UM ALERTA para Escritores e Editoras do segmento LGBT




Um alerta importante para escritores e editores que trabalham temas não-heteronormativos


Àqueles que abordam a vida pela ótica da sexodiversidade, da transgeneridade e da pós-generidade através da literatura.

Dia desses, um amigo me solicitou indicação de livros com temática LGBT, cujos conteúdos eu considerasse realmente interessantes e bem escritos. Sugeri uns quatro títulos diferentes. 

Em seguida, ele me confidenciou/desabafou o seguinte:

"Obrigado, Sergio... eu tenho lido algumas coisas, mais especificamente literatura de ficção de alguns escritores e tenho achado muito água com açúcar. Preocupam-se demais com o conteúdo, isto é, em ficcionalizar a vida gay, mas não apresentam nenhuma qualidade literária. Pois estou ficando meio entojado do que venho lendo e é perigoso virar trauma. hehehehe"

Honestamente falando, ele tem motivos para ficar "entojado" (implicante, enjoado) por causa desse e de outros motivos.

Eu mesmo, apesar de ser entusiasta quanto à literatura que escapa à heteronormatividade e à ditadura de gênero, tenho que reconhecer que ele tem razão. 

E essa foi a minha resposta: 

"Isso é verdade. Nem tudo tem qualidade literária, mas desses livros eu gostei muito. Em termos de qualidade de texto, eu diria que "Uma Leve Simetria" encaixa-se bem no que se espera de um texto bem escrito e de uma estória bem costurada."

Já entrego aqui qual foi um dos quatro livros que indiquei, mas está valendo. O livro merece mesmo esse carinho.

Mas, antes que alguém pense que o problema se restringe a uma ou duas editoras, quero deixar claro que tenho encontrado problemas em livros de várias delas, algumas até muito queridas.

Os problemas são os mais variados: palavras grafadas equivocadamente, pontuação mal feita, erros no uso de maiúsculas e minúsculas, concordância verbo-nominal que mais parece discordância verbo-nominal, frases mal construídas, especialmente quando são ligadas por pronomes relativos, gênero gramatical mal aplicado, etc.

Não estou mencionando aqui livros que poderiam ter metade do volume, caso não se repetissem tanto. 

Reconheço que esses mesmos livros mal cuidados em termos de língua portuguesa podem apresentar enredos ótimos, personagens ricos e estilos variados, mas, ao ficarem devendo quanto à estrutura lingüística, entregam em bandejas de prata motivos justos para que os críticos, que já olham desconfiadamente para a literatura que produzimos, atirem contra ela com a munição que nós mesmos fornecemos. 

Escritores e editoras LGBT, não publiquem apressadamente. Não atropelem o copydesk (ou copidesque, para os que odeiam americanismos). Não contratatem revisores que não tenham excelente domínio da língua portuguesa. Se preciso for, revisem mil vezes o conteúdo, porque capa, gramatura de papel, cor da página, tamanho/estilo do tipo, arte-final,  nada disso vai compensar a pobreza do enredo, do estilo ou da linguagem apresentados. 

Mas, nem tudo é copidesque. Muitas vezes, pessoas se aventuram a escrever qualquer coisa, de qualquer jeito, acreditando que os leitores e a crítica terão, para com ele/ela, a mesma condescendência que ele/ela tem para consigo mesmo(a). Escrever exige tempo, solidão, pensamento, emoção, coragem, criatividade, dedicação, capacidade de dizer o mesmo de modo diferente e o diferente do mesmo modo. O que resultar de menos do que isso dificilmente merecerá ser lido.

Faço esse alerta com toda a humildade e na expectativa de que possamos oferecer e adquirir material de qualidade em todos os sentidos. 

O amor que não podia dizer o nome abriu espaços onde só havia barreiras. Agora que pode falar de si tão abertamente, deve fazê-lo da forma mais incontornavelmente bela possível. 

Editoras especializadas em material relacionado ao amor/identidade/cultura/vida que escapam à heteronormatividade não podem tratar esse conteúdo com menos capricho do que as editoras não especializadas, as quais, vez por outra, se aventuram nesse campo e dificilmente deixam a desejar.

Sergio Viula

Administrador do Blog Fora do Armário
Autor de Em Busca de Mim Mesmo

Comentários