Metodistas do Noroeste dos EUA apoiam o casamento igualitário


Gov. Chris Gregoire , D-Seattle, depois que a Casa votou pela legalização do casamento gay no estado de Washington, quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012, em Olimpia Wash. A ação vem depois que uma corte de federal de apelação declarou que o veto contra o casamento entre pessoas do mesmo sexo é inconstitucional, dizendo que era uma violação dos direitos civis de casais gays e lésbicos. A governadora assinou a lei em 


A Gov. Chris Gregoire assina a lei que garante o direito ao casamento por pessoas do mesmo sexo em 13 de fevereiro de 2012. Vitória da cidadania! Foi contra essa lei que fundamentalistas se levantaram propondo um referendo. Veja os desdobramentos no post abaixo.

Traduzido por Sergio Viula
Para o Blog Fora do Armário
A Igreja Metodista Unida do Noroeste (The United Methodist Church in the Northwest), contrariando sua denominação-mãe, endossou o Referendo 74 convocando eleitores a tornar a Washington o sétimo estado a legalizar o casamento entre pessoas do mesmo sexo. 


A Conferência Anual do Noroeste do Pacífico realizada pela igreja aprovou uma resolução redigida para “encorajar todas as pessoas a aprovarem o Referendo 74 de modo que o Decreto-lei do Casamento Igualitário seja transformado em lei de fato.” 

O casamento entre pessoas do mesmo sexo foi aprovado pelo Legislativo em fevereiro e assinado como lei pela Gov. Chris Gregoire , mas opositores se juntaram para requerer 120.577 assinaturas de leitores para forçar a votação em novembro. 

A questão da igualdade no casamento provocou uma divisão na comunidade de fé em Washington. 

Episcopais, metodistas e a Rede de Ação de Fé da comunidade ecumênica se manifestaram a favor do casamento entre pessoas do mesmo sexo. Os bispos católicos do estado e muitas igrejas fundamentalistas se opuseram. O arcebispo de Seattle J. Peter Sartain pediu aos párocos que trabalhassem na coleta de assinaturas para a petição do referendo. 

Mas vários párocos da ampla área de Seattle e Tacoma se recusaram a participar da campanha por assinaturas. Grandes contingentes de católicos a favor do Casamento Igualitário e mórmons a favor da Igualdade no Casamento marcharam em 24 de junho durante a Parada do Orgulho Gay em Seatle. 

Existe uma divisão ainda mais acentuada entre os metodistas. “Estamos basicamente rebelados contra nossa denominação”, disse o Rev. Rich Lang do Templo da Universidade da Igreja Metodista Unida (University Temple United Methodist Church). 

A igreja-mãe, em sua convenção, recentemente rejeitou uma mudança na doutrina da igreja, que declara que “a prática da homossexualidade é incompatível com o ensino cristão.” Gays e lésbicas não são oficialmente autorizados a servir como clérigos, e a celebração do casamento religioso é proibido pelo regulamento da igreja. 

Mas um clérigo metodista “assumido” recentemente substituiu o Rev. Sandy Brown na Primeira Igreja Metodista Unidade de Seattle. A igreja contou com manifestantes na Parada do Dia do Orgulho Gay e ofereceu refrescos aos manifestantes no final. 

“Nossa igreja não será detida pela insensível posição de nossa denominação sobre a homossexualidade,” Brown disse num e-mail. “Temos orgulho de apoiar nossas famílias LGBT, amigos e vizinhos.” 

Por que a igreja-mãe ainda mantém aquele posicionamento? “A combinação de nossa base africana e de nossa própria base sulista remonta à velhas doutrinas de segregação, em vez de tentar ouvir uma “Nova Palavra” falada por um Deus gracioso com coisas mais importantes para fazer do que determinar se o pênis de um homem é ou não é ortodoxo.”

Comentários