Senador Magno Malta é envolvido em novo escândalo financeiro


 | 

Senador Magno Malta é envolvido em novo escândalo de empreiteiras no Ministério dos Transportes


Meio milhão – Em meio a novas suspeitas de uso do Ministério dos Transportes para favorecer o Partido da República, o senador Magno Malta (PR-ES) aparece como um dos candidatos da legenda beneficiados por empreiteiras responsáveis por obras irregulares.
Essas construtoras receberam R$ 78 milhões em créditos suplementares liberados pelo atual ministro, Paulo Sérgio Passos (PR), quando ele assumiu interinamente a pasta, em 2010. Dos mais de R$ 5 milhões doados por essas empreiteiras a candidatos do PR, segundo reportagem da revista “IstoÉ”, o atual líder do PR no Senado foi beneficiado com R$ 500 mil. Desse total, R$ 400 mil foram repassados à campanha à reeleição de Malta pela Serveng e outros R$ 100 mil pela construtora S.A. Paulista.
De acordo com reportagem da revista, as duas construtoras integram consórcio juntamente com a Carioca Engenharia, que recebeu R$ 20 milhões em créditos extras para a ampliação e reforma da BR-101 em um trecho da região metropolitana do Rio de Janeiro.
O empreendimento estava na lista de irregularidades graves do Tribunal de Contas da União (TCU), que identificou pagamentos antecipados, ausência de projeto executivo, fiscalização omissa e superfaturamento. As outras obras listadas são da BR-265 e da BR-317.
Os valores doados pelas empreiteiras constam na prestação de contas do senador ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Ele arrecadou R$ 2.811.759,23. A maior parte veio de construtoras, empresas de engenharia e mais de R$ 800 mil do diretório nacional do PR.
Malta informou, por meio de assessoria, que todas suas doações foram declaradas e legais, que essas empresas não têm ligação com obras no Espírito Santo e doaram para sua campanha a partir da indicação de amigos e do PR. Disse ainda que suas contas foram aprovadas no TRE e está com a consciência tranquila.
O senador Magno Malta (PR) já havia sido citado no escândalo por conta de sua influência nos Transportes. O irmão dele, Maurício Pereira Malta, é chefe de assessoria parlamentar do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT).
Magno conseguiu emprego por irmão (olheiro) após votação no Senado que aprovou a CPMF, o imposto do cheque, no governo Lula. O senador negou que tenha votado a favor do imposto, a troco de emprego para o irmão num órgão estratégico para o PR. As informações são da “Agência Congresso”.

Comentários