Lucy Meadows, Professora Transexual falecida recentemente, é lembrada por uma estudante de 7 anos de idade




Lucy Meadows

Organizado por Sergio Viula com informações do The Huffington Post  e outras fontes em 22/04/13.



LUCY MEADOWS era uma professora transexual que vinha fazendo um excelente trabalho como educadora. Até o momento da realização de sua operação de redesignação genital, ela nunca havia enfrentado difamação pública, mas isso mudou quando um jornalista do Daily Mail, Richard Littlejohn, escreveu o seguinte sobre a professora Meadows:

“Ele não apenas está no corpo errado, ele está no emprego errado... A escola não deveria ter permissão para elevar seu ‘compromisso com a diversidade e a igualdade’ acima de seu dever de cuidar de seus pupilos e dos pais deles.”

Mas os absurdos cuspidos sobre o papel pela caneta de Richard Littlejohn não pararam por aí. Ele disse ainda:

“Ela (a escola) deveria proteger pupilos de algumas das mais, é...,  desafiadoras realidades da vida adulta, não força-las por suas gargantas abaixo. Elas são crianças da escolar primária, pelos céus… ele não deveria projetar seus problemas pessoas sobre criancinhas impressionáveis.”



Agora, a professora Meadows está morta. Foi encontrada sem vida em seu apartamento. Não suportou a perseguição dessa imprensa a serviço do bullying e do preconceito.  E seus alunos, essas criancinhas impressionáveis, assim rotuladas por Littlejohn, terão que lidar com a dura realidade da morte de sua professora, precipitada como resultado das ações de gente que nem participa do processo educativo ou da comunidade escolar em que a Sra. Meadows atuava.

Mas, essa mesma comunidade escolar não se calou. Professores, alunos e membros do sindicato tomaram as ruas da Inglaterra essa semana para marchar em memória da querida professora Lucy Meadows. Uma garotinha se juntou à multidão com um poema para sua ex-professora.

Daisy Moreton, uma estudante com 7 anos de idade, participou do evento em Accrington, Inglaterra, com outros da comunidade da Escola Primária da Igreja de Santa Maria Madalena, de acordo com o Manchester Evening News.

O poema diz:

"Makes you happy/ in high spirits/ smiles/ said kind things./ Made us feel good/ ever helpful/ always nice/ delightful/ one of a kind/ wonderful teacher/ scientist."

Tradução: “Faz você feliz/em alto astral/sorrisos/dizia coisas gentis./Fazia-nos sentir bem/sempre ajudadora/sempre boa/agradável/única/maravilhosa professora/cientista.”

A escrita simples mostra que tipo de impacto a professor Meadows provocou em, ao menos, uma de suas alunas enquanto estava viva – um impacto positivo.

A primeira exposição de sua transexualidade aconteceu quando uma carta referente à sua transição foi escrita pelo diretor da escola Santa Maria Madalena e enviada a imprensa e dezembro/12. Na carta, os pais eram informados que o professor que eles conheciam como Nathan Upton seria chamado "Miss Meadows" depois do recesso de natal.

A escolar apoiava Meadows, mas Richard Littlejohn do Daily Mail escreveu uma coluna sobre os efeitos negativos que uma professora transgênero poderia causar sobre as crianças. Uma petição da Change.org exigindo a demissão de Littlejohn's já conquistou mais de 40.000 assinaturas desde então.

Apesar das circunstâncias em que se deu a morte da professora Meadows ainda estarem um tanto obscuras, Helen Belcher, diretora do TransMedia Watch (TMW), que monitora a cobertura da mídia sobre assuntos transexuais, disse ao The Guardian:

"Sabemos que Lucy sofreu uma quantidade enorme de monstrificação e assédio pela imprensa quando ela estava mais vulnerável perto do natal. Aquele nível de atenção pela imprensa não colaborou com seu estado mental nem um pouco."

Cá entre nós, brasileiros, essa é a maneira polida que os ingleses usam para dizer que a cobertura negativa daquele órgão de imprensa só fez estragos.

Sobre homens e mulheres transexuais e suas profissões, veja:



 

Comentários