Matt Moore, blogueiro cristão que escrevia contra a homossexualidade é exposto usando um aplicativo Grinder para sexo com homens


Por Sergio Viula
Para o Blog Fora do Armário 

Matt Moore, cristão e supostamente ex-gay, foi exposto depois de usar o Grindr App (um aplicativo onde as pessoas buscam sexo com outros homens). Isso foi em fevereiro, mas ele se recusou a falar com a imprensa na época, mas agora ele mesmo procurou programa de rádio SiriusXM para esclarecer o que aconteceu.

 Ele costumava dizer que a homossexualidade é pecaminosa, que é uma abominação, e garantia que não mais se envolveria com sexo homossexual, mas ele diz que não é exatamente um ex-gay, porque não acredita em terapias de reversão de orientação sexual. Ele assume que está simplesmente tentando controlar seus desejos sexuais. 

O jornalista confronta Matt Moore com o fato de que os homens gays que se casam e têm filhos acabam saindo do armário depois de alguns anos. Moore não diz nada a respeito. 

O jornalista pergunta-lhe o que ele estava fazendo no Grindr. Ele disse que só queria saber quem estava online, mas não trocou fotos ou conversas de conteúdo sexual. Ele alega que bloqueava quem tentava fazer isso. O jornalista lembra que antes dele, um outro cara que dizia que era ex-gay foi exposto depois de estar num bar gay e a desculpa que ele deu foi que o bar tinha uma atmosfera amigável e ele precisava de uma bebida. Ele colocou isso como uma forma de espelho para confrontar a "desculpa" nada convincente de Moore a respeito de sua investida no Grindr. Moore fala, fala, mas não esclarece. Só fala que leu a Bíblia, blá, blá, blá.

Depois disso, ele só se enrola cada vez mais, porque não sabe explicar por que Deus não pode tornar-lo heterossexual se ele acredita que a heterossexualidade é obra de Deus, enquanto a homossexualidade é pecado. Se a mudança não acontece, por que insistir em acreditar que isso é mesmo o que Deus quer? E se a mudança acontece, por que esses "ex-gays" continuam desejando o que sempre desejaram? E por aí vai...

 Matt Moore - mais um gay que fala contra a homossexualidade, seguindo os discursos homofóbicos de setores conservadores e fundamentalistas, mas é flagrado em hipocrisia, buscando em particular aquilo que ele mesmo condena publicamente.

A entrevista referida acima está integralmente em inglês aqui: https://soundcloud.com/siriusxmentertainment/matt-moore-on-grindr

Não perca esse post e foto sobre ex-gays:


.
.

Primeiro, esses homossexuais que se entregam esse tipo de loucura internalizam a homofobia que lhes é imposta desde a mais tenra infância, aprendem a se auto-odiar com o mesmo ódio que viram em pessoas próximas, e depois ficam tentando se adequar, mas isso só aumenta ainda mais a auto-homofobia e todo tipo de angústia, depressão, etc. Conclusão: o mal é a homofobia aprendida a partir de interações sociais, especialmente na família, na escola e no templo. 

Uma vez livre desse pensamento homofóbico, ele ganha a vida, toda a vida que estiver adiante.
.
.
ZJemtv fala sobre por que expôs Matt Moore
(em inglês)

Vídeo sugerido por Eli Vieira via comentário. 

Traduzido e legendado por Sergio Viula para esse post.



 

Comentários

  1. A Zinnia Jones falou deste caso no canal dela no YouTube. youtube.com/zjemptv

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Joia, Eli. Vou dar uma olhada. Obrigado, querido.

      Abraço,
      Viula

      Excluir
    2. Estou assistindo e adorando. Vou colocar aqui como referência. Vlw, querido.

      Excluir
  2. Claro que ele usava só para ver quem estava online, por isso fez um perfil e colocou uma foto DELE MESMO no perfil...

    ResponderExcluir
  3. A sardinha atrai o gato, porque ele é gato. Se fosse periquito não dava a mínima... ;) As pessoas se traem pelos mais variados motivos, mas poderiam não se trair se apenas fossem elas mesmas.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixe suas impressões sobre este post aqui. Fique à vontade para dizer o que pensar. Todos os comentários serão lidos, respondidos e publicados, exceto quando estimularem preconceito ou fizerem pouco caso do sofrimento humano.