Parada LGBT de Copa, Brownie e Angu de Sangue



Eu não podia imaginar que encerraria meu domingo de modo tão brilhante e comovente ao mesmo tempo! 

Parada LGBT de Copacabana - 18/11/12

Veja mais fotos da Parada de Copacabana AQUI.

Depois de sairmos da 17ª Parada do Orgulho LGBT de Copacabana, Emanuel e eu fomos ao CCBB (Centro Cultural do Banco do Brasil) pensando em assistir alguma peça. Ingressos esgotados, só restava pararmos no salão de chá no próprio CCBB e degustar um delicioso brownie com sorvete. Renovados, decidimos ir ao Centro Cultural da Caixa Econômica Federal, localizado no Largo da Carioca. Todavia - e que todavia mais feliz! - passamos em frente ao Teatro Glauce Rocha, que estava aberto e com algumas pessoas esperando em frente às escadas. Decidimos conferir o espetáculo em cartaz. Era Angu de Sangue, apresentado pela trupe Visões Angu Coletivo, sediada em Recife, mas atuando no Glauce Rocha até o final desse mês (novembro/2012) com diversos espetáculos.

Essa peça que vimos (infelizmente encerrada hoje) representava diversos tipos de preconceitos, violências, modos de vida e de sobrevivência facilmente reconhecidos em qualquer cidade grande desse país. Ficamos impressionados com o texto, atuação e verossimilhança do espetáculo. O ato que em que um gay velho e nostálgico fala sobre o passado com uma forte veia preconceituosa contra os avanços dos direitos LGBT foi muito ousado e absolutamente reconhecível na pessoa de muitos gays hoje! Outro ato que nos impressionou foi aquele em que expectadores de um filme de cinema assistem a um cruel ataque homofóbico com morte para vítima, o qual discutia diversas injustiças e preconceitos que povoam a mente de muita gente ainda hoje. A peça, porém, não pretende discutir apenas temas relacionados aos LGBT. A trupe consegue transitar pela pobreza, o lixão, a mãe miserável que dá cria como gato, o abuso infantil, a violência doméstica, e por aí vai.

Incrível foi que, ao sairmos do teatro, fomos abordados por uma mulher pedindo esmola. Fiquei tão impressionado com a capacidade de articular ideias daquela mulher que lhe disse: "Geralmente não dou esmola, também não tenho muito dinheiro, mas você poderia ser uma atriz de teatro ou trabalhar com comunicação. Você fala muito bem. Pena que não teve oportunidade. Só por isso, vou te dar esse apoio." E tirei 10 reais do bolso e entreguei a ela. A mulher tinha dois filhos. Na mesma hora me perguntou se eu não queria ficar com uma das crianças. Fiquei abismado diante da vida que repete a arte que repete a vida. Tinha acabado de ver uma cena semelhante no espetáculo Angu de Sangue.

Trupe Angu Coletivo no encerramento da peça Angu de Sangue

Na mesma hora liguei para o teatro, consegui falar com Nínive, membro da trupe. Contei a história a ela e combinei de entregar-lhe um livro "Em Busca de Mim Mesmo" com o objetivo de proporcionar outros insights ao grupo para futuros trabalhos. Ela ficou abismada com a situação.

Não bastasse isso, logo depois de desligar o telefone, testemunhei outra injustiça representada no espetáculo: homofobia. Mais especificamente a lesbofobia. Duas meninas vinham caminhando para sacar dinheiro num banco 24 horas. Um cara na rua mexeu com uma delas. A outra reagiu perguntando qual era o problema. O cara fez menção de ir até elas para brigar. Na mesma hora, coloquei-me à vista dele e disse a elas: "Ali adiante tem uma cabine policial. Se for preciso, cheguem ali e falem com os policiais. Essa babaquice tem que acabar." Elas ficaram felizes em receber apoio e o cara desistiu imediatamente do seu intento.

Isso me fez pensar que contra a homofobia, precisamos é de mais solidariedade dos que se encontram ao redor - outro ponto levantado pelo espetáculo na morte do homossexual agredido na cena de cinema.

Tudo o que posso dizer é que a Parada do Orgulho LGBT foi espetacular, o brownie com sorvete no CCBB foi divino e a peça Angu com Sangue foi a melhor surpresa do dia! Enquanto isso, o Brasil ainda precisa amadurecer muito antes que possa se considerar um país de todos.

Os cartazes da foto não correspondem a temporada atual

Angu com Sangue já saiu de cartaz, mas você pode assistir O AMOR DE CLOTILDE POR UM CERTO LEANDRO DANTAS (quinta a domingo - 19h - 20 reais, com direito à meia-entrada) com a mesma companhia de teatro.

Av. Rio Branco, 179 - Centro - RJ
Tel.: (21) 2220-0259



CONFIRA EM BUSCA DE MIM MESMO.

CLIQUE AQUI



Comentários

  1. Olá meu caro Sérgio . É com imensa alegria que li seu post sobre o Angu de Sangue, primeiro espetáculo da cia COLETIVO ANGU DE TEATRO, da qual faço parte. Seu depoimento me emocionou bastante e espero poder continuar com o seu olhar sobre o nosso trabalho.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom receber seu comentário, Fábio Caio! Vc arrasou em toda a encenação, especialmente fazendo a mulher que vivia no lixão. Tocante mesmo! Hoje deixei um pacote endereçado a Cia Visões Coletivas, aos cuidados de Nínive. Dá uma olhada na recepção do teatro. ;) Espero que curtam.

      Abraço carinhoso,
      Sergio Viula

      Excluir
  2. Ô Sérgio, voltei ao Recife e só estarei no Rio em janeiro. Respondi seu email e em breve enviarei material sobre nosso espetáculo Ópera. Um abraço e apareça pra ver O Amor de Clotilde por um Certo Leandro Dantas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que ótimo! Publicarei aqui assim que enviar. ;)

      Um forte abraço, querido.
      Sergio Viula

      Excluir

Postar um comentário

Deixe suas impressões sobre este post aqui. Fique à vontade para dizer o que pensar. Todos os comentários serão lidos, respondidos e publicados, exceto quando estimularem preconceito ou fizerem pouco caso do sofrimento humano.