com o resultado, incluindo o grupo Forward Together (avante juntos), que faz campanha dentro da Igreja da Escócia para uma linha mais tradicionalista. O porta-voz, Reverendo Douglas Cranston, alertou para o potencial de consequências financeiras e jogou com o risco de divisão: “Mais pessoas sairão e mais pessoas deixarão de doar. Eu sei de congregações onde isso está acontecendo. Pela própria natureza da votação, ela é realmente bastante divisora.”

O que está claro é que 70 por cento dos presbitérios escoceses apoiaram a proposta de mudança da Assembleia Geral e que a unidade só pode ser atingida se todos que participarem da "conversação democrática" aceitarem o resultado.

-------------

 
Sobre a Igreja da Escócia, que não é a mesma que a Igreja da Inglaterra, veja: Wiki sobre a Igreja da Escócia.

Comentários