25 de julho: Dia do Escritor: A via crucis do escritor gay


Namorados lendo debaixo de uma árvore. 
Velhos e saudáveis hábitos. ;)



No dia do Escritor, o Blog Fora do Armário resgata esse texto de Carlos Hee para a Revista Cult em 2010.

A via crucis do escritor gay


O autor do romance Trem fantasma, de temática homossexual, fala das dificuldades que um escritor gay enfrenta para conseguir editar suas obras, vencer a resistência dos livreiros e a má-vontade da crítica.
 Carlos Hee

A pergunta que se faz, quando se analisa uma obra literária de temática homossexual, é: existe, no Brasil, uma literatura gay? A resposta é simples: não, principalmente porque não foram editados tantos livros sobre o assunto para se dizer que há uma vertente em nossa literatura que se possa chamar de homossexual. Mas deveria existir, levando-se em conta o expressivo número da população homossexual brasileira. O país, no entanto, ainda vive décadas de atraso quando o assunto é homossexualismo. O preconceito contra homossexuais, que era escancarado há alguns anos, passou a ser velado, assim como o preconceito racial o é, depois que o movimento e a militância gaycomeçaram a tomar forma no país e porque, hoje, não é socialmente correto ou educado exibir a homofobia publicamente. E todos sabemos que os sentimentos homofóbicos continuam atuantes, na medida em que homossexuais são assassinados única e exclusivamente por suas orientações sexuais.

Se a sociedade ainda vê o homossexual com restrição, sua voz tende a ser abafada. Ou seja, não tem a oportunidade de publicar seus escritos, um livro, com a mesma facilidade que um heterossexual. Principalmente quando se trata de escritores iniciantes, que têm de enfrentar uma via crucis pelas editoras que, invariavelmente, resultam em espera inglória, frustração e um trabalho engavetado. Poucos são os autores que, mesmo sendo homossexuais, se aventuraram pela temática homossexual. Muitos escritores homossexuais preferiram “mudar o sexo” de suas histórias para conseguir uma publicação e até mesmo para não serem tachados de homossexuais, continuando, apesar de se tornarem pessoas públicas, “dentro do armário”.

Podem ser contados nos dedos os escritores homossexuais que produzem literatura homossexual. Caio Fernando de Abreu, João Silvério Trevisan e Herbert Daniel são raros escritores que ousaram e ousam, no caso de Trevisan, a escrever sobre o amor que não se diz o nome. Produziram alguns dos escritos mais talentosos da literatura brasileira. Mas são exceções. Os livros de Caio Fernando Abreu estão sendo reeditados, enquanto os de Herbert Daniel sumiram completamente das livrarias.

Não é lógico que uma população tão representativa como a homossexual, que segundo Luiz Mott, professor do Departamento de Antropologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA) e presidente do Grupo Gay da Bahia, representa 10% da população, cerca de 15 milhões de pessoas, não produza boa literatura.

O que se editou no Brasil que pode ser chamado de literatura homossexual tende a ser analisado, basicamente, em quatro aspectos distintos: sentimental, testemunhal, erótico-pornográfico e os escritos sobre Aids. No primeiro tópico, estão escritores como João Silvério Trevisan, Caio Fernando Abreu, que também escreveu sobre Aids, Alexandre Ribondi, autor de Na companhia dos homens, Nelson Luiz de Carvalho, que escreveu O terceiro travesseiro. As próprias experiências escritas em livro estão em Retrato em branco e preto, de Angelo B. Pereira, e Desclandestinidade, de Pedro Almeida. O representante da literatura erótico-pornográfica é o carioca Luís Capucho, autor deCinema Orly. A partir dos anos 80, surgiu a literatura da Aids, com Herbert Daniel e Alberto Guzik, com Risco de vida.

A questão da literatura homossexual é de mercado. Enquanto todos, editores, livreiros, escritores, sabem que existe um público em potencial, sedento por uma leitura que retrate seu próprio universo, não se fornece a esse público o que ele deseja. A opção mais fácil é ignorar essa fatia do mercado. E quando isso não acontece e um autor é premiado com a edição de seu livro, não se divulga a existência de um produto destinado a um enorme público gay. Nas poucas e raríssimas vezes em que é feita uma resenha em jornais e/ou revistas de grande circulação, o leitor enfrenta um outro problema: onde encontrar o livro. A cadeia de preconceitos começa com o editor, que não quer saber de escritores iniciantes, e termina no livreiro, que se recusa a comprar e até mesmo exibir livros homossexuais em seu estabelecimento.

Hoje, no entanto, as editoras, percebendo que o mercado homossexual pode ser promissor, iniciam a publicação de obras homossexuais. Existe até mesmo uma editora especializada, a GLS, braço da Summus, que só lança no mercado títulos gays, mas em seu catálogo o número de traduções é bem maior que os originais brasileiros. A Record criou a coleção Contraluz, para essas obras, e a Siciliano tem a Editora Mandarim, que edita alguns títulos gays. Esse comportamento do mercado editorial representa as primeiras tentativas de engatinhar. Ainda é necessário mais mudanças na rede de edição, divulgação e venda.

Quando acabei de escrever meu livro Trem fantasma, passei dois anos à espera de uma resposta, qualquer que fosse ela, sobre a possibilidade de edição. Enviei os originais para algumas editoras, inclusive a Edições GLS, e fiquei esperando dois anos por uma opinião que nunca veio. Só quando mostrei o livro para o editor da Siciliano, Pedro Paulo Sena Madureira, é que foi viável sua publicação pela Editora Mandarim. Antes disso, amarguei meses e meses de expectativa, mesmo sendo jornalista e trabalhando num grande jornal, o que é considerado no meio editorial como uma porta escancarada para novos autores. Mas Trem fantasma é um livro de temática homossexual. Ou seja, não seria lucrativo para uma editora bancar sua publicação, na medida em que os livreiros se recusam a comprar livros homossexuais e, quando o fazem, praticamente os escondem no fundo da livraria. Sem contar com o comportamento da crítica literária, que ignora solenemente livros gays de autores iniciantes, contribuindo para que a obra seja “escondida” dos leitores e, principalmente, dos leitoresgays, que nem mesmo ficam sabendo da existência de um livro que poderia ser do interesse deles.

Meu livro, porém, contradiz essa postura do mercado. Como foi editado pela Mandarim, que faz parte da Siciliano, que por sua vez tem uma rede de livrarias no país inteiro, Trem fantasma ficou durante semanas nas mesas de novidades e vendeu sua primeira edição em pouco mais de seis meses, mesmo sem merecer a atenção da grande imprensa paulista e carioca. O que pode ser considerado um resultado de vendas excelente para um livro gay.

As editoras e as livrarias já sabem que existe no mercado um público interessado em literatura gay. Pessoas que desejam ler sobre um universo do qual fazem parte ou sobre o qual querem saber e que fuja da imagem estereotipada e preconceituosa que se faz do homossexual há décadas. E quem pode produzir uma literatura gay digna e real são autores que conhecem essa realidade profundamente e não têm medo de se expor como escritores de livros homossexuais. Eles também têm de se livrar dos preconceitos para que um dia se possa dizer que no Brasil se faz e se consome uma literatura gay de verdade.



----------------------------------
COMENTÁRIO DESTE BLOGUEIRO

Nada faz um escritor mais feliz do que saber que sua obra está sendo lida. Tenho sentido essa alegria vindo de muitas direções diferentes, mas ficaria ainda mais feliz se soubesse que novos leitores adquiriram Em Busca de Mim Mesmo no dia de hoje.

Para adquirir o seu exemplar, você pode seguir três caminhos.

Comprar pela Livraria Cultura: AQUI.
Comprar por minha loja no Facebook: AQUI.

Ou pedir diretamente a mim.
 Solicite informações sobre essa modalidade pelo e-mail sviula@hotmail.com



Comentários

  1. E Trem Fantasma é um puta livro. Que bom que o autor conseguiu publicá-lo por uma editora que não fosse a GLS (na época, da Laura Bacellar), pra mim o maior engodo que já existiu.

    ResponderExcluir
  2. Verdade, Kummitus. A determinação abre picadas onde antes só havia mato alto. A editora GLS não foi adiante, mas tantas outras mais comprometidas com esse nicho surgiram e progrediram. Agora, depende de nós (também leitores) colaborar para que elas se expandam. Eu adoro comprar livros com temática LGBT, primeiro porque me enriquece, segundo porque fortalece esse mercado, e por tabela fomenta a cultura LGBT.

    Obrigado por ler esse artigo e comentar, queridão.

    Abraço,
    Sergio Viula

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixe suas impressões sobre este post aqui. Fique à vontade para dizer o que pensar. Todos os comentários serão lidos, respondidos e publicados, exceto quando estimularem preconceito ou fizerem pouco caso do sofrimento humano.