Eu te desafio a me amar - eu fui à exposição. ;)







As fotos desse post foram tiradas por mim (Sergio Viula) durante a à exposição, a partir do meu celular. É só para dar uma ideia do que a fotógrafa Diana Blok está apresentando. Ela é uruguaia-holandesa e fez um belo trabalho a partir de conhecidos e anônimos, principalmente moradores de comunidades carentes, mas nem todos. 


Pessoas clicadas por Diana Blok e apresentadas nessa exposição:

Rafucko, performer, Rio de Janeiro.

Elle Oleria e Poliana (casadas), Brasília.

Jean Wyllys, deputado federal.

Tatiana Lionço, psicóloga, performer e professora da UNB, Brasília.

Ney Matogrosso, cantor.

Thalia, Mãe de Santo, travesti e ativista social.

Dominique , intersexual, cabeleireira, Brasília.

João W. Nery, transhomem, psicólogo e autor, Niterói.

Cris, Alexandra (casadas) e Rafael (filho) - Cris é taxista, Rio de Janeiro.

Jéssica, Complexo da Maré.

Paulo e Paulo (pai e filho), Rio de Janeiro.

Marcelo Caetano, transhomem, estudante de ciências políticas e poeta, Brasília.

Ricardo, Comunidade Palmares, Santa Cruz, Rio de Janeiro.

Diego, Comunidade Palmares, Santa Cruz, Rio de Janeiro.

Alcione Star, travesti e ativista social.

Morena, travesti, Rio de Janeiro.

Ricco, dança contemporânea, Rio de Janeiro.

Ágatha, travesti, Complexo da Maré.

O beijo de Camila e Bruna, Brasília.


Para ver TODAS as fotos e em detalhe, visite a exposição EU TE DESAFIO A ME AMAR - Observatório de Favelas, Rua Teixeira de Ribeiro, 535, bem ao lado de uma lotérica, à esquerda de quem entra na comunidade, ao lado da passarela 09 da Avenida Brasil. Tem um ponto de moto táxi logo em frente.


25/4: Abertura da exposição de fotografias “Eu te desafio a me amar”, de Diana Blok, às 18h.

26/4 a 9/5: Exposição aberta ao público.

26/4: Oficina de fotografia com a artista visual Diana Blok.




Comentários

Postar um comentário

Deixe suas impressões sobre este post aqui. Fique à vontade para dizer o que pensar. Todos os comentários serão lidos, respondidos e publicados, exceto quando estimularem preconceito ou fizerem pouco caso do sofrimento humano.