“Silas Malafaia não representa o povo evangélico brasileiro”, afirma pastor, criticando episódios das eleições.



O blog Fora do Armário não costuma publicar falas de pastores, exceto quando são pastores cujas falas estão engajadas num projeto de inclusão, igualdade, celebração da diversidade, etc. Estou reverberando esses dois textos, porque eles refletem um fato: Silas Malafaia não representa os evangélicos brasileiros, mas apenas um grupo de seguidores. Além disso, o texto denuncia o que as pessoas mais esclarecidas sempre souberam: ele almeja apenas dinheiro e poder. Veja os textos e observe como os próprios evangélicos já não o suportam mais.

Sergio Viula



New post on Gnotícias




Leia na íntegra

by Tiago Chagas

Em meio às polêmicas protagonizadas pelo pastor Silas Malafaia a respeito das eleições municipais em São Paulo, o pastor Paulo Siqueira, colunista do Gospel+publicou um artigo contundente em seu blog, questionando a motivação do líder da Assembleia de Deus Vitória em Cristo (ADVEC).

Siqueira afirma que “Silas Malafaia e sua turma não representam os verdadeiros evangélicos deste país, que ainda lutam por um país mais justo, mais igualitário, mais verdadeiro” e que o pastor não representa os evangélicos que “acreditam que isso só será possível através da pregação do Evangelho de Cristo, que se coloca totalmente contrário ao sistema religioso e político, Evangelho este que não se alia à corrupção ou à injustiça”.

O contexto sociocultural foi frisado pelo pastor: “É preciso dizer que estamos num país onde se diz que política e religião não se discute, retrato fiel imposto pelos nossos colonizadores (que sempre usaram da argumentação política e religiosa para impor sobre todo o povo o domínio, tanto mental como cultural”.

Segundo Siqueira, Malafaia tem se posicionado de forma errada, no caminho inverso ao que deveria ser tomado: “Ao invés de se opor ao sistema com as armas e os valores da Reforma Protestante, faz o contrário: se despe dos valores essenciais da cultura cristã e se alia ao sistema político, buscando para isso o poder, pois pelo visto e pelos seus discursos dinheiro não lhe falta mais. O que almeja no momento é o poder”, enfatiza Siqueira.

Indignado com a postura de Silas Malafaia, Siqueira frisa que o pastor da ADVEC não tem legitimidade para falar em nome de todos os evangélicos: “Quem tem visto as mídias nas últimas semanas tem a impressão de que esse cidadão fala em nome de todos os evangélicos, porém é preciso dizer em alto e bom som que esse cidadão caminha em sentido contrário e totalmente desorientado ao verdadeiro Evangelho, que todos os evangélicos deveriam representar, pois o termo ‘evangélico’ quer dizer aquilo que vem do Evangelho”.

A contundência das críticas de Siqueira, que lidera o Movimento pela Ética Evangélica Brasileira, classifica as ideias do pastor Malafaia como hereges: “Lamentavelmente, o Sr. Silas e sua turma de hereges contemporâneos têm, há muito tempo, deturpado os valores do verdadeiro Evangelho com arrogância, ganância desenfreada, em busca dos valores deste mundo, pois a teologia que hoje vivenciam tem saciado unicamente às suas vaidades pessoais”.

Confira abaixo a íntegra do artigo “Silas Malafaia não representa o povo evangélico brasileiro”, do pastor Paulo Siqueira:


Uns confiam em carros e outros em cavalos, mas nós faremos menção do nome do SENHOR nosso Deus. – Salmos 20.7

Nos últimos meses, estivemos inseridos no processo político para a escolha de prefeitos e vereadores em todo o Brasil. De forma cotidiana, o processo político caminhou, com horário político na tv e rádio. Porém, neste ano, principalmente na cidade de São Paulo, o maior berço político do país, tivemos a inserção do tema “religião”.

É preciso dizer que estamos num país onde se diz que política e religião não se discute, retrato fiel imposto pelos nossos colonizadores (que sempre usaram da argumentação política e religiosa para impor sobre todo o povo o domínio, tanto mental como cultural. Isso é refletido por séculos de atraso e avanço no que podemos de uma consciência e de um entendimento real e verdadeiro do que é política e para que serve. Assim, vemos o domínio de coronéis a grandes empresários, ou seja, o dinheiro e o poder são os veículos que conduzem a política brasileira.

Lamentavelmente, isso é reforçado pelo poder religioso, que também usufrui do dinheiro para alicerçar o seu domínio sobre o povo. E novamente a história se repete, porém desta vez um líder evangélico que, ao invés de se opor ao sistema com as armas e os valores da Reforma Protestante, faz o contrário: se despe dos valores essenciais da cultura cristã e se alia ao sistema político, buscando para isso o poder, pois pelo visto e pelos seus discursos dinheiro não lhe falta mais.

O que almeja no momento é o poder.

Quem tem visto as mídias nas últimas semanas tem a impressão de que esse cidadão fala em nome de todos os evangélicos, porém é preciso dizer em alto e bom som que esse cidadão caminha em sentido contrário e totalmente desorientado ao verdadeiro Evangelho, que todos os evangélicos deveriam representar, pois o termo “evangélico” quer dizer aquilo que vem do Evangelho.

Lamentavelmente, o Sr. Silas e sua turma de hereges contemporâneos têm, há muito tempo, deturpado os valores do verdadeiro Evangelho com arrogância, ganância desenfreada, em busca dos valores deste mundo, pois a teologia que hoje vivenciam tem saciado unicamente às suas vaidades pessoais. Agora, após conquistar mansões, carros importados, aviões, jóias, roupas de grife, ou seja, todos os prazeres que este mundo oferece (porém não sacia e não traz a paz), o Sr. Silas, se apoiando de forma totalmente errônea a versículos isolados da Bíblia, investe na busca do poder político. Para isso, faz conchavos e acordos, não se importando com ideologias ou valores, simplesmente com a busca pelo poder.

Mas isso já faz parte do contexto desse Sr., que há muito tempo busca o domínio de sua denominação e, não conseguindo, funda para si um domínio para saciar a sua incansável sede de poder. Para isso, não se importa se o político é maçom, se é corrupto, se apóia valores contrários aos valores cristãos.

Dentro de tudo isso, é preciso dizer que Silas Malafaia e sua turma não representam os verdadeiros evangélicos deste país, que ainda lutam por um país mais justo, mais igualitário, mais verdadeiro, e que acreditam que isso só será possível através da pregação do Evangelho de Cristo, que se coloca totalmente contrário ao sistema religioso e político, Evangelho este que não se alia à corrupção ou à injustiça.

É preciso citar aqui que um dia o deus deste mundo apresentou todos esses valores, que hoje, para o sr. Silas e sua turma, são essenciais. Porém havia uma condição: Jesus teria que se dobrar e adorar o deus deste mundo. E Jesus disse a frase: “sai daqui, satanás, as Escrituras ordenam: adore somente o Senhor, o seu Deus. Sirva somente a Ele” (Mt 4.10 – Bíblia Viva).

Ainda é preciso dizer que a Bíblia nos exorta a não acumularmos tesouros nesta terra, mas antes acumularmos tesouros nos céus (Mt 6.19-20).

Porém, o que eu gostaria de deixar é que o povo chamado “protestante” ainda existe, e está atuante, sem temer os poderes deste mundo. Por isso que denunciamos e trazemos a verdade, para que o mundo saiba que os valores cristãos estão acima dos valores deste mundo, e que Silas Malafaia e sua turma estão aquém do verdadeiro Evangelho de Cristo. Assim, que todos estejam atentos.

“Pois que aproveita ao homem ganhar o mundo inteiro, se perder a sua alma? Ou que dará o homem em recompensa da sua alma?” – Mt 16.26

Voltemos ao evangelho puro e simples, o $how tem que parar!

A Deus, toda a honra e toda a glória para sempre.

Paulo Siqueira

Por Tiago Chagas, para o Gospel+

Comentários