Lucas Fortuna, 28 anos, militante LGBT, assassinado em Pernambuco


NOTA DE PESAR pelo assassinato do Militante LUCAS FORTUNA*

ABGLT dá os sinceros  pêsames aos(as) amigos(as), parentes, companheiros(as) de  militância   de  Lucas  Fortuna (28 anos) pelo seu assassinato ocorrido nas primeiras horas deste domingo (18) em Cabo de Santo Agostinho (PE).

Lucas era um militante da causa LGBT e combatia a intolerância e a violência através de suas ações pacíficas e brilhante oratória. Durante anos foi um dos organizadores em Goiânia da Parada Gay

Lucas também era do movimento estudantil e contribuiu para que houvesse uma Secretaria LGBT na Diretoria da UNE. Também foi coordenador da regional Centro-Oeste da Executiva Nacional de Estudantes de Comunicação Social (Enecos) nos anos de 2005 e 2006

Jornalista, Lucas também era presidente do Diretório Municipal do PT de Santo Antonio de Goiás.

Tudo leva a crer tratar-se de um crime homofóbico pelas agressões sofridas. As agressões físicas verificadas no corpo de Lucas caracterizam-se pelos requintes de crueldade típicos dos crimes motivados por homofobia. Desta forma, solicitamos das autoridades de segurança pública do Estado de Pernambuco a apuração dos fatos e elucidação do crime com responsabilização judicial de seus autores.   



A incidência de crimes homofóbicos em nosso país, impõe às autoridades constituídas, sobretudo o Congresso Nacional, a necessidade de aprovação de legislação especifica (PLC 122) que coíba essa prática tão naturalizada em nossa sociedade.  

A ABGLT  pede  urgência  na apuração  dos  fatos. 

Continuamos firmes no  ideal  de uma  sociedade  justa, fraterna  e  sem  discriminação por orientação sexual e  identidade  de gênero pela  memória de LUCAS FORTUNA 
Toni Reis
Presidente  da  ABGLT

***********



(Foto: reprodução/Facebook)



Goiânia - O jornalista goiano Lucas Cardoso Fortuna, 28, foi encontrado morto na manhã deste domingo (18/11), na praia de Cabo de Santo Agostinho, próxima à cidade de Recife, no Estado de Pernambuco. Segundo informações de uma amiga próxima do rapaz, o corpo foi encontrado trajando apenas cueca, com sinais de espancamento e todo ensanguentado. 

A amiga informou que Lucas teria ido para Cabo de Santo Agostinho a serviço da Federação Goiana de Voleibol, para ser árbitro de um campeonato. Ele teria sido visto pela última vez no hotel em que estava, na noite de sábado (17/11). Na manhã de domingo,como não foi encontrado no quarto, os amigos suspeitaram que ele estivesse desaparecido e começaram uma busca pela redondeza. 

A praia em que Lucas foi encontrado fica bem próxima ao hotel. O pai do rapaz foi até Recife, neste domingo, para tratar da tramitação burocrática e buscar o corpo para fazer o velório na capital goiana. 

Lucas era presidente do Partido dos Trabalhadores (PT), no município de Santo Antônio de Goiás, e militante ativo do Movimento Gay, em Goiânia. Além disso, foi fundador do Grupo Colcha de Retalhos, que luta pela causa LGBT na UFG. Organizou diversas paradas gays na capital goiana e lutou pela aprovação do Projeto de Lei 122, que assegura a punição à homofobia no Brasil. 

Professores lamentam 

Em nota enviada por e-mail para professores, alunos e ex-alunos, o Prof. Dr. do curso de Jornalismo da Universidade Federal de Goiás, Juarez Ferraz de Maia, lamentou a morte de Lucas Fortuna. “Tudo leva a crer tratar-se de um crime homofóbico pelas agressões sofridas. Lucas Fortuna era um militante da causa gay e combatia a intolerância e a violência através de suas ações pacíficas e brilhante oratória . Durante anos foi um dos organizadores em Goiânia da Parada Gay”, escreveu o professor na nota. 

Juarez Maia ainda ressaltou que a professora Angelita Lima também lamentou profundamente a morte do ex-estudante de jornalismo da UFG. Em mensagem enviada por e-mail, a professora escreveu que está “profundamente abalada”. A nota segue dizendo: “O Lucas foi o meu braço direito enquanto estive na coordenação do curso e foi o responsável por grandes feitos e vitórias no curso de Jornalismo. Brilhante, inteligente e inquieto. Foi uma grande liderança social e do movimento estudantil. Sempre muito precoce em tudo. Acho que ele foi feliz”.



COMENTÁRIO DESTE BLOGUEIRO

Isso não é coincidência. Veja as informações colhidas pelo Dr. Luiz Mott a respeito dos assassinatos de militâncias LGBT no Brasil. Tem sido um verdadeiro massacre. 

Veja também: Relatoria especial da Corte Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) condena assassinato de jornalista no Brasil: AQUI.

Enquanto isso, a presidente Dilma Rousseff continua calada e os fundamentalistas homofóbicos da Câmara e do Senado gritando impropérios contra os cidadãos LGBT brasileiros.

Veja abaixo:


MILITANTES HOMOSSEXUAIS LGBT ASSASSINADOS NO BRASIL

Fonte: GRUPO GAY DA BAHIA (luizmott@oi.com.br)

1. Claudio Rodrigues, 35, SP, bancário e universitário, fundador do Grupo Libertos, participou do I Encontro de Homossexuais Organizados em SP (1980), 5 facadas, corpo foi encontrado em seu apartamento em avançado estado de decomposição, 1982

2. José Albuquerque Porciúncula, Ze Popó, 41, Olinda,PE, engenheiro, Fundador do Grupo de Atuação Homossexual de Olinda, Gatho, afogado na piscina de sua casa por um rapaz de programa, 1995

3. Brenda Lee, transexual, fundou Casa Brenda Lee para travestis com Aids, tiro, S.Paulo, 1996

4. Alexandro de Jesus Nascimento, 25, professor de inglês, Presidente do Grupo de Homossexuais do Calafate, Salvador, facadas, 2002

5. Marcelo Hidalgo, Presidente do GAPA/DF, Brasilia, estrangulado e afogado, 2003

6. Marcos Andre dos Santos, Tabuleiro, AL, Vice Presdiente do Grupo Gay de Tabuleiro, espancamento, 10 tiros, 2004

7. Adamor Guedes, 40, Manaus, Presidente da Associação de Gays, Lésbicas e Travestis do Amazonas, facadas, 2005

8. Ana Paula (Paulo Sérgio de Souza Santiago), Porto Velho, Rondônia, 46, Presidente da Associação Projeto Vida, tiro, 2006

9. Luiz Palhano, Crateús, CE, doutor em pedagogia, professor universitário, militante do GRAB, 21 facadas, 2008

10. Gabriel Furkim, Curitiba, ex-coordenador do Grupo Dignidade, facadas, torturado, 2009

11. Sabrina Drumond, S.Luis, MA, 40, Presidente da Associação de Travestis e Transexuais do Maranhão, facada, 2009

12. Sidney Nascimento, travesti, 30 anos, assassinado com vários golpes de tesoura, Campo Grande, MS, colaborador da ATMS, Associação de Travestis do Mato Grosso do Sul, 2010

13. Jose Aparecido Moreira Souza, cabeleireiro, Jaru, Rondônia, CABEÇA esfacelada, militante do GrupoArco íris, RJ, 2010

14. Iranilson Nunes da Silva, 38 anos, Jacareí,SP, militante da ONG REVIDA, 2010

15. Camilee Gerin, de Campinas, do grupo Identidade: Grupo de Luta pela Diversidade Sexual. Morta à facadas e pauladas, 2010

16. Carlos Magno Abreu Ferreira, de Macaé, RJ, encontrado morto a facadas em seu apartamento, foi um dos fundadores do Movimento da Diversidade Social, MDS, onde foi diretor sócio-cultural, 2011

17. Ezequias Rocha Rego, 55 anos, professor, assassinado com um golpe de faca no pescoço, em Jacarecica, Alagoas. Ele é ex. diretor financeiro do GGAL, 2011

18. Lucas Fortuna, 28, jornalista, goiano, assassinado por espancamento na praia do Cabo de Santo Agostinho, PE, fundador do Encontro Nacional Universitário da Diversidade, 18-11-2012

Comentários