Lelinho - um gatinho diferente

Nota: O nome dele é Lelinho e não Helinho como eu havia postado antes. ;)


Lelinho e eu


Ricardo, Jaqueline e Luísa são uma família muito legal. Estabelecemos amizade com eles logo que eles vieram morar numa casa à frente da nossa há aproximadamente três anos. Por causa do carinho que temos por eles e da proximidade de nossas casas, decidimos passar o natal juntos. Combinamos que dividiríamos as despesas da ceia, que acabou ficando farta e barata para todos, e curtimos o jantar natalino, o café da manhã e o almoço no dia de natal juntos. Meus pais foram passar o natal com minha tia (irmã do meu pai) e levaram minha filha e o namorido com eles. Meu filho está passando férias em João Pessoa com primos. Assim, cada um se arrumou do seu próprio jeito e todo mundo se divertiu como preferiu. 


Diversão foi o que não faltou na casa de Ricardo e Jaqueline. Os familiares deles têm a mesma sintonia que a gente em termos de bom humor. Entretanto, o mais curioso da noite foi o natal de Lelinho. 


Lelinho é esse gatinho que vocês podem ver aí na foto comigo. Ele é um gato muito especial: não gosta de ir para a rua, passa o dia em casa relaxando, comendo e buscando cafuné. Desde que uma nova gatinha se juntou à família, os gatos da rua não dão sossego. Passam o tempo chamando a pobrezinha, que nem entrou na puberdade ainda. Andam pelos telhados, tentam entrar na casa. Um deles – o gato angorá – chegou a montar sobre a coitada na nossa frente. A gatinha, que ainda nem sabe o que é cio, quase foi enrabada diante de todos nós. Espantamos o gato e ela continuou brincando sem imaginar que quase perdeu o cabaço minutos antes.


Pouco depois, o outro gato – branco e muito felpudo – conseguiu invadir a sala de estar sem que sequer notássemos sua passagem entre as mesas ao redor das quais conversávamos animadamente. Alguém foi pegar alguma coisa na cozinha e reconheceu o penetra, que foi carinhosamente posto para fora. 


De repente, Lelinho (o gatinho da foto), melhor amigo da nova gostosinha do pedaço, vai dar uma volta na rua. Quando Jaqueline vai chama-lo de volta para dentro de casa... SURPRESA! Os dois gatos pegadores – que não traçaram a ninfeta – estavam se divertindo com ele. O mais chegado já montando sobre ele. E Lelinho curtindo adoidado numa boa – sem medo e sem preconceito. Quando Jaqueline me contou isso, eu dei uma risada e pensei: um gato gay que faz sucesso com dois pit-gatos nem um pouco homofóbicos, e que – mesmo adorando a xerequinha da novinha – não dispensaram uma surubinha com o finíssimo melhor amigo da donzela, mesmo não desistindo dela. A natureza é fantástica mesmo e dá aula de diversidade e boa vizinhança, mesmo sem ter a mínima noção de que está sendo observada.


Em 2013, mais tesão, mais amor, mais liberdade e menos medo, porque felicidade é fundamental!


Uma ótima ÚLTIMA semana de 2012 para todos vocês amigos e amigas do Blog Fora do Armário!

Sergio Viula






Comentários

  1. olá Sérgio sou o Fábio do Coletivo Angu. Estarei de volta ao Rio dia 02/01 para a
    estréia do espetáculo ÓPERA que acontecerá a partir do dia 04/01. Se estiver no Rio será meu convidado, ok? A história de Lelinho é fantástica! No nosso espetáculo contamos uma história cujo personagem é um cão gay, mas que devido a uma ação homofóbica não tem um final feliz. Um ótimo final de ano e que 2013 seja um ano maravilhoso!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Fábio. Que bom saber disso! Estaremos lá, sim. Se você puder me enviar algum link com divulgação da peça, eu posso reproduzir a divulgação aqui no Fora do Armário. Será um prazer. Vamos combinar assim, então, eu e Emanuel assistiremos a peça no sábado, dia 05. Combinado? Abração, querido.

      Excluir

Postar um comentário

Deixe suas impressões sobre este post aqui. Fique à vontade para dizer o que pensar. Todos os comentários serão lidos, respondidos e publicados, exceto quando estimularem preconceito ou fizerem pouco caso do sofrimento humano.