Polícia prende acusados de matar casal homossexual


Márcio e Eduardo estavam juntos há dez anos.

Fonte da Foto: Tribuna Hoje 


Polícia prende acusados de matar casal homossexual


Publicado em: 07/07/2012 09:11:00



Depois de quase três meses de investigação, a Divisão Especial de Investigação e Capturas (Deic) da Polícia Civil de Alagoas prendeu, na manhã deste sábado (7), cinco pessoas acusadas de terem executado o casal homossexual Márcio Lira Silva e de seu companheiro, Eduardo, em Rio Largo, no último mês de abril. Entre os presos está um agente penitenciário, apontado pela polícia como chefe da quadrilha.


A operação, que contou com um forte aparato policial e a participação da Delegacia do 10° Distrito e equipes da Asfixia, além de militares do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope) foi desencadeada nas primeiras horas da manhã deste sábado. Foram cumpridos oito mandados de busca e apreensão, além de seis de prisão, todos expedidos pela 17ª Vara Criminal da Capital.

Segundo a delegada Ana Luiza Nogueira, que comandou a operação, cinco pessoas foram presas, entre elas um agente penitenciário, acusado de liderar a quadrilha que cometia diversos crimes na parte alta da cidade e em toda região da Grande Maceió. “Eles são acusados de uma série de atos criminosos no Santos Dumont. Desde a morte do casal homossexual, em Rio largo, que estávamos investigando os passos deles”, contou à reportagem do Tudo Na Hora.

Morte de casal homossexual teve repercussão nacional

A morte do casal homossexual teve grande repercussão em todo País. Os corpos de Márcio Lira Silva e de seu companheiro, Eduardo foram encontrados 12 dias depois de terem desaparecido. Eles estavam num canavial em Rio Largo, região metropolitana de Maceió, com sinais de tortura.

Em pronunciamento feito na época do crime, o Grupo Gay de Alagoas (GGA), afirmou que um dos corpos tinha os dedos decepados, os olhos perfurados.

Por Flávia Batista



-----------------------------------
COMENTÁRIO DESTE BLOGUEIRO

Homofobia não é piada, não é banal e não pode ser tratada com brandura. Ela pode parecer inofensiva quando verbalizada, mas não é. Causa danos terríveis à vítima. Além disso, os crimes de morte e os espancamentos não surgem do nada. Eles são sedimentados pelos discursos anti-gays e pela ideia de que a heterossexualidade é normativa e que qualquer coisa diferente dela merece punição.

Basta de homofobia!
PLC 122/06 já!

Mas enquanto isso não acontece, faça-se justiça com as leis disponíveis.


Parabéns à polícia de Alagoas e aos representantes do Judiciário no estado!


Assine essa petição para que a OAB denuncie à ONU a omissão do Executivo e do Legislativo brasileiro diante do crescimento da homofobia no Brasil: 
http://www.peticaopublica.com.br/PeticaoVer.aspx?pi=OAB2012

Comentários