Casal gay que adotou cinco irmãos deve lançar livro sobre a família

11/04/2014 08h00 - Atualizado em 11/04/2014 08h00

Casal gay que adotou cinco irmãos deve lançar livro sobre a família

Obra vai contar a história do casal de Angatuba e dos filhos.
Lançamento do livro está previsto para dezembro deste ano.

Do G1 Itapetininga e Região

Família Fantone Santana foi formada quando cinco crianças encontraram dois pais (Foto: Caio Silveira/ G1)













A história de um casal homossexual que adotou cinco filhos de uma única vez vai ser tema de um livro. Com o título provisório de “Dois pais e cinco filhos: uma linda história de amor”, a obra é escrita por Leandro Fantone Santana, de 31 anos, em Angatuba (SP), cidade localizada há mais de 210 quilômetros da capital paulista.
Casado com o operador de máquinas Miguel Fantone Santana, de 45 anos, o vendedor Leandro se tornou pai de cinco crianças - todos irmãos - e decidiu contar a história da vida da família em um livro - tanto da vida do casal quanto das crianças, que viviam em um abrigo para órfãos antes de serem adotadas.
Até o momento, 239 páginas da obra já estão prontas. Porém, segundo Leandro, muito material deve ser cortado pela editora e principal incentivadora do livro, a jurista Maria Berenice Dias. Ela é criadora do termo união homoafetiva e defensora dos direitos dos homossexuais e das mulheres.
Dias conheceu o casal de Angatuba por meio da mídia - a história da família já foi tema de reportagens da TV TEM e do G1. “A Berenice sugeriu a criação do livro e eu segui com a ideia. Eu escrevo já algum tempo, e tudo o que crio envio para ela. No fim, quando a obra estiver acabada, ela cuidará da edição e da publicação da peça. A Berenice vem sendo uma grande companheira”, conta Leandro.
A minha principal intenção ao escrever sobre a minha história é declarar que o amor existe”
Leandro Santana
O lançamento do livro está previsto para dezembro deste ano. Até lá, ele tenta manter segredo sobre os fatos e histórias que serão descritos. Alguns familiares e amigos não fazem ideia do projeto. Nem mesmo os filhos chegam a ler o que é escrito. “O Miguel [marido dele] às vezes lê o que estou colocando no livro e dá algumas ideias, mas somente eu escrevo. Entre os temas que serão debatidos no livro estão a nossa união homoafetiva, o nosso relacionamento com as crianças, e o quão árduo e por fim feliz o processo de adoção. A adoção é uma via de mão dupla. É se sacrificar e receber ao mesmo tempo. A minha principal intenção ao escrever sobre a minha história é declarar que o amor existe”, afirma.
As crianças
Desde 2007, as crianças vivem com Leandro e Miguel, mas só depois de dois anos de acompanhamento, em dezembro de 2009, é que elas foram oficializadas como filhos. Miguel relembra da data: “Para ser concluído o processo de adoção, nossa vida familiar precisou ser acompanhada por uma equipe de psicólogos e assistentes sociais. No dia da mudança na certidão, a única coisa diferente do previsto que aconteceu é que um dos meninos, o Romário, queria ter meu nome. Aí o Romário passou se chamar Romário Miguel, e o Júnior, recebeu o primeiro nome de Leandro. Foi muito emocionante.”
Além dos filhos Romário Miguel Fantone Santana, de 12 anos, e Leandro Fantone Santana Júnior, de 10, os outros irmãos que completam a família são Maicon Fantone Santana, de 11 anos, e as garotas Camila Fantone Santana, de 13 anos e Mariane Fantone Santana, de 7.
Antes de morarem em Angatuba, os cinco irmãos viviam em um abrigo de um município da baixada fluminense, no Rio de Janeiro. Eles começaram a viver lá depois que os pais biológicos perderam a guarda das crianças. A filha mais velha, Camila, que tinha 7 anos quando foi adotada, recorda do tempo. “O abrigo era muito ruim. As pessoas que cuidavam da gente não estavam todo o tempo, porque aquela não era a casa delas. Então a partir do momento que fui viver com os meus pais, nossas vidas mudaram para sempre. Para melhor, é claro”, reflete.

--------------------
COMENTÁRIO DESTE BLOGUEIRO

O que mais me espanta é que esse casal não tem dinheiro para valer. São trabalhadores que vivem dos seus salários. A adoção dessas cinco crianças é um desafio tremendo. Mas, dá gosto vê-las bem tratadas, abrigadas num lar amoroso, alimentadas, seguras. Só elas sabem o que é viver num abrigo e poder viver agora numa família, e todas juntas!

Parabéns aos Fantone Santana!!!

E que o livro seja um sucesso!

Comentários