Jean Wyllys e Claudio Nascimento participam de seminário do Rio Festival Gay de Cinema no MAR


O MAR (Museu de Arte do Rio) recebeu eventos do Rio Festival Gay de Cinema (03 a 13 de julho/14). Nesta sexta, dia 11, por exemplo, um seminário reuniu o Deputado Federal Jean Wyllys e o Superintendente de Direitos Individuais, Coletivos e Difusos, ligado à Secretaria de Direitos Humanos do Estado do Rio de Janeiro. A mesa foi moderada por Priscila. A jovem com o microfone na foto acima.

Os dois apresentaram suas falas, depois Priscila abriu para um bloco de cinco perguntas. Os participantes perguntaram sobre temas diversos, incluindo política, cultura, educação e movimento LGBT. Algumas foram direcionadas a um dos participantes, enquanto outras foram direcionadas aos dois. As respostas foram bastante ricas em conteúdo, apesar da limitação do tempo.



Cláudio Nascimento (à esquerda) falou sobre os avanços das políticas públicas voltadas para os cidadãos LGBT do Rio de Janeiro, começando pelos movimentos civis, como os grupos Atobá, Pela Vida, ABIA, Arco-Íris, etc, chegando à Secretaria de Direitos Humanos do Estado do Rio de Janeiro, com a Superintendência de Direitos Individuais, Coletivos e Difusos, especialmente o programa Rio sem Homofobia

Cláudio focou principalmente sobre o os Centros de Cidadania LGBT e sobre o Disque Cidadania LGBT, que já recebeu mais de 20 mil ligações ao longo de seus cinco anos de existência, dos quais 30% são denúncias de homofobia e transfobia e os 70% restantes se dividem em atendimentos para aconselhamento jurídico e psicológico. 

Os Centros de Cidadania LGBT estão presentes em quatro municípios do Estado: na capital, em Duque de Caxias, em Niterói e em Friburgo. Os Centros são equipamentos de estrutura da Secretaria de Estado de Direitos Humanos com o apoio de três universidades. 

Veja muitas outras novidades sobre o Rio sem Homofobia nesse post escrito durante uma sessão na Câmara dos Vereadores do Rio de Janeiro: AQUI.





O Deputado Jean Wyllys falou sobre homofobia, esclarecendo que o termo homo-lesbo-transfobia ainda não foi assimilado pela sociedade, criando dificuldades à comunicação com as massas. E mantendo isso em mente, explicou que a homofobia, do ponto de vista político, precisa ser enfrentada pelos três poderes (Legislativo, Executivo e Judiciário) na esfera dos três entes federados (União, Estados e Municípios), lembrando que o Brasil tem 5.564 municípios, de acordo com o IBGE.

Falando sobre o Executivo, Jean Wyllys fez questão de recordar o valor simbólico que teve a atitude do presidente Lula ao receber uma bandeira do arco-íris, bem como a importância da realização de conferências estaduais que deram origem ao Plano Nacional de Políticas LGBT. Porém, poucos avanços políticos propriamente ditos foram feitos, apesar disso. Já a presidente Dilma não se pronuncia sobre o tema e quando disse alguma coisa tentando justificar a suspensão do kit de vídeos e debates do programa Escola sem Homofobia declarou que o governo não faria propaganda de opção sexual (sic). Além de não tocar o ponto em questão que era o combate ao bullying escolar e a retenção dos alunos LGBT que deixam a escola por causa do assédio moral a que são expostos frequentemente. 

Sobre o Judiciário, Jean apontou que houve alguns avanços: reconhecimento da união estável, com possibilidade da sua conversão em casamento - o que abriu ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ) um caminho para a determinação de que os cartórios aceitassem requerimentos de casamento civil entre pessoas do mesmo sexo nos mesmos termos que pessoas de sexos diferentes. 

A respeito do Legislativo, Jean fez questão de sublinhar que NENHUM avanço favorável aos cidadãos LGBT foi feito de 1995, quando Marta Suplicy apresentou a proposta de parceria civil, que caducou em função de várias manobras da parte dos opositores. Aproveitou para explicar que projetos de parceria civil não atendem às legítimas demandas da comunidade LGBT por direitos iguais. Daí, a criação da campanha pelo casamento igualitário encabeçada pelo Deputado Jean Wyllys.

Apesar de não ter havido avanços legislativos propriamente dito, é importante ressaltar que houve avanços políticos - duas coisas distintas. A presença do Deputado Jean Wyllys na Câmara, com sua agenda positiva e abrangente sobre direitos humanos, pautou discussões, colocou essas questões na ordem do dia na imprensa com uma abordagem muito mais progressista do que qualquer momento no legislativo. 

Além disso, cada deputado pode destinar recursos a projetos que considere relevantes. Jean Wyllys informou que todas as emendas que ele podia fazer foram para ações relevantes para as minorias, inclusive LGBT. Como exemplo, citou o Hospital Gaffrée Guinle, contemplado com recursos para aprimoramento e ampliação de enfermarias e para compra de equipamentos para diagnosticar o vírus e acompanhar o quadro sorológico dos pacientes. Houve outras instituições contempladas, inclusive no campo da cultura.

Jean Wyllys apresentará o programa Cinema em Outras Cores, pelo Canal Brasil. O foco será a temática LGBT nos filmes da oitava arte. 

Esse blogueiro apoia francamente a candidatura à reeleição de Jean Wyllys como Deputado Federal por reconhecer sua competência, bem como seu franco comprometimento com os direitos LGBT e de outras minorias. E para deputada estadual do Rio de Janeiro, uma parceira que trabalha nessa mesma linha: Ivone Pita. Veja fotos e números dos dois. Se você é do Estado do Rio de Janeiro, vote nos dois e divulgue.

Foi graças ao meu querido Jean Honorio que eu pude ir ao MAR ver Claudio Nascimento e Jean Wyllys discorrendo sobre temas variados e super importantes. De lá, fomos almoçar e passamos na Livraria Travessa da Av. Rio Branco, próximo à Praça Mauá. Aproveitei para comprar dois livros: Tempo Bom, Tempo Ruim, de autoria do Deputado Jean Wyllys, e Águas Turvas, de Helder Caldeira. Na verdade, eu já tenho e já li os dois livros, mas esse estudante extremamente antenado ainda não tinha lido nenhum dos dois. Decidi presenteá-lo com um de cada. 

Fica a dica: leiam, divulguem, presenteiem com livros que abordem a temática LGBT. O do Jean também fala de outras questões progressistas, humanistas e libertárias.

Livro de Jean Wyllys: Não dá vontade de parar de ler. 

Livro de Helder Caldeira: Excelente para todos, especialmente jovens e adolescentes.

Claudio Nascimento (direita) e Sergio Viula

Jean Wyllys (esquerda) e Sergio Viula

Jean Honorio (esquerda) e Jean Wyllys (direita): Sorte minha conhecer esses xarás lindos!

Jean Honorio, já em casa e com suas novas leituras.



Comentários

  1. Meus aparabéns pelo encontro. Espero que tenha sido tão produtivo e que a preparação para o próximo evento já esteja esperando na planilha para a execução de seu planejamento.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixe suas impressões sobre este post aqui. Fique à vontade para dizer o que pensar. Todos os comentários serão lidos, respondidos e publicados, exceto quando estimularem preconceito ou fizerem pouco caso do sofrimento humano.