Shopping Barra dá lição de cidadania em polêmica contra transexual

Shopping de Salvador responde abaixo-assinado contra transexual

Publicado por Ricardo, 10/01/2014


Ontem (09/01) pela manhã, alguns funcionários do shopping Barra, em Salvador, organizaram um abaixo-assinado solicitando que a empresa impedisse que uma de suas colaboradoras, transexual, utilizasse o mesmo banheiro (feminino) que as outras funcionárias.

O abaixo-assinado afirmava que “se sentiam constrangidas por dividir espaço com uma transexual”.

Entendendo a urgência da situação, o Shopping se posicionou e enviou uma nota à imprensa e uma resposta clara ao abaixo-assinado.

O Shopping Barra, reafirmando os princípios éticos que caracterizam seus 25 anos de existência, entende que as questões relativas à compatibilização da identidade de gênero e, de forma mais ampla, as relativas à liberdade de orientação sexual, estão intimamente relacionadas com os chamados direitos da personalidade e, portanto, com a própria dignidade da pessoa humana que é nada menos que um dos fundamentos da República Federativa do Brasil, conforme preceito inscrito no art. 1º, III da Constituição da República de 1988.

Não por outra razão que, embora se reconheça que muitos temas ainda sejam objeto de amadurecimento nas necessárias discussões da sociedade civil, não pretende adotar qualquer postura que venha a negar vigência a tal preceito geral de tutela da personalidade e, por consequência, ao próprio princípio constitucional da dignidade da pessoa humana.


Parabéns, Shopping Barra. Que um dia todas as empresas brasileiras (e do mundo, oras) tenham essa mesma postura.

Fonte: Site NADA ERRADO: http://nadaerrado.com.br/shopping-de-salvador-responde-abaixo-assinado-contra-transexual/

------------------------------------------
COMENTÁRIO DESTE BLOGUEIRO

O Shopping Barra agiu corretamente. Foi uma atitude absolutamente coerente. Parabéns à administração.

Para além disso, eu diria que os arquitetos e arquitetas de espaços públicos já deveria ter adotado o sistema de banheiro sem gênero ou inter-gênero.  O que quero dizer é o seguinte:

Os banheiros deveriam ser apenas uma fileira de cabines com sanitário (seja para urinar ou defecar, um vaso sanitário basta). Nada de mictórios. Anexo a essa fileira de cabines, uma fileira de lavatórios com espelho. E tudo isso em espaço aberto. Nada de labirintos. Ah, e as portas dessas cabines deveriam ir até o chão, como as portas de quaisquer recintos. Nada de ficar vendo o pezinho de quem está lá dentro. 

Pronto, ninguém mais poderia dizer que fulano ou fulana estariam impedidos de usar o banheiro A ou B, porque não haveria o banheiro A ou B. Haveria apenas banheiro.

A fiscalização seria feita pelos mesmos seguranças que perambulam pelo shopping e pelo público, uma vez que não há labirintos.

Afinal cu e uretra todo mundo tem. E o mesmo sanitário que atende um, atende o outro. Pênis e vagina são irrelevantes aqui.

Comentários

  1. O banheiro deveria ser um só. Mas:
    1) ruim para os homens: que teriam de esperar muito mais pra utilizar os banheiros, visto que mulheres demoram muito mais
    2) ruim para as mulheres: pois além de perder a privacidade, teriam de conviver com sanitários sujos de urina.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sou transexual e já frequentei bastante ambos banheiros. Te garanto que os banheiros masculinos são mais limpos que os femininos. Isso geralmente acontece pelo fato das mulheres ficarem fazendo acrobacia para não ter que encostar em nada na hora de fazer xixi.

      Excluir
    2. Isso me faz "lembrar de lembrar" que ninguém deveria sentar em banheiros públicos, seja qual fora a etiqueta na porta. Já inventaram uma proteção descartável para o sanitário. Ela vem no formato das bordas e buraco do sanitário. Aí, sim, se pode sentar, mas vale lembrar que se não se der ao trabalho de passar papel higiênico nas bordas antes para secar qualquer líquido, a proteção não resolve.

      A questão aqui, de novo, não é masculino, feminino ou transgênero. A questão é: higiene. E esta é fruto de vários fatores. Não depende de sexo e não depende só do faxineiro. Depende de todos e de todas.

      Banheiros unissex, como disse o Peret em comentário abaixo, ou intergêneros como eu disse, podem ser chamados apenas 'banheiros'. Ponto.

      A mania de colocar gênero em tudo é sintomática de uma sociedade machista e segregadora.

      Viula

      Excluir
  2. Tudo isso é relativo, Tarcisiorm.

    Primeiro, há banheiros femininos muito mais sujos do que os masculinos. Algumas vezes até entupidos com absorventes. Sujeira se resolve com limpeza. Equipe de limpeza está ai para isso. O resto a gente tenta educar.

    Segundo, essa ideia de que mulheres demoram muito mais é engano. Elas demoram nos espelhos que ficam acima dos lavatórios e esses, no meu plano, ficariam do lado de fora das cabines, deixando-as livres para o uso exclusivo a que se destinam.

    Essa ideia de banheiro com bonequinho e bonequinha, ou azulzinho e rosinha, não faz o menor sentido.

    ResponderExcluir
  3. Nossa que foda! Isso sim é uma boa administração. =)

    ResponderExcluir
  4. Concordo plenamente! E mais uma vez, o passado nos oferece lições valiosas que não foram aproveitadas: nos anos 80-90 havia casas noturnas e também prédios comerciais com banheiros chamdos "unissex", apenas com fileiras de reservados atrás de um tapume e pias com espelhos. Devidamente cuidados e fiscalizados, esses banheiros funcionavam perfeitamente e ninguém reclamava de "constrangimento". Havia economia de espaço e era um ótimo exercício de convivência; inclusive a presença de pessoas de ambos os gêneros no banheiro ajudava a conter abusos e excessos que algumas pessoas cometeriam em uma situação ordinária.

    Após vários anos de sucesso, uma pessoa reclamou em uma situação pontual, um juiz que não sabia da existência dos banheiros ficou "chocado" e começaram a ser baixadas ordens para modificar os banheiros e separar novamente os gêneros.

    Estamos experimentando uma onda de conservadorismo atroz e uma falta de memória recente que é preocupante. Como pode ninguém se lembrar de que essa experiência já foi feita e e deu certo por tantos anos, merecendo uma repetição?

    ResponderExcluir
  5. Verdade. Eduardo. É preocupante. E muitas vezes, as pessoas defendem ações que abrem precedentes para outras que no fechamento do círculo atingirão a elas mesmas, mas não percebem, porque não pensam cuidadosamente antes de afirmarem isso ou aquilo.

    Obrigado pelo comentário,querido. Acrescentou. Pode ter certeza.

    Abraço,
    Viula

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixe suas impressões sobre este post aqui. Fique à vontade para dizer o que pensar. Todos os comentários serão lidos, respondidos e publicados, exceto quando estimularem preconceito ou fizerem pouco caso do sofrimento humano.