Revista Caros Amigos: Transexualidade e SUS


Transexualidade na revista Caros Amigos desse mês.



Sergio Viula adquiriu online, faça seu pedido também. Só R$ 10,90. Várias formas de pagamento. Basta clicar na loja virtual.

Leia a reportagem completa na edição 185 de Caros Amigos nas bancas ou na loja virtual



Mudança de Sexo: Estrangeiros do próprio corpo. Por Paula Salati

MUDANÇA DE SEXO: ESTRANGEIROS DO PRÓPRIO CORPO
Após 4 anos da implementação da cirurgia de mudança de sexo no SUS, transexuais relatam o alívio de se libertarem
Por Paula Salati
“Eu me identificava muito com o Pinóquio, não pela mentira, mas por ele ser um menino no corpo de um boneco de pau. E era assim que eu me sentia, tudo o que ele desejava na vida era ser um menino de carne e osso. E também me identificava com o Peter Pan, que não queria crescer. E ele voava e, ah, voar era um dos meus sonhos”.
A declaração, realizada durante uma entrevista ao blog NLucon em abril deste ano, é de João Nery, o primeiro homem transexual a passar por uma cirurgia de mudança de sexo no Brasil, durante a década de 1970, quando a prática ainda era considerada um crime.
João nasceu em um corpo biologicamente feminino, mas desde criança se entende psicologicamente como homem. A descrição que ele faz sobre suas angústias expressa alguns dos sentimentos frequentemente relatados pelos transexuais: a aflição do aprisionamento no próprio corpo e o desejo de alcançar a liberdade e o bem estar por meio de transformações físicas que se adequem à identidade psíquica.
Leia a reportagem completa na edição 185 de Caros Amigos nas bancas ou na loja virtual

Comentários

  1. Que bacana! Pena que a matéria em si não faz as pessoas verem o sofrimento do outro para sentirem um mínimo de compaixão (ou algo mais banal) que seja.

    ResponderExcluir
  2. Obrigado pelo comentário, querido.

    Um abraço,
    Sergio Viula

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixe suas impressões sobre este post aqui. Fique à vontade para dizer o que pensar. Todos os comentários serão lidos, respondidos e publicados, exceto quando estimularem preconceito ou fizerem pouco caso do sofrimento humano.