Haddad propõe uma SP liberta às mulheres, aos negros e aos LGBTs


Haddad propõe uma SP liberta às mulheres, aos negros e aos LGBTs




Enviado por Julian Rodrigues por e-mail.



O candidato eleito do PT à prefeitura de São Paulo, Fernando Haddad, discursou ontem à noite na Avenida Paulista para uma multidão de 3 mil pessoas. Haddad focou o seu discurso na questão da mudança e que seu projeto político foi aprovado pela população paulistana. Ao término de seu discurso, Haddad declarou que vai trabalhar por uma São Paulo “livre para as mulheres, população negra e para os LGBTs”. O fato é histórico, pois, nunca dantes na história da pauliceia um prefeito eleito assumiu tal compromisso em público, para o horror dos obscurantistas, que promoveram uma campanha de difamação contra Haddad.


Mais do que reafirmar um compromisso que o candidato deixou claro apoiar durante toda a campanha, a declaração foi uma resposta ao pastor Malafaia e seus seguidores. O telepastor já escreveu um texto sobre o pleito paulistano e pediu aos seus seguidores para não ficarem com medo da vitória petista em São Paulo e ir pra cima. Porém, a derrota de Malafaia para o “pai do kit gay” ganha conotação nacional e deve ser utilizada para que se crie novos caminhos no Congresso Nacional e junto da presidenta Dilma. Sem o desejo de ser, Malafaia faz do novo prefeito paulistano o principal “inimigo”, do outro lado, a vitória de Haddad carrega um significante: a população paulistana, e podemos pensar na brasileira também, não apoia a agenda obscurantista.


Isso nos revela também que pressão interna (dentro do partido) também faz toda a diferença no conduzir da campanha_


E não foi apenas na festa de comemoração de sua vitória que o candidato petista ficou do lado dos sujeitos sexodiversos. O seu programa de governo traz um caderno com nove propostas de políticas públicas LGBT; no ato de lançamento do seu programa o tema foi abordado e o então candidato defendeu o direito das pessoas homossexuais poderem trocar afetos em locais públicos. Em maio, o candidato participou de um seminário LGBT com a militância do PT. Por fim, quando José Serra trouxe Malafaia do Rio de Janeiro, Haddad não retrocedeu e ainda desmascarou o jogo baixo proposto pela dupla Serra e Malafaia.


A agenda obscurantista perdeu em São Paulo. Este fato nos faz pensar que os paulistanos (boa parte deles) não deseja uma cidade pautada pelas sandices do pastor da extrema direita e que nem querem ver em seus jornais matinais jovens apanhando de homofóbicos que são incentivados por discursos de gente como o telepastor em questão.


Ganhou a diversidade, ganhou SP_

Comentários