DIA DOS PAIS, DAS MÃES, NATAL E CONGÊNERES


CANSADO DE DIA DOS PAIS, DAS MÃES, NATAL E CONGÊNERES


Honestamente, não parei para pensar mais que três minutos antes de escrever esse post. Escrevo simplesmente a partir de um certo cansaço de certos costumes sedimentados, sempre às custas de muita propaganda porque interessa vender, como a celebração do Dia dos Pais, Dia das Mães e Natal. Tem coisa mais chata do que TER que comprar presentes, TER que planejar almoços ou sair para almoçar, TER que ver a cara de um monte de gente que você geralmente pagaria para não ter que encontrar? Sinceramente, não há datas mais estressantes do que essas.

Pior ainda, é ver um monte de gente falando em pai ou em mãe, e o seu já ter morrido. Ou o pai e a mãe ainda estarem vivos, mas sem filho, porque o que eles tinham já morreu. Isso é uma tortura. Até falar em sala de aula sobre isso é extremamente temerário, sensível. E como se não bastasse o sofrimento dessas pessoas nos Dia dos Pais, Dia das Mães, Natal, ainda tem o Dia de Finados para enterrar ainda mais o pobre coitado numa tristeza que mistura saudade, revolta e depressão, dependendo do perfil do indivíduo ou de como se deu sua perda.

Meu dia dos pais vai ser simples, mas nada divertido. Estarei com meu pai Estarei com meu filho e provavelmente com minha filha. OK, sou um dos poucos sortudos que, aos 45 anos, ainda tem pai e mãe e, mesmo sendo gay, tem dois filhos. Isso não é problema. O problema é ter que passar tempo com outras pessoas que vêm a reboque e que não me interessam minimamente e poderiam respirar bem longe de mim.

Em vez de ser um momento de descontração, esse tipo de ‘celebração’ acaba se tornando MAIS UM compromisso numa agenda que já tem UM PORRADA de outros nem sempre agradáveis para cumprir.

Amo meus filhos, amo meu pai. Eles também me amam. E todos nós temos defeitos ou características que não se encaixam perfeitamente no modo de pensar uns dos outros. Isso é uma típico de qualquer grupo social, inclusive a família. Existem, porém, aqueles que têm ou tiveram pais ou mães que não perderiam nada para os maiores psicopatas do cinema. O que faz uma pessoa assim diante de tanta pressão social para reconhecer as qualidades do progenitor?

Bem, eu prefiro abraçar meu pai e meus filhos à hora que eu quiser – e olha que eu faço muito isso – a ter que cumprir uma agenda social só porque todos os MACAQUINHOS estão fazendo a mesma coisa e, como eu sou MACAQUINHO também, preciso fazer isso senão a MACACADA fica absolutamente transtornada diante da exceção.


E TUDO ISSO SE TRATA APENAS DE MOVIMENTAR O COMÉRCIO E ESCOAR A PRODUÇÃO INDUSTRIAL. Nós é que fazemos o nosso melhor para dar a essa data uma aura de afetividade. TRABALHO demais para quem pode e deve amar o ano todo e de muitas maneiras diferentes, dispensando completamente essas formalidades desgastantes que sempre atraem algumas moscas indesejadas à mesa do almoço.

Comentários