Senegal prende cinco mulheres que supostamente violaram a lei anti-gay do país



Senegal

Fonte: GayStar News



Na última segunda-feira de manhã (11 de novembro), a cinco mulheres encontraram-se para uma festa de aniversário num restaurante de Dakar conhecido como sendo um ponto para as pessoas LGBT. 

A polícia entrou no restaurante e imediatamente manteve as mulheres sob detenção na delegacia.

Entre elas estava Sene Dienge, de 31 anos, uma diretora assistente no Women's Smile (Sorriso do Mulher_ - um grupo lésbico.

Um jornal alegou que as detentas haviam sido pegas ' ometendo' atos homossexuais em público.

Defensores dos direitos gays suspeitam que alguém tenha trabalhado no restaurante disfarçado e tenha dado a dica à polícia sobre o papel que Dienge desempenha na comunidade.

Ndeye Kebe, a presidente do grupo ativista, disse que as mulheres não têm condições de pagar um advogado.

Um dos únicos defensores LGBTI no país, Kebe, disse que mulheres suspeitas de serem lésbicas têm enfrentado crescente pressão em função de diversos escândalos. 

Anteriormente, esse ano, um homem divorciado descobriu um vídeo de sua namorada de 18 anos beijando outra mulher.

Quando ele postou isso online, e isso o fato foi espalhado através de tabloides, sua namora foi forçada a fugir do país.

"No Senegal, quando falamos sobre homossexualidade, gera,mente falamos de homens,, e nos esquecemos das mulheres, disse Kebe, conforme relatado pela Associated Press.

‘Mas as pessoas agora estão à caça das lésbicas.’

Se condenadas, as cinco mulheres enfrentarão cinco anos de cadeia e multas de até 1,5 milhão de francos senegaleses (cerca de 8.200 reais, ou 3900 dólares, ou 2300 euros).

Comentários