1º de Maio - Dia do Trabalho - foi dia de arte para nós

BIBLIOTECA



A Biblioteca Estadual do Rio de Janeiro (Biblioteca Parque Estadual), situada ao lado do Campo de Santana, na Av. Presidente Vargas, foi reinaugurada em 29 de março deste ano (2014). Emanuel e eu fomos visitar o espaço nesse dia 1º de maio. A biblioteca está linda! É verdade que ainda será preciso acrescentar muita coisa ao acervo, mas há obras sobre os mais variados temas que podem ser confortavelmente desfrutadas em sofás e poltronas num espaço amplo, limpo e bem iluminado.  



A Biblioteca oferece uma videoteca também. O usuário pode pegar o DVD, escolher uma das cabines de vídeo, e assisti-lo em tela grande e confortavelmente instalado num sofá fofinho e exclusivo.



Existe um espaço para leitores especiais. A biblioteca está equipada para atender pessoas que não podem ler com os olhos, mas tem dedos para ler e ouvidos para ouvir - braile e áudio suprem essa necessidade.


A Biblioteca Parque Estadual homenageia Vinícius de Moraes por ocasião de seus 100 anos.














MUSEU

Depois da Biblioteca Parque Estadual, fomos ao Museu de Belas Artes. O acervo é maravilhoso! Só tirei duas fotos, porque sou daqueles que acham que galeria de arte e câmera não combinam. O negócio é desfrutar a obra, e não querer sequestra-la com uma bugiganga eletrônica, seja ela qual for. 

Porém, duas obras chamaram minha atenção (nada inocente) por causa do aspecto suave dos retratados. Eu diria que, mais do que suave, a atitude deles tem muito de feminilidade. E eu adooooro!

Uma foi a de João Batista, logo abaixo. A cena poderia ter sido de qualquer 'amiga' numa sauna, já entediada por não encontrar um 'boy' sequer para animar seu dia, apesar 'dela' ter ficado ali, só de toalhinha.  

Vítor Meireles - Florianópolis, SC 1832 - Rio de Janeiro, RJ 1903
"São João Batista no Cárcere", circa 1852
Óleo sobre tela, 88,7 x 105,9 cm
sem assinatura
Transferência, Escola Nacional de Belas Artes, 1937


A outra foi a de Francisca de Rimini. Recortei o homem, cujo nome é Paolo, e que - pasmem! - não está bancando a 'loka' ou dando um 'piti' na cena. Ele era, na verdade, o amante de Francisca. Quando o marido dela, Giovani Malatesta, descobriu a traição, matou os dois. O episódio, meio histórico, meio literário, teria ocorrido no século 13 em Rimini, Itália.


Paolo - o amante de Francisca, à esquerda.

Francisco Aurélio de Figueiredo 
Areia, PB, 1856 - Rio de Janeiro, RJ, 1916
Francisca de Rímini, 1883


TEATRO

Depois da biblioteca e do museu, fomos ao teatro Glauce Rocha, em frente à saída estação do metrô da Carioca, na Av. Rio Branco, 179.

Fomos assistir ‘Calango deu! Os causos da Dona Zaninha’.

Gente, o espetáculo é maravilhooooso! Uma hora e meia de boa prosa mineira, cheia de trocadilhos, histórias que misturam folclore, humor, enigmas, e por aí vai. 

Suzana Nascimento segura a plateia com muita competência, fazendo com que nos sintamos realmente na casa de Dna. Zaninha.

A plateia aplaudiu em pé e demoradamente num teatro lotado. Suzana Nascimento e toda a equipe por trás do espetáculo merecem.

O ingresso sai por 20 reais (a inteira) - menos do que um ticket no cinema onde costumo assistir meus filmes favoritos. Só que teatro com essa qualidade não tem comparação! É uma experiência totalmente diferente e - se depender das fofocas de Dona Zaninha - muito mais divertida.


sobre o evento

Entre um cafezinho e uma boa cachaça mineira, Dona Zaninha conta, canta e conduz a plateia a outras paragens – verídicas ou fantasiosas – mas recheadas de humor, poesia e memória!  Com Suzana Nascimento no papel de Dona Zaninha e Isaac Bernat na direção, a peça fica em cartaz de 30 de abril a 4 de maio, sempre às 19h.
O espetáculo integra a programação do projeto Ocupação Para Todos!, selecionado por edital para ocupar o espaço da Funarte até o mês de julho.
Serviço
Calango deu! Os causos da Dona Zaninha
Dias 30 de abril, 1, 2, 3 e 4 de maio, às 19h
Dia 2, debate após a sessão
Ingresso: R$ 20 (inteira)
Classificação indicativa: 12 anos
Duração: 90 min

Texto, direção musical e atuação: Suzana Nascimento
Cia Caititu
Direção: Isaac Bernat

Local: Teatro Glauce Rocha
Av. Rio Branco, nº 179 – Centro, Rio de Janeiro
Telefone: (21) 2220-0259
Horário de funcionamento da bilheteria: de 4ª a domingo, das 14h às 20h






Comentários