Projeto Purpurina - Dia 04 de Novembro - 15h - Identidade de Gênero





Galera, faço Parte do Projeto Purpurina, um projeto voltado para Jovens LGBT´s.

Quem quiser ir, será muito bem vind@ , esse mês debateremos sobre Identidade de Gênero.



Haverá encontro para facilitar o acesso. Vá até a Rua Major Sertório, 292 - Vila Buarque - Metrô República às 14:30 - Encontre o pessoal em frente às catracas. 

Entrada Gratuita. Jovens de 13 a 24 anos.

*******


Grupo de Pais de Homossexuais 
Fundado por Edith Modesto


A Filosofia do Projeto Purpurina

O que é o Projeto Purpurina

O Projeto Purpurina (PP) é um projeto multicultural pensado pelo GPH – Grupo de Pais de Homossexuais, de iniciativa dele e patrocinado por ele.

No entanto, o Projeto Purpurina vem sendo realizado por jovens coordenadores, com o apoio dos pais do GPH. Nos encontros mensais do Projeto Purpurina, pratica-se o “protagonismo juvenil”, isto é, os próprios jovens escolhem os assuntos de seu interesse e coordenam a reunião, monitorados por especialistas. De modo geral, o objetivo é trabalhar em profundidade a elevação da auto-estima do jovem GLBTTT, desenvolvendo todos os assuntos considerados importantes para isso, entre os quais a aproximação dos jovens aos seus pais e familiares.

O Projeto Purpurina é o único projeto de iniciativa de pais heterossexuais para jovens gays, do Brasil.

O Projeto Purpurina e o GPH se complementam

O Projeto Purpurina complementa o trabalho do GPH – Grupo de Pais de Homossexuais, para aproximar os pais heterossexuais de seus filhos homossexuais.

Considerando que muitos jovens ainda não são aceitos, ou completamente aceitos pela família, observamos que um dos motivos que atrai os jovens ao Projeto Purpurina é justamente essa ligação sutil com os pais, com a família.

O Projeto Purpurina não foi feito para agradar aos pais heterossexuais. Mas um dos motivos principais de sua existência é tentar aproximar os filhos de seus pais. Ajudar os filhos a que entendam e desculpem as dificuldades dos pais em relação à homossexualidade, uma dificuldade criada pela cultura e da qual nem eles, nem seus pais, têm culpa.

O Projeto Purpurina e o GPH funcionam de modo semelhante

O PP funciona mais ou menos como o grupo de pais. O GPH não é um grupo de militância de pais que já aceitam. (Por exemplo, foi fundado um grupo de pais militantes em Niterói - RJ). O GPH é um grupo para ajudar os pais que ainda não aceitam seus filhos, no difícil processo de aceitação que a maioria atravessa. Quando os pais já aceitam completamente seus filhos, eles tendem a sair do grupo. Ou ficam para ajudar outros pais.

Inversamente, é o mesmo objetivo do Projeto Purpurina. Quando um jovem já é aceito completamente pela família, é um profissional e conseguiu uma vida afetiva e sexual estável, ele permanece no Projeto Purpurina para ajudar aqueles que ainda estão com problemas de aceitação, com auto-estima baixa e todas as demais conseqüências do preconceito. Este é o caso dos jovens coordenadores do Projeto Purpurina.

E o fato de o projeto ser ligado à mãe, à família, parece-nos um dos motivos principais do sucesso do Projeto Purpurina. Lá tem alguma coisa de mãe, de quem cuida e tenta aceitar, de quem se preocupa... Lá há pai simbólico, há irmãos de coração, há família. Como o Projeto Purpurina não há outro no Brasil.

Independentes, embora relacionados

O GPH e o Projeto Purpurina são projetos independentes, embora relacionados.

O Purpurina é uma iniciativa do Grupo de Pais, então ele está relacionado à família de origem, ele luta pela aproximação dos filhos a seus pais e familiares e vice-versa, ele é patrocinado por pais.

Mas, nos encontros do Projeto Purpurina, os pais não podem permanecer, a não ser em maio, na festa do dia das mães. Isso, para que os filhos tenham liberdade para falar de seus problemas, sem constrangimento. Do mesmo modo, nos encontros do GPH – Grupo de Pais de Homossexuais, os filhos não podem permanecer para que os pais possam falar de seus problemas com liberdade. E nos dois tipos de encontro, de pais e de filhos, tudo que se conversa é absolutamente confidencial.

O GPH e o Purpurina são as duas pontas do processo de aceitação: pais e filhos. Embora intimamente relacionados, são independentes.

O Projeto Purpurina é um projeto para todo e qualquer jovem GLBTTT; o GPH – Grupo de Pais de Homossexuais é um projeto apenas para pais heterossexuais, cujos filhos são GLBTTTs.

São Paulo, janeiro de 2008.

GPH – Associação Brasileira de Pais e Mães de Homossexuais
Edith Modesto – Presidente
www.gph.org.br
  

Comentários

  1. Gostaria de saber onde funciona a filial em Niterói, pois gostaria de participar. Eu sou o primeiro transhomem operado no Brasil e publiquei o livro "Viagem Solitária - Memórias de um transexual 30 anos depois", alémd e psicólogo. sexólogo e professor.
    Meadiciona: www.meadiciona.com/joaownery

    ResponderExcluir
  2. João, faz contato com o pessoal do GPH. Acessa o link do site que eu coloquei na matéria. Eles certamente fornecerão as informações. :)

    Obrigado, amigão.
    Sergio Viula

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixe suas impressões sobre este post aqui. Fique à vontade para dizer o que pensar. Todos os comentários serão lidos, respondidos e publicados, exceto quando estimularem preconceito ou fizerem pouco caso do sofrimento humano.