Casal gay encontra bebê abandonado no metrô

Com informações do The Huffington Post - Tradução por  Sergio Viula


Numa noite de agosto do ano 2000, David Stewart estava na estação de metrô da Eighth Avenue A/C/E em Nova York, quando telefonou para seu parceiro Mercurio, dizendo: 

“Encontrei um bebê!" E acrescentou: "Liguei para 911 (emergência), mas acho que eles não acreditaram em mim. Ninguém virá. Eu não quero deixar o bebê sozinho. Venha até aqui e traga um carro de polícia ou coisa assim.”

Quando o casal compareceu à vara de família em dezembro daquele ano para depor sobre o que havia acontecido, a juíza encarregada do caso perguntou se eles estariam interessados em adotar. Stewart, um profissional do serviço social, respondeu que sim.

A história contada por Peter Mercurio pode ser lida no The New York Times.

Apesar da jornada deles ter um final feliz, a história de Mercurio e Stewart chama atenção para a adoção gay ao redor do mundo, especialmente em regiões onde casais gays são impedidos de adotar crianças.

Enquanto nos Estados Unidos ainda existem muitas diferenças entre o modo como cada estado trata a adoção por casais homoafetivos, com alguns inclusive proibindo, enquanto outros consideram legítima, na Alemanha a suprema corte reconheceu a adoção gay permitindo que uma pessoa adote o filho de seu parceiro, seja este biológico ou adotado. Anteriormente, parceiros do mesmo sexo só podiam adotar filhos biológicos de seus cônjuges. Obviamente, ainda não é suficiente, mas já é um avanço. 

Em 20 de fevereiro, Porto Rico aprovou uma lei impedindo os casais gays de adotarem. Pai gay e pop star, Ricky Martin expressou seu desapontamento, twittando: “Como é triste. Isso é como dar as costas às crianças. Tantos órfãos querendo ter o aconchego de um lar."

Peter Mercurio escreveu um roteiro sobre a jornada de sua adoção, chamada "Found (A True Story)", que significa "Achado (Uma História Real).Veja uma chamada abaixo.


Comentários

Postar um comentário

Deixe suas impressões sobre este post aqui. Fique à vontade para dizer o que pensar. Todos os comentários serão lidos, respondidos e publicados, exceto quando estimularem preconceito ou fizerem pouco caso do sofrimento humano.