Polícia diz que cabeleireiro foi vítima de agressões. Dona de boate chegou a afirmar que cabeleireiro levou tombo em banheiro.

JORNAL O DIA:

Polícia diz que cabeleireiro foi vítima de agressões

Dona de boate chegou a afirmar que cabeleireiro levou tombo em banheiro

Flavio Araújo

Rio - A polícia não tem mais dúvidas de que o cabeleireiro Luiz Antônio de Jesus, de 49 anos, foi espancado na Boate Queen, em Jacarepaguá, e morreu em virtude de ferimentos. O delegado Fábio Cardoso, da Divisão de Homicídios, ouviu pelo menos quatro pessoas: Jade Lima, dona da casa noturna onde a vítima foi encontrada desacordada num banheiro, na madrugada de domingo; dois seguranças e um frequentador. Jade afirmou inicialmente que ele morreu em consequência de um tombo.
 




 Irmã de Luiz Antônio, Angelina de Jesus se desesperou durante a manifestação feita pela família e amigos durante o velório no Pechincha, nesta terça-feira
Foto: Uanderson Fernandes / Agência O Dia

A DH analisa imagens de 32 câmeras do local, mas foi o laudo do IML que deu à polícia a certeza do crime, que pode ter tido motivação homofóbica. Luiz Antônio, gay assumido, foi enterrado na tarde desta quarta-feira no Cemitério do Pechincha, em Jacarepaguá.


“Foi homicídio. Ele sofreu uma grande agressão e a morte foi causada pelo trauma encefálico com várias lesões. Em princípio, como ficou configurado o crime, todos que estavam no local são suspeitos. A dona da boate está fornecendo identidades de frequentadores”, disse o delegado Fábio Cardoso, que não descarta o envolvimento de vigilantes no crime.


A empresa responsável pela segurança da Queen, a Décimus, já esteve envolvida em caso semelhante. Em maio de 2012, o cantor David Alvarez, que é gay, foi agredido na Boate Fosfobox, em Copacabana, e o suspeito foi um segurança da mesma empresa.


“Se já há um episódio passado, esse é um indício de que temos a obrigação de investigar, e vamos fazê-lo”, disse Fábio Cardoso.
 
 

Boate Queen, em Jacarepaguá, foi interditada para a realização de perícia: vítima agredida em banheiroFoto: Alexandre Vieira / Agência O Dia


Os donos da Décimus negam que a agressão na Queen tenha partido de seguranças. “Nossos quatro funcionários apenas isolaram o local e chamaram o socorro”, disse o policial civil Túlio Costa, um dos sócios da empresa. “Estamos colaborando com a investigação e, no episódio do ano passado, o funcionário foi demitido”, garantiu o outro dono, Luiz da Costa.


Parentes e amigos de Luiz Antônio protestaram no velório. As irmãs da vítima, Angelina e Rosalina de Jesus, passaram mal e foram medicadas. Luiz Antônio lutava contra a Aids havia 25 anos.
“Ele tinha alegria de viver, lutou muito contra a doença para ser morto assim, estupidamente”, lamentou a mãe, Angélica de Jesus, de 72.


Sobrinha da vítima, Elizabeth de Jesus, de 35, foi à Queen e entrou no banheiro dez horas depois que o tio foi retirado. “Ele era franzino e não brigava com ninguém”.
 

 
---------------------------
 
COMENTÁRIO DESTE BLOGUEIRO
 
Que vergonha, Jade. Você é dona da 1140, que há vários anos é prestigiada pelo público LGBT, enriquecendo seu bolso dia após dia. Depois, abre a Queens - com o famoso Pink Money - e ainda vem minimizar o ocorrido. Se você tivesse tomado a frente para solucionar o problema, entregando os responsáveis à polícia, cooperando com as investigações, oferecendo alguma "reparação" à família, eu ainda diria que poderia ter sido uma ocorrência fora do seu controle, mas com a casa cheia, com câmeras de segurança, cheia de jagunços, você não vê nada, não ouve nada e depois ainda minimiza uma ocorrência dessa gravidade!!! As pessoas LGBT que frequentam seus espaços deviam fazer um belo dum boicote aos seus serviços. Vindo de gente que faz tudo para nos destruir, isso seria horrível, mas esperado. Vindo de você, que fez riqueza com o nosso dinheiro (sim, eu já fui a 1140 diversas vezes), isso é ainda mais inaceitável.
 
POLÍCIA, contamos com os senhores e as senhoras para elucidar o caso e punir os responsáveis.
 
COMUNIDADE LGBT, não ande como rebanho, gado de corte. Seja crítica, especialmente com aqueles espaços, serviços e personalidades que vivem da frequência, uso e bajulação de vocês. Falo como parte dessa comunidade e como quem faz exatamente isso.
 
PREFEITURA DO RIO, analisar a condição legal de funcionamento da DÉCIMUS. A documentação está em dia? Os funcionários estão devidamente registrados? Tem passagem pela polícia? A empresa pode funcionar sem oferecer risco à sociedade?
 
GOVERNO DO ESTADO DO RJ, o que - dentro da competência dos senhores - pode ser verificado, além do inquérito que foi aberto?
 
CHEGA DE IMPUNIDADE!
 
HOMOFOBIA TEM QUE SER TRATADA COMO CRIME DE ÓDIO. É O MÍNIMO DE COERÊNCIA QUE SE ESPERA. 
 
PREFEITURA DO RIO
 

Comentários

  1. o correto seria mesmo boicotar as boites dessa senhora

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo plenamente. É a minha opinião também.

      Excluir
  2. quem matou luiz antonio, cade a justiça~??

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixe suas impressões sobre este post aqui. Fique à vontade para dizer o que pensar. Todos os comentários serão lidos, respondidos e publicados, exceto quando estimularem preconceito ou fizerem pouco caso do sofrimento humano.