Dia dos Professores, ciência, religião e humanismo

Dia dos Professores
Por Sergio Viula



Existem professores de todos os tipos, porque tudo o que se sabe pode ser compartilhado, e quando isso é feito por alguém que se dedica à arte de facilitar a aquisição desses conhecimentos, então isso é magistério. 

Porém, ao mesmo tempo em que isso é fato, pode ser também problema, pois, por um lado, significa que existirão professores que divulgarão conhecimentos verdadeiros, adequadamente verificados e verificáveis caso se sua consistência seja posta em dúvida. 

Por outro lado, também existirão professores que ensinarão coisas contrárias ao conhecimento científico como se fossem verdades absolutas, mesmo quando se chocam com o que já foi verificado, experimentado, descoberto, compreendido e sistematizado por cientistas, inventores, historiadores, filósofos, etc. Nessa categoria encontram-se os mitos e fábulas religiosos ensinados como verdade absoluta e inquestionável.

Entre o cientista numa ponta e o teólogo na outra, ficam os indispensáveis professores das diversas artes e humanidades que tanto enriquecem nossa existência, instigam nossa emoção, percepção e pensamento. A estes, nosso muito obrigado por compartilharem suas obras e por nos ensinarem suas técnicas. 

Como seríamos pobres se tivéssemos somente os computadores de Steve Jobs, mas não tivéssemos as pinturas de Leonardo da Vinci ou de Michelangelo ou a arte de Salvador Dali e Romero Brito - todas deslumbrantes, ainda que tão diferentes entre si. E o mesmo poderia ser dito ao contrário. 



Papa Urbano VIII condenou Galileu por sua defesa do heliocentrismo, mas posteriormente Galileu recebeu indulgência plena e a bênção do papa e morreu aos 78 anos em sua própria cama. 




Galileu defendeu o heliocentrismo contra a ideia amplamente aceita de que que o sol girava em torno Terra. 


Mas, voltando à questão do professor que reproduz conhecimento verdadeiro e aquele que ensina fábulas como se verdades fossem, vale ressaltar que a Igreja Católica gaba-se de seus mestres, alegando que seu magistério, juntamente com a tradição e a bíblia, constituem a mais absoluta verdade. Portanto, de acordo com essa crença, os sacerdotes detêm a verdade e a ensinam fielmente aos filhos de Roma, que, por sua vez, devem recebe-la sem questionamento, sob o risco de blasfêmia ou heresia. Sem esquecer que, numa escala micro, existem ainda os catequistas, os quais atuam sob a vigilante orientação dos párocos.

Semelhantes à igreja romana nesse ponto, as Igrejas Protestantes gabam-se de seus pastores e reverendos como mestres da sã doutrina, mantendo incontáveis professores de Escola Bíblica Dominical (a famosa EBD), os quais geralmente não abrem somente o texto bíblico para trabalhar com suas classes, mas também possuem alguma edição do que costuma se denominar como "revista de EBD". 

Esses dias fiquei horrorizado ao perceber que a revista que a igreja dos meus pais utiliza é produzida pela Central Gospel do Silas Malafaia. Passando pela sala-de-estar, dei de cara com uma foto do pastor-showman logo na capa. A igreja dos meus pais nem é Assembleia de Deus, e o povo de lá nutre a fantasia de que seja uma igreja equilibradíssima, confiabilíssima, mas como atribuir esses adjetivos corretamente a uma igreja que adota o material viciado em todo tipo de preconceito publicado pela editora do pastor Silas Milionário? Por aí, vocês podem imaginar o que vem sendo ensinado pelas milhares de classes de EBD espalhadas por esse Brasil todo domingo! 

Lição 3 dessa edição: Tema da lição "A Homossexualidade é Condenada por Deus"
 -  o  redator é o próprio  Silas Malafaia

Aliás, essas editoras evangélicas descobriram que EBD pode ser um filão ($) fantástico. Veja só. A média dos brasileiros dificilmente compra um livro pelo simples prazer da leitura (por ano!), mas todas as pessoas da igreja precisam comprar uma revista de EBD para frequentar as classes dominicais (ou sabatistas, no caso do Adventismo do 7º Dia). Numa família de 4 ou 5 pessoas, cada um tem a sua própria revista. Agora, imagine uma igreja com 1.000 pessoas (existem várias delas; algumas até com mais), só aí são 1.000 revistas! E elas geralmente são trimestrais. Isso significa que aquela editora venderá 4.000 revistas por ano só para aquela igreja ali. Sem falar nas incontáveis portinhas de garagem transformadas em templo que existem por aí. É um super negócio! Infelizmente, um negócio que enriquece alguns e condena ao obscurantismo tantos outros. É triste pensar num país que carece tanto de conhecimento científico mergulhando cada vez mais na Idade das Trevas editada e reeditada nas páginas dessas revistas e na fala desses professores.

Só para se ter uma ideia, esses professores de EBD multiplicam textos que difamam a ciência, desprezam o evolucionismo, ridicularizam os movimentos sociais libertários, perseguem os homossexuais, espalham informações distorcidas sobre DST/AIDS e sua prevenção, geralmente criticam métodos contraceptivos, engessam hierarquias, reproduzem machismo, difamam grandes pensadores, além de instilar medo e culpa em crianças, jovens e adultos. Isso tudo contraria o próprio conceito de magistério ligado à ideia de multiplicar o conhecimento e ajudar os indivíduos a tornarem-se autônomos e capazes de construir biografias felizes, criativas e produtivas para si mesmos e para a sociedade em que estão inseridos.

Esse ódio (ou ressentimento) contra o conhecimento científico, do qual os crentes (quaisquer que sejam eles) ironicamente dependem tanto quanto qualquer ateu ou agnóstico, projeta-se principalmente contra os médicos. 

O próprio mito do Éden estabelece essa inimizade entre conhecimento e submissão a deus.


Esses estudiosos que colocam o conhecimento a serviço do bem-estar físico e mental dos seres humanos, a quem chamamos médicos, são alvo de muita maledicência nesses círculos religiosos. 

É comum ouvirmos pregadores, que nada mais são do que autoritários professores de doutrina religiosa,  dizendo que "Jesus faz o que os médicos não podem fazer" ou que "Jesus faz melhor que qualquer médico, porque não deixa cicatriz nem provoca efeito colateral", e por aí vai. Quanta gente já morreu ou teve seu quadro de saúde complicado por dar ouvidos tais pegadores de ilusões! Quanta gente já suspendeu tratamentos vitais porque esses ministros do erro disseram que seria falta de fé em deus e na cura divina continuar com os remédios! Isso sem falar no descaramento e ingratidão por parte das pessoas que só sobreviveram, graças à competência de um homem ou uma mulher que estudou anos a fio e continua se especializando o tempo todo, cujos testemunhos nos púlpitos ou programas religiosos de TV mentem dizendo "Jesus me curou", quando foram os profissionais da saúde com um aparato milionário, construído graças a diversas ciências combinadas, que restauraram sua saúde.

Alguém aqui já viu um milagre de fato? Uma perna amputada crescer de novo? Ou um olho extirpado do globo ocular ser substituído por outro? Ou um órgão falido ser trocado por outro sem ajuda de transplante? Nunca! 

As igrejas estão cheias de gente em cadeiras-de-roda, apoiadas em bengalas, com deficiência auditiva, visual, MENTAL! E essas pessoas continuam assim até morrerem, sem jamais serem "agraciadas" com um milagre decente! Nada do que se ouve desses milagreiros do erro pode ser conferido a olho nu ou mediante exame. Quando há alguma cura, tem medicina no meio ou trata-se de algum desequilíbrio que o próprio organismo consegue eliminar. Além disso, existem aqueles que juram que foram curados e morrem logo em seguida. Tive amigos queridos que passaram por isso em igrejas pentecostais, principalmente.

Enquanto isso, a ciência vai desenvolvendo tecnologia para fazer tetraplégicos se moverem!!! Universidades como as de Oxford, Duke, Cambridge estão trabalhando nisso e obtendo fantástico êxito. Já existem amputados das pernas correndo olimpíadas! Enquanto isso, as religiões continuam ressentidas por seu fracasso, muito mais ainda quando percebem que não há limites para o conhecimento humano. E por isso mesmo tentam embarreirar o avanço da ciência em áreas como aquelas das pesquisas com células-tronco, nanotecnologia, etc. Estas, porém, é apenas as mais atuais das controvérsias geradas por gente que se opõe ao conhecimento científico, por se basear em crenças míticas. Não são as primeiras, contudo. Os religiosos já foram contra a vacinação, o transplante, a transfusão, etc. Já se opuseram ao avanços na astronomia, paleontologia, ciências da reprodução humana e do controle da natalidade, e por aí vai.

Contudo, é ao médico - e aos mais caros - que recorrem esses pastores milionários quando têm qualquer problema de saúde. Um caso emblemático recente foi o do milagreiro Valdemiro - dono da Igreja Mundial do Poder de Deus - que diz curar até AIDS (charlatão!), mas procurou o hospital Albert Einstein para curar seu joelho. Mais detalhes aqui.

Kaká se submetendo aos bispos Sônia e Estevam Hernandes


Fico muito triste quando vejo celebridades, especialmente do futebol - que poderia ser um veículo super eficiente de incentivo ao conhecimento, especialmente para os mais jovens - investindo milhões nessas igrejas. Kaká (que continua crente) foi fervoroso defensor da Igreja Renascer durante muito tempo. A mesma igreja cujos bispos-fundadores (leiam-se "donos") foram presos nos EUA. A mulher dele chegou a ser ordenada ao pastorado lá. Agora os dois estão desligados daquela igreja e não duvido que estejam investindo uma nota em alguma outra denominação ou congregação semelhante... Eles poderia investir esses preciosos recursos em iniciativas educativas baseadas em ciência de fato, ou investir em pesquisa científica, como faz Bill Gates que já destinou bilhões de dólares aos estudos para combater a AIDS e o câncer.

Rivaldo abrindo igreja em Angola


Ontem (domingo, 14/10/12), assistindo o programa Esporte Espetacular, fiquei sabendo que o famoso jogador Rivaldo está alocando muita grana para financiar igrejas em Angola. Ele chegou a dizer que já existem muitas igrejas na África, mas que muitas ainda são necessárias. Não consigo deixar de me perguntar por quê Rivaldo não investe em escolas de qualidade naquele país que de superstição, já passou da cota?! Para que encher aquelas mentes com mais superstição, castração, medo, culpa, etc.? Na realidade, o que os angolanos precisam é de mais ciência, tecnologia, arte, filosofia, e por aí vai. Eles não precisam de mais igrejas e pregadores que vivam do dinheiro suado e sofrido de tantos miseráveis.

O Brasil vem descobrindo que ciência pode ser um bom negócio. Aquela ideia do cientista abnegado enfiado num laboratório na garagem tentando inventar alguma coisa para depois patentea-la já era! Ainda existem esses 'heróis' por aí, mas atualmente o quadro principal é outro. Grandes empresas têm percebido o potencial financeiro por trás do conhecimento verdadeiro colocado a serviço de soluções para os mais diversos dilemas das interações humanas. Outras têm percebido que sua própria sobrevivência e expansão dependem de cabeças inteligentes, criativas e capazes de construir novos conhecimentos. Um exemplo interessantíssimo sobre isso no Rio de Janeiro é a parceria entre a UFRJ e a Petrobrás no campus da Ilha do Fundão. A entidade federal cuja existência dedica-se a construção e propagação do conhecimento está trabalhando com uma empresa cuja existência destina-se a produzir lucro através da exploração, industrialização e comercialização de energia (petróleo, gás, etc.). É curioso ver como ambas estão ganhando com isso, e com elas, a própria sociedade.

Parque tecnológico da Ilha do Fundão - Rio de Janeiro

A coisa funciona, grosso modo, assim: A UFRJ recebe investimentos em seu campus e pessoal, e em contrapartida dá espaço e coopera com a Petrobrás, que - graças a isso -  deu um salto em pesquisa e desenvolvimento de novas tecnologias. Até o meio-ambiente está ganhando com isso, porque graças a essa parceria, biólogos, oceanógrafos e profissionais correlatos estão envolvidos em projetos de recuperação e preservação do entorno da ilha. Vegetação nativa está sendo recuperada, espécies marinhas e do mangue estão se multiplicando. Até mesmo aves marinhas cujo canto não se ouvia mais voltaram a cruzar os céus da Ilha do Fundão, da Ilha do Governador e adjacências. 

Agora, uma coisa é certa: Se dependesse da oração dos mais fervorosos santos católicos, protestantes e evangélicos, ou das preces mais sinceras de espíritas, umbandistas, candomblecistas, ou da prostração mais submissa de muçulmanos e hindus, ou das meditações e orações mais desprendidas de budistas e taoístas, nada disso teria sido realizado. Tudo isso tornou-se realidade, porém, quando pessoas de todas essas crenças e pessoas sem crença religiosa alguma colocaram seus talentos à serviço do conhecimento verdadeiro e da busca por soluções reais e viáveis para problemas reais e urgentes.

Contudo, é importante ressaltar que a ciência deve ser pautada pelo humanismo. Sua ética deve ser humanista, a fim de que não se promova o progresso científico a qualquer custo e/ou com quaisquer objetivos. A ciência deve servir ao homem (ou a todos os homens), ao seu bem-estar, mas sem perder de vista a manutenção, preservação e até mesmo restauração do meio-ambiente. Não podemos ignorar que os defensores da guerra e do extermínio de grupos minoritários sejam capazes de usar de um certo cientificismo para atingirem seus objetivos; ou que cientificistas possam se utilizar do dinheiro disponibilizado por esses exterminadores para avançar em seu projeto egocêntrico de busca por riqueza e reconhecimento. Por isso, é fundamental que se mantenham os valores humanistas como fio condutor de todo o processo de desenvolvimento científico-tecnológico

O CEA-Jequiá (Centro de Educação Ambiental) da Secretaria Municipal do Meio Ambiente (SMAC) servirá de referência sobre o ecossistema manguezal, em especial, o Manguezal do Jequiá - Ilha do Governador, Rio de Janeiro

Agora, mantendo em mente que todo esse post começou porque falávamos do que é ser professor, vale ressaltar que nada disso teria sido feito sem os professores dos níveis mais elementares aos níveis mais especializados, com os quais cada profissional pôde contar para desenvolver seu potencial. Então, no dia dos professores, parabéns aos que dedicam-se à busca pelo conhecimento verdadeiro, mantendo-se sempre atualizados e compartilhando esses conhecimentos. Parabéns a todos os que estimulam crianças, jovens e adultos a desenvolver todo seu potencial psico-cognitivo, a realizarem todo seu potencial existencial aqui e agora, porque - no final das contas - tudo o que temos é o agora. E que seja um agora cada vez melhor para todos!


****************************

SUGESTÃO DESTE BLOGUEIRO


Hoje é Dia dos Professores e eu quero dar uma sugestão (descarada!!! hehehe), mas interessante. E essa sugestão é baseada na experiência de gente que eu conheço. Aproveite o Dia dos Professores para presentear seu professor predileto com um
livro que poderá dar assunto para o pensamento dele/dela. 

Se não quiser entregar pessoalmente, basta fornecer o nome do(a) professor(a) e o endereço da escola que o livro será enviado diretamente para ele/ela. Faça a diferença! :) 

Veja como proceder AQUI.

Comentários