ISLÂNDIA - um país gay friendly


Islândia LGBT

Por Sergio Viula
Com informações de Barbara Sunshine

Vista panorâmica Reykjavík - Islândia





A Islândia é um destino maravilhoso para viajantes LGBT. Pessoas gays são iguais aos olhos da lei e desfrutam de direitos ao casamento, inclusive em igrejas desde o ano de 2010. A Islândia tem orgulho de ser o primeiro país a ter uma Primeira Ministra assumidamente lésbica do mundo e de demonstrar apoio com ações afirmativas. Um terço da população comparece ao Orgulho Gay em Reykjavík.

Orgulho Gay em Reykjavík.


A cena gay e a sociedade na Islândia são pequenas, mas ativas e assumidas. Elas estão mais presentes na capital Reykjavik, mas o existe um ramo norte em Akureyri que está se fortalecendo a cada ano. A Islândia é um destino gay friendly que tem recebido várias recomendações, figurando em diversas listas das 10 mais e obteve 5 estrelas rosas pela Diva magazine. Com sua atmosfera amigável, a Islândia avançou muito desde que sua associação pelos direitos gays, Samtökin'78, foi fundada em 1978 por poucas, mas corajosas pessoas. Agora no ano 2012, somos iguais às pessoas heterossexuais aos olhos da lei. O Orgulho Gay de Reykjavík tornou-se uma das maiores celebrações da nação com 100.000 pessoas comparecendo à parada e às festividades no centro da cidade. O preconceito contra pessoas LGBT está recuando.  Pergunte a alguém na Islândia: Você conhece alguma pessoa gay? Podemos praticamente garantir que a resposta será positiva. Isso tem ajudado no avanço dos direitos gays na Islândia. Assim que alguém que você conhece e ama sai do armário, direitos gays também são direitos que você vai querer proteger, porque eles protegem alguém que você ama.

Casamento entre homens no estilo Viking

Casamento entre mulheres no estilo tradicional

Descontração, gastronomia e elegância no Rainbow Festival de Reykjavík


Mais informações em inglês aqui: 
http://www.rainbowreykjavik.com/

Comentários

  1. Dever ser muito bom vc poder viver num lugar onde não precise se preocupar quando anda pelas ruas, onde seus direitos são reconhecidos e onde há respeito entre todos. Pena que vivemos no Brasil, um lugar exatamente que é exatamente o oposto da Islândia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, Julio, mas é possível que vendo esses exemplos nossos governantes e nossos compatriotas percebam a urgência de mudanças que incluam e celebrem as diferenças.

      Abração, querido.
      Sergio Viula

      Excluir

Postar um comentário

Deixe suas impressões sobre este post aqui. Fique à vontade para dizer o que pensar. Todos os comentários serão lidos, respondidos e publicados, exceto quando estimularem preconceito ou fizerem pouco caso do sofrimento humano.