Milão suspende seu status de cidade-irmã com a capital do norte da Rússia em protesto à legislação anti-gay


Vitaly Milinov - fonte da foto: www.en.gazeta.ru


Autor da lei contra propaganda homossexual em São Petersburgo contesta crítica de Milão
Vitaly Milonov chamou colegas europeus de “membros do lobby gay”


O autor de uma lei que proíbe a "propaganda homossexual" em São Petersburgo, deputado Vitaly Milonov, assumiu um tom ainda mais desafiador depois que Milão suspendeu seu status de cidade-irmã com a capital do norte da Rússia em protesto contra a polêmica legislação. Ele afirmou provocativamente à agência de notícias RIA Novosti que “deve haver um monte de socialistas em Milão" e que era "uma grande vergonha que uma cidade como aquela tomasse uma decisão assim". O parlamentar acrescentou ainda que é difícil para muitos de seus colegas europeus aceitarem a legislação russa, já que “muitos deles são membros do lobby gay".


A Assembleia Legislativa de São Petersburgo aprovou em fevereiro deste ano a lei que proíbe a "ação pública destinada à propaganda da sodomia, do lesbianismo, do bissexualismo e da transgeneridade entre os menores de idade". Tudo para “proteger as crianças”, de acordo com Milonov.


A proposta de suspender o status de 45 anos de cidade irmã com São Petersburgo até que a lei fosse revogada foi proposta pelo Partido Radical Transnacional da Itália. A imprensa italiana informou também que Turim e Veneza poderiam seguir o exemplo de Milão. Os críticos da lei de Milonov, que foi adotada por quatro outras regiões em toda a Rússia, dizem que a imprecisão de seu texto sobre o que constitui a “promoção de um estilo de vida homossexual” deixa margem a muitos abusos. No entanto, o deputado tem encontrado um grande apoio popular no país e ainda conta com a aprovação da poderosa Igreja Ortodoxa Russa. Uma pesquisa realizada em julho passado pelo respeitado Centro Levada descobriu que 75% dos russos consideram que a homossexualidade é produto ou de "uma doença” ou de “uma moral duvidosa".


No entanto, nenhuma declaração é suficientemente polêmica para Milonov. Querendo provar a sua visão de que a “propaganda gay” influencia as crianças, o deputado arrematou seu argumento com uma alfinetada maldosa nos vizinhos alemães. "Basta olhar para a Alemanha, onde as estatísticas indicam que 12% da população é gay e que 40% dos homens de Berlim já tentaram fazer sexo homossexual”. Pelas contas do parlamentar de São Petersburgo, números tão altos “não podem ser explicados pela biologia”.


Fonte: Diário da Rússia


-------------------------------------------
COMENTÁRIO DESTE BLOGUEIRO

Madonna deve estar se sentindo parcialmente vingada, se é que vocês lembram da polêmica contra ela por causa de seu posicionamento pró-LGBT em dois shows na Rússia. 

Além disso, duas coisas saltam à vista aqui:

1. Os países que realmente buscam a plena efetivação dos direitos humanos para todos os humanos, sem exceção, vão dando demonstrações de que não tolerarão nada menos do que isso;

2. Os obscurantistas reacionários, sejam fundamentalistas religiosos ou conservadores anacrônicos, poderão continuar não concordando com os direitos alheios, uma vez que todo mundo tem direito de ser estúpido, mas não poderão impedir a efetivação e o desfrute desses direitos por todos, mesmo aqueles que eles internamente desprezem.

Enquanto isso, aqui no Brasil, tem parlamentar fundamentalista e conservador querendo empurrar pela goela do Conselho Federal de Psicologia (CFP) o dogma descabido e anti-científico da 'cura gay'. ATENÇÃO, CONGRESSO! V. Excias, só aprovarão essa injúria e embuste se quiserem cair em desgraça nacional e internacional. Deputados da Câmara Federal da República Federativa do Brasil, digam não ao Projeto de Decreto Legislativo 234/11, do deputado João Campos (PSDB-GO) sem ressalvas e sem hesitação.

Quem quiser saber mais sobre o que aconteceu na Câmara em 27 de novembro de 2012 a respeito da infame proposta de 'cura gay', clique AQUI.

Comentários