João Antônio Donati - Manifestação em Copacabana - 14 de setembro - Veja como foi.

João Antônio Donati, o jovem assassinado na quinta-feira passada na cidade de Inhumas, Goiás, com requintes de crueldade e motivação nitidamente homofóbica por parte dos agressores, foi lembrado neste domingo, 14/09/14, em manifestação organizada por cidadãos do Rio de Janeiro através da Internet. 

A polícia de Inhumas diz que capturou o assassino e que este confessou o crime. Muitos de nós, porém, desconfiamos dessa confissão, uma vez que parece improvável que uma pessoa sozinha pudesse dominar e assassinar um jovem saindo dessa suposta 'luta corporal' quase sem arranhões e deixando para trás um cadáver extremamente ferido, com sinais de asfixia e mensagem escrita em papel enfiado na boca da vítima - depois de morta - com a seguinte frase: "vamos acabar com essa praga". 

A manifestação se concentrou em frente ao Copacabana Palace e caminhou até o Forte de Copacabana ao som de gritos e marchinhas exigindo a criminalização da homofobia, o fim dos discursos de ódio, denunciando a pregação homofóbica de pastores fundamentalistas como motivadora de violência, etc. No final da caminhada, houve mais alguns discursos por parte dos participantes, um minuto de silêncio em memória dos mortos, e uma explosão de balões brancos. 

Veja as fotos do protesto e coloque-se definitivamente contra a homofobia e a transfobia. 


Comentários

  1. A manifestação foi muito produtiva. Estive lá e junto comigo uma multidão de jovens e adultos que uniram as suas vozes em prol da igualdade, do respeito, do direito de ser com segurança, sem ações destrutivas externas. Cantamos e gritamos contra todo discurso e ação homofóbicos. A população que estava no local parou para ouvir. Muitos aplaudiram, cantaram junto conosco e muitos outros, apenas, pararam para ouvir. Foi uma tarde para muitos refletirem sobre as questões LGBT e a violência a qual a comunidade em questão está exposta.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixe suas impressões sobre este post aqui. Fique à vontade para dizer o que pensar. Todos os comentários serão lidos, respondidos e publicados, exceto quando estimularem preconceito ou fizerem pouco caso do sofrimento humano.