Religiões Afro-Brasileiras ganham direito de resposta na TV Record

Orixás - Fonte: Internet

 

Vídeo: Religiões afro-brasileiras produzem direito de resposta coletivo contra TV Record

Publicado originalmente no Barradas Comunicação [via Portal Geledés]

Em decisão inédita do Ministério Público Federal, entidades afro-brasileiras foram autorizadas a produzir um vídeo de direito de resposta coletivo a uma reportagem da TV Record. O programa foi gravado e tornou-se público no final de 2011, mas não pode ser exibido, pois a emissora recorreu da ação e conseguiu impedimento momentâneo.


Conforme informa o vídeo, o programa é um “direito de resposta concedido pela Justiça Federal ao Centro de Estudos das Relações de Trabalho e Desigualdades (CEERT), ao Instituto Nacional da Tradição e Cultura Afro-Brasileira (INTECAB) e ao Ministério Público Federal, autores da ação contra o enfoque negativo e discriminatório das religiões afro-brasileiras”.


A gravação conta com a participação de representantes de entidades ligadas às religiões afro-brasileiras e profissionais de comunicação, entre eles Iran Castelo Branco, do movimento Mídia Pela Paz, Gabriel Priolli, jornalista e produtor independente, e Laurindo Leal Filho, professor da ECA-USP.


Daniel Teixeira, coordenador do CEERT, ressalta que o caso ainda está em juízo, logo são poucas as informações que podem ser dadas a respeito. Contatada, a Record ainda não se pronunciou sobre o assunto.



Protestos na internet – No final de dezembro, a Record também virou alvo deprotestos de grupos católicos que acusaram a emissora de perseguição
Ativistas indignados com reportagens exibidas nos jornalísticos da casa consideraram que a emissora de Edir Macedo realiza “ataques ao catolicismo”.


Um dos movimentos se intitulou de “Brasil Sem TV Record” e convocaram os internautas via redes sociais a boicotarem a Record no dia 16 de dezembro, evento que, segundo a emissora, “não teve êxito”. Outro grupo criou a hashtag #jornalismodeterceira e pediu para que os católicos não assistam mais à Record.

------------------
COMENTÁRIO DESTE BLOGUEIRO

Parabéns aos candomblecistas, umbandistas e outros seguidores de religiões afro-brasileiras! Esse país precisa aplicar o princípio da tolerância religiosa a todos, não apenas a um grupo voraz por poder midiático, econômico e político.

Particularmente, considero as religiões afro-brasileiras riquíssimas em cultura. Incomparávelmente mais relevantes do ponto de vista cultural e histórico no Brasil do que qualquer igreja evangélica, especialmente as neo-pentecostais como  a que controla a Rede Record.

Ateus do Brasil, fiquem ligados também. Já podemos celebrar uma vitória que foi a causa ganha contra o Datena por discriminação aos ateus em seu programa.

Fica  a dica: Contra a intolerância das igrejas que perseguem adoradores dos orixás, ateus e homossexuais, os tribunais!

Comentários