Daniela Andrade fala sobre homofobia, transfobia e outros preconceitos no site Papo de Homem

Gente, eu acabei de ler essa carta - que mais parece um artigo - da Daniela Andrade para o Alex Castro do site Papo de Homem por causa de posts que espalham preconceito homofóbico e transfóbico, entre outros. Vale a leitura. É extenso, mas muito bem documentado e muito bem articulado. A própria Daniela me autorizou a publicar aqui, porque eu me apaixonei pelo texto e solicitei, uma vez que se tratava de uma correspondência enviada por e-mail e depois publicada num grupo fechado (o da Liga Humanista Secular do Brasil) para compartilhamento com outros companheiros.

Leiam vocês mesmos/mesmas. ;)

Sergio Viula


Bem, enviei um e-mail agora para o Alex Castro, do site Papo de Homem (http://papodehomem.com.br/), vou esperar a resposta:

Olá Alex Castro,

Eu sou a Daniela Andrade e entro em contato contigo por esse e-mail, pois foi o que consegui por meio do seu site pessoal, divulgado no seu perfil do Facebook.

Resolvo te escrever pelo fato de saber que você faz publicações no site "Papo de Homem", pelo fato de um dos seus textos em específico ter me tocado tanto que inclusive o compartilhei em diversas discussões que travei com pessoas que faziam "humor preconceituoso", e também por que tenho amigas feministas que dizem para mim que esse site é "muito bom". Não sei se você administra ou participa da administração do site, mas também gostaria que esse meu e-mail também chegasse às pessoas necessárias, se fosse possível.

Bem, dadas as apresentações, devo lhe dizer que lhe escrevo como mulher transexual e ativista.

Você pode conhecer textos meus [que dizem respeito à luta de transexuais e travestis no Brasil], se for do seu interesse, no meu próprio blog:

www.alegriafalhada.blogspot.com

e no site: www.transexualidade.com.br, onde faço publicações com outras amigas trans ativistas.

Também administro junto com amigas uma página no Facebook sobre o assunto (Transexualismo da Depressão - o título da página é uma ironia à forma como a sociedade vê/trata o assunto):
https://www.facebook.com/transpatologico

Pois bem, resolvi então pesquisar como o site Papo de Homem trata o tema quando resolve tocar no assunto transexualidade/travestilidade, imbuída inclusive pelo fato de ter visto uma outra postagem em que vocês se desculpavam por uma falha [retuitaram posts do criminoso Silvio Koerich e outras coisas mais] e demonstravam como uma pessoa deveria lidar ao ser chamada de machista/homofóbico/racista e afins (http://papodehomem.com.br/como-agir-ao-ser-chamado-de-machista-racista-homofobico-um-guia-para-nos-todos/). Nos comentários, inclusive vi amigas feministas travando um belo trabalho e sendo bastante respeitadas pelos escritores do PdH.

E digo-lhe uma coisa, tirando dois textos em que o assunto foi tratado com bastante clareza e respeito à humanidade das pessoas travestis/transexuais, TODOS os outros transformam travesti/transexual no seguinte: farsa, engôdo, engano, "traveco", erro, "algo" do quê devemos sempre rir e ter pena da existência. Acho também importante frisar aqui que para ter o mínimo respeito às pessoas travestis e transexuais é preciso entender dois termos básicos: "papel de gênero" e "identidade de gênero", todo o resto se ajusta a partir daí, como o fato de que a confusão de que "travesti é um gay com roupas de mulher" e "transexual é um gay que se operou" são mitos preconceituosos e que só tem um trabalho social: apagar a identidade genuína dessas pessoas, relegando-lhes o mesmo espaço nefasto, mesquinho e sub-humano de sempre.

Fiz uma pesquisa generalista, usando o motor de busca do site, a fim de obter todas essas informações. Coloquei a palavra "transexual", depois "travesti" e então "traveco" (considere que o termo "traveco" é altamente ofensivo/pejorativo, seria o mesmo que eu tentar buscar pela palavra "macaco" no PdH e encontrar textos usando o termo para se referir a negros). Mas, se julgarem necessário, posso fazer uma pesquisa mais minuciosa, não tive vontade de ir até o final do material que a busca me trouxe dado que, como eu disse, tirando apenas dois textos, nada mais trazia respeito (um em que se noticia a transexualidade de Tom Gabel, Punk Rocker, de forma limpa e isenta e outro muito bom da Jeanne Callegari em que ela tenta explicar o que é ser homem e o que é ser mulher - inclusive a autora do texto vai aos comentários para debater com o público, que evidentemente se revira todo diante de um texto que tenta destronar o posto suprassumo da biologia para definir identidade e sexualidade humana).

Bem, senti-me inclusive à vontade de te enviar esse e-mail pois o texto publicado por você nesse mesmo site tenta "ensinar" aos humoristas como fazer humor sem apoiar opressão / desumanização / preconceito / invisibilização. No caso em questão, falando das mulheres trans*. Coloco-me inclusive à disposição de quem seja para esclarecer dúvidas sobre o assunto, indicar bons autores que tratam o tema, bem como ver a possibilidade de amigas/amigos trans* também se disponibilizarem no que se refere à informação livre de danos para essa minoria EXTREMAMENTE esmagada socialmente e que está A TODO TEMPO tendo seus papeis e identidades de gênero DESRESPEITADOS pela grande maioria esmagadora que resolve tocar o assunto.

Seguem meus achados no site Papo de Homem:

Há um texto que o título já é homofóbico: "Ajude um amigo veado a sair do armário (http://papodehomem.com.br/ajude-um-amigo-veado-a-sair-do-armrio/)", escrito por um Leonardo Luz.

Quantos gays adoram ser vistos/chamados como veado? Por coincidência, não há palavras pejorativas para se definir heterossexual, aí a gente fala só heterossexual mesmo. O texto é de 2007, e a homofobia/transfobia, como sabemos, continua até hoje.

Estão lá os velhos xingamentos/pejorativos usuais e a velha classificação transfóbica de que ser transexual é ser gay (dá no mesmo, né?)

Vide trecho do texto:

-----------------------

"Há um tempo atrás houve uma grande discussão à respeito do milico da novela das oito, personagem do Edson Celulari, que iria assumir, diziam as más línguas, sua boiolagem. Teríamos então um homossexual-bissexual-transexual-gay-boiola-aviadado no horário nobre. Os milicos rodaram a baiana, e tanto reclamaram que a Globo
deixou o sujeito enrustido mesmo."

-----------------------

Passa o texto inteiro se referindo aos gays/homossexuais como veados, e quem se ofender, que se sinta ofendido, já que é um termo que NÃO PODE EM HIPÓTESE ALGUMA ser considerado pejorativo para se referir a TODOS os gays. Nem vou debater o resto do texto, é totalmente preconceituoso e desnecessário.

**************************************
* O outro texto, é um tal de "Doutor, quero virar mulher", também é de 2007:
http://papodehomem.com.br/doutor-quero-virar-mulher/

NOVAMENTE parte do princípio que ser transexual é ser gay, e NOVAMENTE usa palavras preconceituosas para se referir a estes, vide trecho:

Pergunta: “Dotor, sou menino e quero virar menina posso tomar anticonsepcionais da minha mamãe para virar menina?

"bjim no quexo”

- Dennis

Caro Dennis,

não deixe a baitolagem sugar seus neurônios. Nossa orientação sexual não pode nos tornar cabeças-ocas inconsequentes.
"
-----------------

Ou seja, ser gay é ter neurônios sugados.

O cara não entende absolutamente nada de transexualidade mas resolve nesse artigo dizer:

"Nos homens, a reação é imprevisível. Não conheço nenhum desmiolado que tenha feito a experiência."

Sim, pois se um "homem" tomar anticoncepcional ele SÓ PODE SER desmiolado. Comentários tão transfóbicos quanto, e nada de moderação.

**************************************

Fui pesquisar a palavra "travesti" no referido site; aí já vieram mais resultados.

Um é o texto "Mão de Mulher", escrito por Everton Maciel, em 2012:
http://papodehomem.com.br/mao-de-mulher/

Ele usa a palavra travesti no seguinte trecho:

"Poderia Ronaldo Nazário ter se engado, caso tivesse dado atenção para a mão da sua companhia afetiva daquela noite? Duvido muito. Nos travestis ele deu calote. Do preço do vexame, ninguém escapa. Travesti nenhum engana com uma mão de motorista de caminhão."

Bem, faz o de sempre TRATA travesti como se fosse homem, tanto por se referir à elas (no caso em específico a uma travesti, que ficou com Ronaldo) no masculino, demonstrando desconhecer o que é papel e identidade de gênero; e segue na sua tentativa de desqualificar travesti dizendo que "do preço do vexame ninguém escapa" [vexame por que Ronaldo foi "pego" com "um" travesti]. E essa frase "Travesti nenhum engana com uma mão de motorista de caminhão", eu pergunto: e mulher cis calçando 43, 44, engana? Enfim, novamente essa história de que travesti é alguém que está tentando enganar os pobres homens.

**************************************

Seguem mais textos tratando travesti no masculino, como um falando de Alexandre Frota e "O" travesti Bianca, escrito por Luiz Gallo em 2011. Seguem comentários transfóbicos não moderados nessa matéria.
http://papodehomem.com.br/alexandre-frota-ode-ao-pitbull/

**************************************

Outro texto de um autor que fala do amor entre uma lésbica e "um" travesti, do Alex Castro.

**************************************

Outro texto do Guilherme Nascimento Valadares, de 2010 (http://papodehomem.com.br/quadrado-musical-viciante/) em que ele em um trecho diz:

"Fui obviamemte sacaneado. Não sei se alguém invadiu diretamente o post, ou se esse flash já vinha com o trote como parte da programação. Alguns viram o quadrado musical. Outros tantos viram um pornô gay com dois travestis – não vi o segundo, estava numa reunião, acabei de voltar ao QG."

Novamente travesti no masculino, novamente acha que ser travesti é ser gay, novamente desinformação. Novamente comentários transfóbicos e o próprio autor do texto além de não rebater a transfobia do comentário (ele sabe o que é isso?) segue na resposta ao comentarista como se nada tivesse acontecido.

**************************************

Aí fui pesquisar a palavra "traveco", que é um termo extremamente ofensivo/pejorativo para se referir às travestis:

Outro texto transfóbico de um Maurício Garcia, de 2009:
http://papodehomem.com.br/papo-de-centro-cirrgico-2-a-misso/

Relatos de um médico sobre centro cirúrgico, segue:

"Trabalhando em hospital público, volta e meia você esbarra com um travesti. Mas no meu caso foi peculiar. Era meu primeiro dia de residência, e me deram uma ficha. Fui chamar o paciente, o primeiro de minha carreira médica:

- Ricardo!

Nada.

- Ricardo!

Xongas.

- Sr. Ricardooooooo!

Nisso estou reparando que uma mulher vai chegando perto de mim, e quando a vejo, ela diz, com voz suave:

“Sou eu.”

Passei a residência inteira sendo sacaneado por causa disso. Me chamavam de predestinado.

Ah sim, isso sem contar que a primeira paciente que eu operei era mais macho que eu!
"
------------------------------

Por aí a gente vê a desumanização das travestis inclusive no meio médico, ele passou a "residência inteira sendo sacaneado" por que atendeu "um" travesti. Se fosse uma mulher cis, aí não teria zoação né? E estamos falando de um médico, pasme!

Em outra parte do texto, o autor transfóbico diz: "Bom, já era, calcei uma segunda luva e vamos nessa. Quando olho para o paciente, era um travesti com pneumonia. Então primeiro tentei a artéria radial, no punho. Na hora que eu espeto a agulha, o traveco grita, com todos os trejeitos possíveis: “Uuuuuuuuuiiiiiiii”."

------------------------------

Um médico reproduzindo discurso machista/sexista/transfóbico e chamando travesti de "traveco". Mas claro, médicos vêem todos como seres humanos e tratam a todos tão bem quanto...

**************************************

Mais um texto transfóbico de Maurício Garcia, de 2008:
http://papodehomem.com.br/a-pulada-de-cerca-fatal/

Ele faz uma piadinha, tratando travesti no masculino e se valendo do fato de que sair com travesti é vexatório: "Até aí nada. Inclusive ressalto aqui que, a julgar pelos emails que recebo, os travestis devem ter muito trabalho, não é, Fenômeno?"

E termina por dizer:

"Dr Health, impressionado com a quantidade de emails que recebe de homens que tiveram relações com travestis."

Sim, pois homem não pode ter relação com travesti, logo, fica impressionado. Não vou falar dos comentários transfóbicos não moderados pelo autor.

**************************************

Mais um texto transfóbico, de 2008, de um tal Nicolau:
http://papodehomem.com.br/requisitos-bsicos-para-ser-homem/

Requisitos Básicos pra ser Homem, é o título. Além de se referir a travestis como travecos. Passa todo o texto desqualificando travestis como se fossem inferiores, e ser homem significa NÃO PODER/NÃO DEVER sair com travesti, já que evidentemente que travesti é um homem.

**************************************

Dr Love protagoniza outro texto transfóbico, de 2007:
http://papodehomem.com.br/ah-joozinho/

Que começa assim:

"Pergunta: “Sou casado e tenho vontade de fazer sexo com travesti, meu desejo é ser
ativo e não passivo, é normal?”

- Ronaldo"

No que ele responde:

"Você tem vontade de sair na rua no meio da noite, se dirigir até a zona de baixo meretrício de sua cidade, conversar com um indivíduo que se veste de mulher, na verdade é homem, e faz sexo por dinheiro, e após a conversa, quer levá-lo para algum motel discreto nas proximidades, onde vai entrar com algum nome falso, pegar um suíte premium para celebrar a data, chegar lá e pegar algumas cervejas no frigobar para te ajudar a perder a inibição, enquanto assiste ao traveco se despir em uma dança sensual ao som do funk da tropa, que na verdade é o prelúdio do ato em si, no qual você vai penetrar no ânus desse ser estranho, com seios siliconados e alguns pêlos esquecidos em certas partes do corpo, que já foi penetrado por dezenas de entidades antes de você, e no clímax da noite, você vai gozar como há tempos não gozava comendo sua mulher, e vai lembrar dela, de suas ex-namoradas, e daquele seu amiguinho de escola com quem “brincava” nos cantinhos escuros do pátio, depois que o sinal de término do recreio já tinha batido, e vai gritar:"

------------------------

Não preciso frisar todo o preconceito transfóbico da resposta, a todo custo desqualificando não só a identidade de gênero das travestis, como a própria humanização das mesmas.

Olha, parei por aqui, sinceramente, PAPO DE HOMEM é um site que se tiver algo a dizer sobre travestis e transexuais, apostarei e ganharei que será de forma preconceituosa e transfóbica, 99,99% de chance.

Subscrevo-me, colocando-me atenciosamente, caso seja do interesse, à disposição.

Daniela Andrade
https://www.facebook.com/DanielaEmTranse



Comentários

  1. Oi. Aqui é o Alex Castro.

    Em relação ao meu texto citado, no qual uso "travesti" no masculino, é uma entrevista com o autor de um livro sobre um caso de amor entre um travesti e uma lésbica e tanto o autor quanto o livro em questão só usam travesti no masculino. Aqui vai o link: http://papodehomem.com.br/biajoni-autor-de-sexo-anal-buceta-e-boquete-lanca-livro-sobre-amor-entre-uma-lesbica-e-um-travesti/

    Quanto aos outros textos, não escritos por mim e com os quais não tenho nenhum envolvimento, a maioria dos exemplos citados é de fato lamentável.

    Como um dos atuais editores do PapodeHomem, uma das minhas funções no site é justamente trazer temas sociais, falar de raça e de gênero. Se a Daniela quiser escrever um artigo esclarecendo nossos leitores sobre travestis e transexuais, seria um prazer e um orgulho publicar.

    Aliás, o convite está aberto não só a ela, mas a qualquer um. Esse é um tema que estamos precisando com urgência. Faz falta. É importante.

    Abração,
    Alex Castro

    Alguns textos meus relacionados:
    http://papodehomem.com.br/feminismo/
    http://papodehomem.com.br/relato-de-um-gay-que-queria-ser-hetero/

    ResponderExcluir
  2. Obrigado, Alex, pela resposta. Um site masculino pode celebrar a masculinidade sem o ranço do machismo. Tomara que seus articulistas entendam isso, como você demonstrou entender na sua resposta. Como editor, você pode manter o nível do site. Dá trabalho, cria alguns atritos, mas é assim que os editores mantém seus veículos de comunicação em harmonia com os princípios e diretrizes editorias dos mesmos. Desejo coragem e sabedoria nessa tarefa.

    Um grande abraço,
    Sergio Viula

    ResponderExcluir
  3. Oi Sergio. Só duas correções: eu não diria que o site celebra a masculinidade, não. :) E dois, não, não posso manter o nível do site. Sou só um funcionário, não tenho poder sobre o nível do site ou sobre os textos que outras pessoas escrevem e publicam. Só posso responder pelos meus próprios textos e pelas minhas próprias ações, e isso já dá um trabalho danado. Mas posso dizer que o site está fazendo uma boa autocrítica interna graças às colocações da Daniela. Abraços, Alex

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que ótimo, Alex! Você tem demonstrado boa disposição para avaliar tudo isso. Só por isso, parabéns. Que outros escritores do site desenvolvam essa mesma virtude.

      Grande abraço, querido.
      Sergio Viula

      Excluir
    2. Creio que a Daniela vai escrever um texto e tudo vai acabar bem.

      Excluir
    3. Ótimo! O Alex já deixou as portas abertas.

      Com isso, todo mundo vai sair ganhando, especialmente os leitores do site.

      Abraço, garoto!
      Viula

      Excluir

Postar um comentário

Deixe suas impressões sobre este post aqui. Fique à vontade para dizer o que pensar. Todos os comentários serão lidos, respondidos e publicados, exceto quando estimularem preconceito ou fizerem pouco caso do sofrimento humano.