Revista Exame: Bilionários e gays



Bilionários e gays

São Paulo – A revista Forbes contabilizou, em 2014, 1645 bilionários. Sete deles se identificam publicamente como gays. De acordo com a publicação, o fato de a homossexualidade não ser bem aceita em lugares como a China e a Rússia, respectivamente o segundo e terceiro países com mais bilionários, pode distorcer a estatística. Juntos, os sete ricaços acumulam fortuna de 16 bilhões de dólares.


Veja quem são e como ficaram tão ricos aqui no slideshow da Exame:  http://exame.abril.com.br/negocios/noticias/os-sete-bilionarios-gays-da-lista-da-forbes-deste-ano


---------------------------
COMENTÁRIO DESTE BLOGUEIRO

Tem muito mais bilionários e milionários gays por aí. Dentre as mulheres mais ricas, também devem existir várias lésbicas. Entre os trangêneros, a americana Ru Paul é um excelente exemplo. Quem trabalha com inteligência e foco, aspirando mesmo à riqueza, pode chegar lá, mesmo onde o caminho seja mais pedregoso. 

Na própria matéria da Exame tem gente que é trans e está entre as pessoas ditas como 'gays'. Vejam: 

Jennifer Pritzker

Fortuna: 1,8 bilhão de dólares


Nascida James Pritzker, Jennifer, de 62 anos, anunciou, em agosto de 2013, que viveria sua vida como uma mulher. Tenente-coronel aposentada do exército, Jennifer é uma das herdeiras da família Pritzker, que ficou bilionária com a venda da rede de hotéis Hyatt. Ela é presidente executiva da empresa de administração de riquezas Tawani Enterprises.


Agora, se a gente olhar na outra ponta da corda, existem muitas pessoas LGBT na miséria ou abaixo da linha da miséria, como se convencionou dizer. Muitas delas não conseguiram superar a miséria em que nasceram, enquanto outras caíram na miséria e não conseguiram sair dela depois de serem expulsas de casa, sem formação profissional ainda e foram vítimas de extorsão, cafetinagem e outras coisas. Muitas dessas pessoas figuram entre a maciça população de rua dos grandes centros urbanos, infelizmente.

Tudo isso precisa ser corrigido e esses bilionários gay, lésbicas e transgêneros poderiam começar um movimento de cima para baixo nesse sentido. Fica a dica.

Comentários