Evangélicos: De hereges a inquisidores - por Luiz Mott


Evangélicos: De hereges a inquisidores

Fonte da foto: doqueosgaysgostam.wordpress.com


Luiz Mott

A TARDE, 6-10-2012

1558: três calvinistas franceses são enforcados no Rio de Janeiro pelo crime de heresia e na Bahia, um é enviado à Inquisição de Lisboa para ser queimado.

2012: vereador batista quer dar o título de cidadão soteropolitano ao pastor evangélico Silas Malafaia, o mesmo televangelista que no ano passado foi declarado persona non grata pela Câmara Municipal de S.Luís do Maranhão.

Protestantes ilustres tiveram destaque em nossa história recente: o Presidente Geisel, a Ministra Benedita da Silva, o atual Prefeito de Salvador, o Ministro da Pesca Bispo Crivela. 22% dos brasileiros declaram-se evangélicos, um crescimento de 61% na última década. A Frente Parlamentar Evangélica conta com 84 deputados e senadores, entre eles, os baianos Popó e Walter Pinheiro.

Ninguém nega que para muitos, a conversão ao protestantismo representou perceptível melhora de vida: curaram-se do alcoolismo e outros vícios, tornaram-se mais familhistas e pacatos. Porem é do conhecimento público o enriquecimento ilícito de destacados líderes protestantes, através da cobrança abusiva do dízimo e de outras falcatruas nada evangélicas, ludibriando os mais humildes com promessas de falsas curas e prosperidade material.

Tão grave quanto esses abusos contra a população menos esclarecida é a antipática e anticonstitucional postura de grande parte dos evangélicos em seus ataques a quem não é “crente”: chutaram a imagem de Nossa Senhora Aparecida e acusam os católicos de idolatria; demonizam os adeptos do Candomblé, chegando a invadir e destruir objetos sagrados dos templos das religiões de matriz africana; instigam ódio aos homossexuais, impedindo no Congresso a equiparação da homofobia ao crime de racismo.

Irmãos evangélicos, aprendam a viver em sociedade: respeitem as outras religiões e ateus, diminuam o som de seus alto-falantes, deixem de prometer curas mentirosas e de explorar a boa fé dos incautos, sigam o bom exemplo dos protestantes dos países mais civilizados que respeitam a diversidade sexual, onde há até bispos gays e lésbicas assumidos.

Salvador não deve dar o título de cidadão a um perigoso inquisidor!

Comentários