As quatro perguntas que Silas Malafaia não quis responder: Entre a Cruz e o Arco-Íris


A autora Marília Camargo César, o pastor Silas Malafaia e o livro "Entre a cruz e o arco-íris": agenda disputadíssima impediu entrevista, alegadamente 


Sessão de autógrafos
Segunda-feira, 14 de outubro, 18:30.
Livraria Cultura Conjunto Nacional
Av. Paulista, 2073 - São Paulo - SP


Mais informações aqui:

http://www.foradoarmario.net/2013/09/entre-cruz-e-o-arco-iris-marilia.html



LEMBRAM DO LIVRO "ENTRE A CRUZ E O ARCO-ÍRIS"? O lançamento é hoje (São Paulo). Quem puder compareça. Agora, veja o que fez Malafaia quando a jornalista que escreveu o livro quis entrevista-lo. Só para constar: Eu fui uma das pessoas que respondeu as perguntas de Marília. Foram horas de conversa, sem pressa e sem medo de desnudar meu pensamento diante do olhar e dos ouvidos atentos da jornalista. Malafaia não devia ser levado a sério, mas ele tem um séquito de imbecis incapazes de questionar suas contradições e má-fé.

VEJAM AS PERGUNTAS AQUI: 


1. O teólogo Justino Mártir (100-165) dizia que uma das marcas da igreja cristã primitiva era o fato de os santos terem passado a “conviver com outros povos” com os quais antes não conviviam “por causa de seus costumes diferentes”. Ou seja, segundo ele, a mensagem de Jesus mudou sua maneira de relacionarem-se com os diferentes. O senhor enxerga esse mesmo espírito em seus discurso acerca dos ativistas homossexuais? Em caso negativo, como o senhor justifica essa aparente diferença de postura entre Justino Mártir e Silas Malafaia?


2. Pelo que entendo, boa parte do seu discurso contra a PL122 baseia-se no que ela fere dos direitos dos cristãos. Biblicamente, o cristão teria outro direito além de servir o próximo e ser, como diria Charles Spurgeon, “a bigorna do mundo”?


3. Os evangelhos mostram Jesus amoroso e misericordioso com os marginalizados e pecadores. O episódio da casa de Levi, por exemplo, mostra-o comendo e bebendo com prostitutas e alcoólatras. Os únicos registros da Bíblia de Jesus desqualificando e confrontando publicamente eram dirigidos aos líderes religiosos (“sepulcros caiados”, “raça de víboras”, “cegos que guiam cegos” etc.). O senhor, nos últimos anos, tem feito aparições públicas ao lado de líderes religiosos muito controvertidos no meio protestante, alguns com complicações até na justiça comum (Sônia e Estevam Hernandes, Morris Cerullo). Por outro lado, em seu debate sobre homossexualidade, já chamou ativistas gays de “parasitas”, uma premiada jornalista de “vagabunda”, políticos de “idiota”, “frouxo” e “bandido”. Como o senhor harmoniza esses comportamentos aparentemente opostos entre Jesus Cristo e um de seus representantes brasileiros mais expostos na mídia?


4. O apóstolo Paulo, em Romanos 1, afirma que a homossexualidade é decorrência do fato de os homens não terem rendido graças devidas a Deus e terem, como efeito, glorificado a imagens feitas à semelhança do homem. Gostaria de fazer duas perguntas ao senhor: a) digamos que os cristãos consigam proibir legalmente não apenas o casamento, mas toda relação ou manifestação homossexual em todos os países do mundo. O senhor acha que isso reverteria em glória para Deus? b) o senhor afirmaria que a sua luta contra o comportamento homossexual equipara-se em tempo e energia à sua luta contra outras “disposições mentais reprováveis” citadas por Paulo no texto, como a ganância, a injustiça, a rivalidade e a arrogância? Em caso negativo, porque a preferência por um assunto que, se entendo bem, é apenas uma entre várias manifestações de um mal maior (o rompimento do homem com Deus)?



QUER ENTENDER 
DE ONDE VEM TODO ESSE ÓDIO 
DE FUNDAMENTALISTAS CRISTÃOS 
CONTRA OS HOMOSSEXUAIS? 

ENTÃO, LEIA: 


De onde vem o ódio de cristãos fundamentalistas contra os homossexuais e outros indivíduos que escapam à heteronormatividade? - Respondendo uma pergunta no Facebook.

MALAFAIA CORRE DO ENFRENTAMENTO ÀS SUAS PRÓPRIAS INCONSISTÊNCIAS, MAS AQUI VOCÊ VAI AQUILO QUE ELE NUNCA LHE DIRIA. 

ACESSE O LINK ACIMA.

Comentários


  1. Quanto a sua primeira pergunta, cito como fundamentação bibliográfica o:

    Livro DEFENDING A HIGHER LAW-Why We Must Resist Same-Sex “Marriage”and the Homosexual Movement
    No qual o autor argumenta que São Justino (100-165), mártir e apologista cristão, nasceu em Flavia Neapolis e converteu-se ao cristianismo por volta do ano 130. Ensinou e defendeu a religião cristã na Ásia Menor e em Roma, onde sofreu o martírio.
    Na sua Primeira Apologia, dirigida ao imperador Tito, São Justino explica os mistérios cristãos e da racionalidade da doutrina católica. Ele também aponta o absurdo paganismo e a imoralidade dos gregos e romanos:
    O citado personagem histórico durante toda a sua vida acusou aqueles que praticavam a pedofilia, a prostituição forçada e a violência doméstica, pois muitos naquela época praticavam tais coisas, inclusive contra os próprios filhos.

    Portanto, como pensador, cidadão e líder religioso ele se posicionou contra aqueles que forçavam ou induziam crianças e adolescentes a prática de iniquidades abomináveis ou faziam apologia de tais práticas. Alertou para que a sociedade, daquela época considerasse a mensagem desses ativistas como nocivas aos valores da família e suas práticas fossem consideradas criminosas para a sociedade.
    Fonte:http://www.nspiedade.com.br/site/index.php?secao=artigos&cod=5&titulo=O+Homosexualismo+na+vis%E3o+dos+Padres+da+Igreja&autor=Livro+DEFENDING+A+HIGHER+LAW-Why+We+Must+Resist+Same-Sex+%93Marriage%94and+the+Homosexual+Movement
    In verbis: “Porque vemos que quase todos que são expostos (não só as raparigas, mas também os homens) são trazidos para a prostituição. E como os antigos dizem ter criado rebanhos de cavalos bois ou cabras ou ovelhas, ou de pasto, agora nós vemo-los criar filhos apenas para essa vergonhosa utilização e para esse tipo de poluição. Uma multidão de fêmeas e hermafroditas, e aqueles que cometem iniquidades abomináveis são encontrados em todas as nações.
    E alguém que use essas pessoas, além dos ateus que mantêm relações infames e impuras, pode eventualmente ter relações sexuais com seu próprio filho, ou parente, ou irmão. E há alguns que até mesmo prostituem os seus próprios filhos e esposas, e alguns são abertamente mutilados com a finalidade de sodomia”.
    Prezado comentarista será que o senhor quer associar as práticas daqueles homens do passado, chamando de “costumes diferentes” com a luta dos ativistas homossexuais hoje?
    Com certeza NÃO! Ninguém, até hoje, em sã consciência apoiaria pedófilos, sodomitas, bizarros, rufiões ou pessoas que exploram, humilham e violentam filhos, esposas ou parceiros apenas para satisfazer seus prazeres e desejos. A preferência sexual de uma pessoa faz parte de sua privacidade e deve ser respeitada, desde que suas práticas não sejam criminosas nem hediondas.
    Em caso negativo, como se justifica essa aparente diferença de postura entre Justino Mártir e Silas Malafaia?
    Creio que não há qualquer diferença de postura, embora tenham se passado dois milênios, esses fatos abomináveis continuam a ser considerados imorais e ilegais. Homossexuais hoje são considerados cidadãos e seres humanos, como qualquer pessoa; possuem os mesmos direitos e estão sujeitos aos mesmos deveres e leis que todos os cidadãos devem obedecer, sem qualquer privilégio ou discriminação.
    Considero que sua alusão ao mártir cristão fortalece a posição do ministro evangélico, que por sinal não conheço.
    Boa noite e saudações gentis!
    Professor77144

    ResponderExcluir
  2. Quanto a segunda pergunta :
    Foi questionado pelo senhor Ricardo Alexandre se (Biblicamente, o cristão teria outro direito além de servir o próximo e ser, como diria Charles Spurgeon, “a bigorna do mundo”?). Para esclarecimento considero fundamental assistir ao vídeo http://www.youtube.com/watch?v=V9ucmnbPJO8 que contém, na íntegra, tanto o texto referido aos 36 minutos da apresentação, quanto elucida o contexto, no qual está inserido, "Mais que Vencedores!" no youtube para entender com clareza os argumentos, no qual Charles Haddon Spurgeon (1834 -1892) proclamou em seu Sermão 751, na manhã de 19 de maio de 1867, in verbis ..."que é obrigação de todo cristão testemunhar contra os costumes perversos que os rodeiam. Seu amor a Cristo o força a dar testemunho contra tudo que desonra ao Homem e que seja contrário a Verdade, a Justiça e ao Amor. Portanto, o verdadeiro Cristão não pode ficar tranquilo deixando os outros fazerem o que quisessem segundo sua próprias opiniões imorais, antes disso, o protesto deve ser contínuo, incessante, irritante para o inimigo, mas aceitável para Deus. Mesmo que isso desagrade a alguém e possa até causar dano ao cristão, pois no final a Igreja (bigorna) vencerá seu inimigo, que é o mundo (martelo) fazendo-lhe o bem. Nunca se conformando com sua maneira de pensar ou de agir, mas CONVERTENDO seu perseguidores pela paciência, pois, embora, em alguns momentos, pareça que a bigorna nada faça, a não ser suportar o golpe, ela sempre tem quebrado todos os martelos, e continuará a fazê-lo até o fim do mundo!".
    Boa noite e saudações gentis!
    Professor77144

    ResponderExcluir
  3. Felizmente, nem Justino Mártir nem Charles Spurgeon prevaleceram contra o humanismo que levou a humanidade do obscurantismo à Ilustração. Esse católico e esse protestante são exemplos clássicos de quão obtusa pode se tornar a mente humana, a despeito de toda sua capacidade de articulação e exposição. Eles são ícones de machismo, homofobia, preconceito contra outras crenças, aversão à ciência,etc. Em nome de suas crenças e interpretações arbitrárias do mundo da vida, eles abençoaram inúmeras injustiças em suas respectivas épocas. Não prevaleceram, porém.
    A emancipação da mulher, dos negros, dos LGBT, o respeito à diversidade religiosa, a laicidade de inúmeros Estados, a multiplicação das repúblicas democráticas, o progresso do conhecimento científico e tecnológico, o desenvolvimento de uma consciência ecológica, e por aí vai, têm se consolidado ao longo da história e têm tomado proporções cada vez maiores recentemente. Ainda há muito o se fazer em cada uma dessas áreas, mas os recentes avanços são encorajadores.
    A única coisa que Justino Mártir e Charles Spurgeon deixaram como exemplo – para mim e milhões de outros humanistas – é que pregadores que caluniam, ameaçam, difamam e deslumbram os ignorantes/fanáticos com seus malabarismos exegéticos e retóricos só obtém algum êxito por algum. E isso às custas da promoção do pânico social por meio de seu ‘profetismo apocalíptico’ e de seu suposto ‘moralismo mosaico’. E provavelmente eles continuem fazendo isso até o fim do mundo, mas serão cada vez menos ouvidos à medida que as pessoas se derem conta de que precisam desses pregadores e de suas ideias carregadas de preconceito e desinformação tanto quanto um pássaro precisa de paraquedas.

    Saudações humanistas!
    Sergio Viula
    (Um nome de verdade)

    ResponderExcluir
  4. Eu não tinha visto este post, Sérgio. E, mais uma vez, devo congratulá-lo por suas respostas e posturas. Você é sensacional, meu amigo.

    Celso Masotti
    (Um nome de verdade, também)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vlw, Celso. Uma alegria ver que esse post ainda está dando fruto.

      Obrigado pelo apoio.

      Grande abração, amigão.

      Viula

      Excluir

Postar um comentário

Deixe suas impressões sobre este post aqui. Fique à vontade para dizer o que pensar. Todos os comentários serão lidos, respondidos e publicados, exceto quando estimularem preconceito ou fizerem pouco caso do sofrimento humano.