GGB não quer Malafaia como soteropolitano

GGB não quer Malafaia como soteropolitano

Foto: Divulgação

PROPOSTA DO VEREADOR HÉBER SANTANA (PSC) DE CONCEDER TÍTULO DE CIDADÃO DE SALVADOR AO PASTOR SILAS MALAFAIA, LÍDER DA IGREJA ASSEMBLEIA DE DEUS VITÓRIA EM CRISTO, CAUSA INDIGNAÇÃO NA COMUNIDADE HOMOSSEXUAL; ÀS VÉSPERAS DA 11ª PARADA GAY, QUE ACONTECE NESTE DOMINGO (9), O GRUPO GAY DA BAHIA (GGB) PROTESTA CONTRA O "COMPORTAMENTO HOMOFÓBICO" DE MALAFAIA E AFIRMA QUE A CONCESSÃO DA HONRARIA É UM "ATENTADO AOS DIREITOS HUMANOS DA COMUNIDADE LGBT"; GRUPO INICIOU CAMPANHA CONTRA A CONCESSÃO DO TÍTULO AO RELIGIOSO NAS REDES SOCIAIS

07 de Setembro de 2012 às 09:37

Bahia 247

Os vereadores não hesitam na distribuição de Título de Cidadão de Salvador. A lei que dispõe sobre a honraria tem como prerrogativa observar que o homenageado deve ter prestado "serviços relevantes à sociedade soteropolitana". Curioso é que os parlamentares não seguem à risca o que diz a lei. Até Michael Jackson, o rei do pop, já foi homenageado depois de falecido.

O próximo cidadão soteropolitano oficializado será o pastor Silas Malafaia, líder da Igreja Assembleia de Deus Vitória em Cristo. A concessão do título, no entanto, está desagradando e muito a comunidade homossexual soteropolitana.

Às vésperas da 11ª Parada Gay, que acontece neste domingo (9), o Grupo Gay da Bahia (GGB) protesta contra o "comportamento homofóbico" de Malafaia e afirma que a concessão da honraria que um "atentado aos direitos humanos da comunidade LGBT".

O grupo iniciou campanha contra o título no Facebook e Twitter. A ação estimula que os integrantes das redes sociais protestem no perfil da Câmara de Salvador no Facebook.

O proponente do título é Heber Santana (PSC), membro da Igreja Batista Missionária da Independência e integrante da bancada evangélica da Câmara de Salvador. O parlamentar diz que apesar de não concordar com a posição do GGB, a respeita, assim como tem o direito de ser respeitado. "Não temos nada contra os homossexuais, só contra a prática do homossexualismo", diz o social cristão.

O GGB, no entanto, não pretende ficar apenas nas redes sociais. Pretende dar entrada em uma representação no parlamento municipal questionando "suposto desrespeito ao Regimento da Câmara Municipal de Salvador". Alega que, como o título de cidadão é "concedido a pessoas nascidas fora da capital baiana e que tenham prestado relevantes serviços ao município de Salvador", Malafaia não teria os tais "relevantes serviços" à capital baiana.

Comentários