Habemus Satisfactionis - por Cláudio Pfeil



 

Rafael Sanzio, Escola de Atenas

Qualquer ser humano tem o direito, seja por que motivo for, de renunciar à função que lhe foi designada. É antes de tudo uma prerrogativa do ser livre. O Papa não foge à regra. Sua pompa apenas disfarça, não o faz transcender: humano, demasiadamente humano, parodiando Nietszche. 

Particularmente, por não ser cristão nem coisa religiosa nenhuma, a saída do Papa não me move nem me comove. Os motivos são muitos, mas aqui não importam. Bertrand Russell, a quem não escondo de ninguém, muito pelo contrário, minha profunda admiração, escreveu um belíssimo texto intitulado“Por que não sou cristão: um exame da ideia divina e do cristianismo”, cujo link assinalo abaixo para quem interessar, e o qual subscrevo integralmente. Diria apenas, de forma sucinta e clara, que procuro pautar minha vida na filosofia, isto é, no livre pensar contra quaisquer dogmatismos. Na balança, digamos, tendo para o lado de Sócrates, Espinosa e Sartre, não o da Igreja, a qual, no meu entendimento, não tem absolutamente nada, ou quase nada, a ver com a lição de amor de Cristo.  

 Naturalmente, a Igreja Católica deixou um imenso legado à civilização. Refiro-me, não à sua doutrina, esta baseada no medo e na subserviência, mas na fabulosa produção artística que proporcionou, ainda que em favor de sua manutenção no poder. Não há como não se emocionar diante das rosáceas góticas e dos afrescos do Renascimento. Obrigado, portanto, aos anônimos artistas medievais, Rafael, Leonardo, Michelangelo e uma legião de gênios.Quanto à saída do Papa, bem, é um direito que lhe assiste o qual, penso eu, deve ser rigorosamente respeitado. Ele se diz cansado e prefere se aposentar. João Paulo II escolheu outra coisa: entregou-se, por assim dizer, em sacrifício à Santa Sé, débil e com Parkinson avançado, até seu último suspiro. Igualmente respeitável.  

O direito de cada um resguardado, sinto-me compelido a expressar minha posição: a saída de Bento XVI, em virtude de suas posições orto-retrógradas, é um serviço prestado - ainda que este não seja o seu intuito e que isto não vá mudar em nada a ortodoxia da Igreja - à construção existencial com base numa autêntica autorreflexão ética, ou seja, na liberdade, e não no temor ante uma moral dogmática.  

Habemus satisfactionis.


“Por que não sou cristão: um exame da ideia divina e do cristianismo”, Bertrand Russell:
http://ateus.net/artigos/critica/por-que-nao-sou-cristao-um-exame-da-ideia-divina-e-do-cristianismo/

Comentários