Júlio Severo, um lobo em pele de cordeiro (escrito por um cristão)

Nota deste blogueiro: O texto abaixo mantém pressupostos cristãos aos quais não subscrevo, porém é utilíssimo para o desmascaramento desse blefe cheio de ódio conhecido como Júlio Severo. Por isso, a divulgação aqui no Fora do Armário.


Júlio Severo, um lobo em pele de cordeiro



Thiago Lima Barros

Há muito tempo, o cidadão auto-identificado pelo pseudônimo Júlio Severo vem ocupando espaços e mais espaços na blogosfera cristã. Apresentando-se arrogantemente como um dos ativistas pró-vida e pró-família mais proeminentes do Brasil, e munido de uma crítica virulenta aos desvios da pós-modernidade, notadamente às questões do aborto e da agenda coercitiva homossexual (os quais qualquer cristão consciente condena), tendo inclusive obras publicadas sobre esses temas, o vaidoso ativista supostamente fez de seu blog (http://juliosevero.blogspot.com/) uma trincheira de luta contra o desvirtuamento dos valores cristãos.


Segundo relatos seus e de colaboradores, entre os quais resplandece a figura reluzente do jornalista e “filósofo” Olavo de Carvalho, Severo teria fugido do Brasil em março de 2009 para escapar do Ministério Público Federal, que estaria atrás dele depois que uma queixa de “homofobia” fora registrada contra si “por sua cobertura desfavorável da parada gay de 2006”.


Desde então, muitos cristãos bem intencionados e líderes que lutam pela expansão do Evangelho, não apenas em número de fiéis, mas também na sua influência benfazeja sobre o mundo, têm se deixado iludir pela pregação aparentemente “pró-vida e pró-família” do senhor Severo. Afirmam não concordar com tudo o que ele diz, mas acham que ele não deve de forma alguma ser molestado, pois presta um serviço ao Reino de Deus. E não apenas fazem isso, como também o financiam, pelo que o próprio deixa providencialmente acessível em seu blog o número de sua conta bancária, fazendo, assim, da exploração de uma fé herética seu meio de vida.


Todavia, o texto em epígrafe busca mostrar a esses incautos, de forma não exauriente (não tenho o mesmo tempo ocioso, nem sou pago para isso), justamente o contrário: a retórica de Júlio Severo é um desserviço à verdadeira pregação expositiva cristã. O que ele tem a oferecer, em verdade, é um outro evangelho, com lugar apenas para a desobediência, o ressentimento, a calúnia, a mentira e a impiedade. Em suma, quem apoia a pregação desse homem, em verdade apoia uma doutrina pagã mal disfarçada, e se torna co-partícipe da mesma.


1) Os reais motivos da fuga


Ao alegar como motivo para sua fuga tão somente a sua militância antigay, Júlio Severo falta com a verdade. O pior de tudo é que boa parte de seus defensores, de forma precipitada, compraram essa mentira e passaram recibo de ingenuidade. Mas fontes de seu convívio pessoal relatam que, em verdade, seus problemas com a lei começaram quando um de seus filhos passou a apresentar comportamento estranho na escola onde estudava em Niterói (RJ), replicando o mesmo pensamento ultraconservador do pai nas atividades escolares.


Buscando investigar quais seriam as raízes desse comportamento, uma assistente social se desloca para a residência do Sr. Severo, a fim de verificar a situação, mas é expulsa aos repelões pelo mesmo. Após esse episódio, ele retira o filho da escola e passa a lhe dar aulas em casa, sob a desculpa de que o ambiente escolar era poluído. O Ministério Público Estadual (não o Federal) começa a exigir, junto à Justiça do Rio de Janeiro, que Severo devolva o filho à escola, mas ele resiste. Nesse ínterim, seu advogado peticiona ao órgão julgador, informando que as crianças já estão matriculadas em outra escola. Era apenas um blefe para ganhar tempo e preparar a fuga do país. A história é confirmada pelo Rev. Caio Fábio em um vídeo postado no YouTube (http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=mbqmXwI2Fi0).


Pergunto aos defensores desse homem: um expediente mentiroso dessa natureza é digno de um cristão professo? Enganar as autoridades foi a recomendação deixada por Paulo? Não, não e não. A disposição de lutar pelo certo sem fugir, nem se acovardar, é a marca do servo de Deus, justamente pelo fato de a sua consciência estar limpa diante de Deus. Se fugimos, é porque devemos algo, é confissão de culpa. Tal raciocínio se aplica como uma luva ao caso Severo.


Vós tendes por pai ao diabo, e quereis satisfazer os desejos de vosso pai. Ele foi homicida desde o princípio, e não se firmou na verdade, porque não há verdade nele. Quando ele profere mentira, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso, e pai da mentira (Jo. 8:44).


Toda a alma esteja sujeita às potestades superiores; porque não há potestade que não venha de Deus; e as potestades que há foram ordenadas por Deus. Por isso quem resiste à potestade resiste à ordenação de Deus; e os que resistem trarão sobre si mesmos a condenação. Porque os magistrados não são terror para as boas obras, mas para as más. Queres tu, pois, não temer a potestade? Faze o bem, e terás louvor dela. Porque ela é ministro de Deus para teu bem.Mas, se fizeres o mal, teme, pois não traz debalde a espada; porque é ministro de Deus, e vingador para castigar o que faz o mal (Rm. 13:1-4).


De fato, houve uma representação contra Júlio Severo no Ministério Público Federal, mais precisamente na Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão, em face de sua pregação preconceituosa. Não se sabe que fim levou a mesma. Mas não seria equivocado intuir que ela foi arquivada por insubsistência, visto que as suas opiniões não podem ser tipificadas como crime. Ora, se não há queixa contra ele por homofobia, porque já não voltou para o Brasil? Justamente pelo fato de ter pendências com a Justiça, e por motivos nada edificantes, mas vergonhosos, ao contrário do que relata em seu testemunho mentiroso.


2) Comportamento eclesiástico insubordinado


A veemência das manifestações de Severo impressiona pelo tom quase pastoral. Mas sua vivência eclesiástica é desconhecida do grande público. Seus ingênuos defensores creem se tratar de um cristão de reputação ilibada, mas o fato é que ninguém dentre esses sabe onde ele congrega ou congregou, e nem ele mesmo faz questão de mencionar esse dado. Por que ele o omitiria, então?



Mais uma vez, as mesmas fontes que desmascararam a mentira sobre sua fuga da Justiça brasileira, dão conta de que o comportamento rebelde e insubmisso Severo pôde ser atestado pela membresia da Primeira Igreja Batista do Ingá, em Niterói, única igreja de que se tem notícia em que tenha congregado. Admitido pelo pastor da igreja para pregar em algumas oportunidades, Severo simplesmente criou um clima de beligerância absurdo no seio da igreja, fruto de suas pregações agressivas, que quase leva à divisão da mesma. Como se não bastasse isso, também não frequentava a Escola Bíblica Dominical, desprezando toda e qualquer sorte de ensino bíblico que não fosse de encontro às sua aspirações fanatizantes, abastecendo-se de e abastecendo apenas sites de extrema direita. E o que é pior: não se submete a nenhuma autoridade pastoral. Por mais que seja admoestado por suas lideranças a abandonar o rancor represado que nutre sabe Deus desde quando, os relatos dão conta de que o mesmo faz ouvidos moucos de tais exortações, preferindo confiar numa suposta voz divina que o teria impelido a destilar ódio contra os que lhe contrariam em pelo menos uma vírgula.


Mas, se vós soubésseis o que significa: Misericórdia quero, e não sacrifício, não condenaríeis os inocentes (Mt. 12:7).


Para um cristão professo, tal comportamento é vergonhoso. Arrogar para si uma autoridade que não veio nem da profecia, nem da imposição das mãos de um presbitério, é uma usurpação da autoridade divina. E Deus não é condescendente com usurpadores. Vide o caso do rei Uzias, de Judá, que se iludiu achando que queimaria incenso no Templo sem ser sacerdote, e acabou leproso até seu último dia de vida (2Cr. 26:16-23). Enfim, Julio Severo, por toda a insubordinação que demonstra, é um “pastor” que “a si mesmo se apascenta sem nenhum temor” (Jd. 12).


3) Visão doutrinária deturpada


A simples leitura dos textos da lavra de Julio Severo, que têm pouquíssimo peso relativo em relação às demais postagens de seu blog, é suficiente para perceber a indigência do pensamento teológico desse senhor, que é fruto de sua indiferença frente ao ensino bíblico regular, conforme apontada mais à frente. Aqui, até mesmo seus protetores concordam que é impossível assimilar as suas ideias, que restam indefensáveis. Todavia, esses coitados minimizam as incongruências teológicas severas, como se fossem coisinhas de somenos importância. Rotundo engano! Em primeiro lugar, estamos tratando com um defensor ferrenho das práticas do ódio e da desobediência civil, coisas que a Palavra de Deus condena veementemente.


A Bíblia compara o sentimento de ódio ao homicídio, pois o que odeia uma pessoa está “matando” ela dentro de si (na verdade, os homicídios reais nada mais são do que sentimentos de ódio que são externados contra a vida de uma pessoa). Ao odiarmos o outro, pomos a nós mesmos e aos nossos conceitos no controle da nossa vida. Ora, se a Bíblia nos diz que temos que amar ao próximo como a nós mesmos, e que o nosso Deus é amor, estaremos, ao nutrirmos tais sentimentos em nosso coração, anulando a nossa própria característica de homens nascidos de novo, pois o ódio caminha em direção oposta ao amor, e isso impede a nossa comunicação com o Pai.


Aquele que diz que está na luz, e odeia a seu irmão, até agora está em trevas.Aquele que ama a seu irmão está na luz, e nele não há escândalo. Mas aquele que odeia a seu irmão está em trevas, e anda em trevas, e não sabe para onde deva ir; porque as trevas lhe cegaram os olhos (...). Qualquer que odeia a seu irmão é homicida. E vós sabeis que nenhum homicida tem a vida eterna permanecendo nele (...). Se alguém diz: Eu amo a Deus, e odeia a seu irmão, é mentiroso. Pois quem não ama a seu irmão, ao qual viu, como pode amar a Deus, a quem não viu (1 Jo. 2:9-11; 3:15; 4:20)?


Quanto à desobediência, que é um constante na vida do senhor Severo, não falo aqui, por óbvio que é, daquelas ordenanças grosseiramente contrárias à Bíblia, as quais, embora com ameaças pontuais de legisladores lobistas da pauta GLBT, inexistem no ordenamento jurídico brasileiro. Falo da desobediência a leis perfeitamente defensáveis do ponto de vista constitucional, mas que atiçam a veia rebelde do personagem analisado. O exemplo de sua defesa do home schooling (verdadeira causa de sua fuga do Brasil, como demonstrado) é emblemático: por que devo obedecer a uma lei iníqua e me curvar à exigência de levar meus filhos a um ambiente corrompido? Às favas a lei! Na verdade, isso só demonstra uma fraqueza de caráter. Quando os pais admoestam seus filhos no temor do Senhor, Ele mesmo consegue anular quaisquer influências malignas que sejam apresentadas às crianças. Meus pais se sacrificaram para me dar uma educação nas melhores escolas particulares de Maceió, todas elas de orientação romanista e com uma catequese extremamente agressiva. E hoje eu sou mais protestante do que nunca, pois minha mãe me ensinou a verdade contida na Palavra de Deus.


Admoesta-os a que se sujeitem aos principados e potestades, que lhes obedeçam, e estejam preparados para toda a boa obra (Tt. 3:1).


Educa a criança no caminho em que deve andar; e até quando envelhecer não se desviará dele (Pv. 22:6).


Mais uma: Julio Severo é defensor velado da escatologia do terror, que se apóia em teorias da conspiração sem respaldo na Bíblia. Menções a Illuminatis e Bilderbergs pululam dos textos e comentários do blog, como nos exemplos abaixo, o que demonstra a ignorância teológica da entourage severa:


http://juliosevero.blogspot.com/2011/04/socialismo-de-guerra.html


http://juliosevero.blogspot.com/2011/06/al-gore-promove-controle-populacional.html


Como se não bastasse isso, Severo também defende o misticismo grosseiro da confissão positiva, das maldições hereditárias e da batalha espiritual. Não é preciso ir muito longe para chegar a essa conclusão: basta ler a sinopse do livro “Orações Proféticas”, de sua autoria (http://www.livrariaresposta.com.br/v2/produto.php?id=50398&sp=0), apresentado como “um devocional mensal contendo orações fáceis e breves, baseadas no livro de Provérbios, para você fazer diariamente”.


Segundo essa apresentação, “a oração é o começo de tudo, pois traz o mover de Deus nas situações e nas pessoas”. Ao apresentar sua grande panaceia mística, verdadeiro breviário de rezas com nítida inspiração romanista, Severo age com os mesmos cacoetes manjados dos tele-mascates da fé: promete resultado garantido para quem recitar escrupulosamente as suas rezas, dando a elas um poder maior que o do próprio Deus, que estaria subordinado às petições pré-fabricadas dos crentes. A soberania de Deus que vá para o saco: Ele que trate de fazer o que eu quero!


Você saberá como orar pela sua cidade, pela prosperidade de todos os habitantes justos que vivem nela (vejam a ênfase no vil metal!) e por solução dos problemas sociais (ué, mas isso não era coisa de petista?).


Você saberá como orar especificamente pelo governo e pelo presidente, ministros, governadores, etc. (esqueceu de excluir Lula e Dilma da jogada).


Você saberá como fazer orações que enfraquecerão toda atividade dos bruxos e feiticeiros em sua cidade (e desde quando maldição tem poder sobre os filhos de Deus?).


Ora, quem é o homem para trazer qualquer coisa de Deus para si? O Senhor é soberano! E trata com o homem segundo a Sua Vontade, e não de acordo com a nossa. Amados, diante de um panorama desses, o que diferencia Severo dos heresiarcas da confissão positiva, como Edir Macedo, Kenneth Hagin, Benny Hinn, Joyce Meyer, Silas Malafaia, Valdomiro Santiago, R. R. Soares, Pat Robertson et caterva? NADA! A maneira como ele promove tais heresias enganadoras mostra o seu compromisso com o Deus da Palavra e com a Palavra de Deus: NENHUM!


Vós tudo perverteis, como se o oleiro fosse igual ao barro, e a obra dissesse do seu artífice: Não me fez; e o vaso formado dissesse do seu oleiro: Nada sabe (Is. 29:16).


Mas, ó homem, quem és tu, que a Deus replicas? Porventura a coisa formada dirá ao que a formou: Por que me fizeste assim (Rm 9:20)?


À lei e ao testemunho! Se eles não falarem segundo esta palavra, é porque não há luz neles (Is. 8:20).



Haiti pós terremoto.

Soma-se a tais despautérios a descontextualização de passagens bíblicas levada a cabo por Severo, apenas para impor julgamentos hidrófobos, iníquos e sem misericórdia, que só competem a Deus. Foi o que ele fez quando do trágico terremoto que se abateu sobre o Haiti em janeiro de 2010, ao afirmar que toda miséria e violência que assolam aquela nação são culpa do vodu, chegando a sugerir, já no título do artigo, que se as religiões afro se propagassem no Brasil, um terremoto de iguais proporções atingiria o país.


Numa resposta memorável, o pastor Leonardo Gonçalves, editor do blog Púlpito Cristão, reduziu a pó (perdoem o trocadilho) o sofisma diabólico de Severo:


Esquece-se o “Severo” Julio que foi o europeu piedoso que levou da África 8 milhões de negros para trabalharem como escravos, e matou outros 40 milhões neste processo. Ignorando fatos históricos recentes, o blogueiro sequer menciona o drama da áfrica do Sul, nem o Apartheid promovido pelo caucasiano-europeu, que levou à morte outros milhares de africanos. Também não menciona o triste massacre promovido pelas Cruzadas, as quais em nome da fé e de um “cristianismo” perseguidor e intolerante (bem nos moldes do senhor “Severo”) deu morte a um sem número de pessoas, tudo em nome de uma “moral cristã” (...).


Considero extremamente dispensável um comentário grosseiro e mal articulado, cheio de pretensões políticas como este do Julio. Num momento como esse, quando 1,5 milhões de pessoas estão desabrigadas e outras milhares permanecem debaixo dos escombros, tudo que não precisamos é de um profeta de internet destituído de bom senso, endossando a declaração medíocre de um cônsul hipócrita e trapalhão.


Termino este breve ensaio com uma citação do evangelho de Lucas [13:1-5], onde Jesus oferece resposta cabal a todos aqueles que, por “piedosos” que são, querem associar tragédias contingentes ao pecado dos homens:


“E, naquele mesmo tempo, estavam presentes ali alguns que lhe falavam dos galileus cujo sangue Pilatos misturara com os seus sacrifícios. E, respondendo Jesus, disse-lhes: Cuidais vós que esses galileus foram mais pecadores do que todos os galileus, por terem padecido tais coisas? Não, vos digo; antes, se vos não arrependerdes, todos de igual modo perecereis. E aqueles dezoito sobre os quais caiu a torre de Siloé e os matou, cuidais que foram mais culpados do que todos quantos homens habitam em Jerusalém? Não, vos digo; antes, se vos não arrependerdes, todos de igual modo perecereis”.


A patética réplica severa, metralhada não apenas contra Gonçalves, mas também contra Danilo Fernandes (Genizah) e Gutierres Siqueira (Teologia Pentecostal), repetiu sua visão herética da oração como amuleto para crente:


“O rei Davi não seguia essa teologia. Ele orava muito, sendo autor de vários Salmos de oração por proteção, e nunca nenhuma torre desabou sobre a cabeça dele. Ele morreu em boa velhice, de causas naturais, não acidentais”


Já a tréplica de Gonçalves foi, mais uma vez, coerente com a Palavra de Deus:


Ora, será mesmo que o Julio acha que só caiu concreto na cabeça de praticantes de Vodu? O concreto não escolhe cabeças, Julio: Ele aplasta justos e impios, indistintamente. Cenas como essa falam profundamente no meu coração, pois revelam o verdadeiro sentido da fé. Será que Julio Severo seria capaz de louvar a Deus com uma laje inteira pressionando seus lombos? Será que este homem do vídeo, bem como outros muitos haitianos que professavam fé bíblica e evangélica, não orou o suficientemente por proteção (como Davi), e por isso as vigas de concreto cairam-lhe sobre a cabeça? (...)


Nada disso, porém, tem sido capaz de frear a impiedade desse homem: ele continua com a mesma postura temerária, sem atentar para as consequências de suas palavras tolas. É certo que Deus quer ensiná-lo o caminho do amor e da misericórdia, mas Severo tem permanecido na mesma porfia que levou Nabal à ruína (I Sm. 25:2-42).


Porquanto não se lembrou de fazer misericórdia; antes perseguiu ao homem aflito e ao necessitado, para que pudesse até matar o quebrantado de coração. Visto que amou a maldição, ela lhe sobrevenha, e assim como não desejou a bênção, ela se afaste dele (Sl. 109:16-17).


Alem disso, a máquina de difamações de Severo não reconhece limite algum: mesmo os apologistas mais devotados de nossos dias são por ele destratados quando se desviam um milímetro de sua cartilha. Foi o caso do pastor Renato Vargens, achincalhado por Severo (http://juliosevero.blogspot.com/2011/06/marcha-para-jesus-atrai-5-milhoes-de.html) apenas por ter apontado o misticismo anticristão que permeia a Marcha para Jesus em seu blog. No mesmo texto, Severo tem a desfaçatez de defender a roubalheira que Edir Macedo e Estevam Hernandes promovem às expensas dos dízimos e ofertas de seus sequazes (esquecendo momentaneamente do abortismo moloquista de Macedo), classifica como “picuinhas doutrinárias” as críticas (respaldadas na Bíblia) à confissão positiva e aos seus expoentes (Silas Malafaia à frente), colocando no topo do que devem ser as preocupações da igreja a denúncia do apoio ao PT e à esquerda em geral. Onde é que a bíblia diz que a política deve ser a nossa ocupação primeira? A política está subordinada à doutrina e à evangelização, e não o contrário!


Os presbíteros que governam bem sejam estimados por dignos de duplicada honra, principalmente os que trabalham na palavra e na doutrina (1Tm. 5:17).


4) Discurso incoerente


Basta ler as postagens do blog do cidadão para constatar uma grossa incoerência: quando Severo é contrariado em sua teologia sem sentido, faz uso de sua práxis demoníaca: acusa, achincalha, debocha, mente, destrói a reputação, entre outros pecados. Porém, quando o discurso do acusado é útil às suas teses, age como se nada tivesse acontecido.



Um exemplo: Quando a Revista Istoé publica(e Genizah reproduz) artigo que lhe desagrada (ou, no caso, que desagrada a Edson Camargo, autor da última ofensa dirigida ao blog, publicada pelo site olavista Mídia sem Máscara), é uma publicação sem nenhuma credibilidade, antro de marxistas e petistas que só querem ferir a igreja. Contudo, quando publica artigo contra seus desafetos, a Istoé serve(http://juliosevero.blogspot.com/2011/07/os-escandaldos-do-bispo-manoel-ferreira.html).


Detalhe: a birra de Severo contra Manoel Ferreira nada tem a ver com quaisquer erros de ordem bíblica ou teológica, salvo a ligação de Ferreira com o Reverendo Moon (os demais são ignorados), mas apenas com seu apoio político ao PT.Novamente: a agenda de Julio Severo, apesar do tênue verniz teológico, é política, e portanto, terrena.


Outra situação que demonstra bem a hipocrisia severa é a seguinte: Julio Severo tem acusado o irmão Marcelo Lemos, um dos baluartes da apologética brasileira, a quem admiro, apesar das diferenças políticas e teológicas que temos, de, sendo conservador escrever para o Genizah. Isto seria uma traição de um conservador escrevendo em uma órgão “comunista”, como Genizah ou Ultimato. Ao mesmo tempo, declara que mandou retirar a banca de venda da Ultimato quando palestrou no Encontro para a Consciência Cristã, organizado pela VINACC (pela única e última vez, desde então, já que a sua presença é um desconforto para maioria dos demais palestrantes habituais do evento, muitos já destratados por Severo em artigos do seu blog).


Pois bem: já quando se trata dele, não há problema algum. Em meados de julho, Severo teve um seu artigo publicado na Revista Apologética Cristã. Ora, tal revista é editada por Jamierson de Oliveira (também editor da revista Povos). Jamierson também é colaborador do Genizah. Julio se recusou a publicar na revista? Não. Julio patrulhou Jamierson, como fez com Lemos? Não. Some-se a isto o fato de que a Apologética Cristã é cliente em marketing digital de... Danilo Fernandes, editor do Genizah (http://juliosevero.blogspot.com/2011/07/revista-apologetica-crista-traz-artigo.html)!


---------------------------------


Eis aí, perfeitamente retratada, uma estratégia satânica: o Diabo é astuto e blandicioso, a ponto de induzir um ser humano a usar a própria Bíblia para justificar o pecado e heresias de perdição. E como o evangélico brasileiro é crédulo por natureza, qualquer novidade trombeteada com estardalhaço e com aparência de piedade é engolida sem sequer ser digerida.


Porém, todos nós sabemos, até pelo fato de, às vezes, termos sentido isso em nós mesmos, que se a digestão falha, todo o corpo adoece. E a não digestão do desvios e mentiras de Júlio Severo tem gerado crentes fanatizados, infantilizados, violentos, impiedosos, insubmissos a Deus, às lideranças e uns aos outros. Em suma, pagãos na prática que se dizem cristãos na teoria. É desse caldo que surgem personalidades do jaez de Anders Behring Breivik, o carniceiro norueguês, assassino de 77 “inimigos da fé cristã” (compare o ideário de Breivik com o de Severo acessandohttp://en.wikipedia.org/wiki/Anders_Behring_Breivik#Christianity), e de Jared Lee Loughner, o abutre de Tucson, que, apesar de ateu, é sequaz de numerosas teorias da conspiração (http://en.wikipedia.org/wiki/Jared_Lee_Loughner#Views).



Carl McIntire

Não há como não ver essa pregação satânica sem se lembrar de uma das fonte de inspiração do discurso do nosso personagem: o pastor norte-americano Carl McIntire (detalhe: quando lhe convém, Severo tacha os EUA de antro de liberais, mas sua retórica é de matiz claramente conservador-ianque; confira emhttp://juliosevero.blogspot.com/2011/04/e-o-amoooooooooor.html). Em nome da (sua) ortodoxia, o Rev. McIntire cometeu pecados inomináveis, como o da simonia, ao tentar subornar diversos pastores mundo afora para que dividissem suas denominações, com a desculpa de afastar o modernismo e o liberalismo. Severo aprendeu com gente desse naipe a defender bandeiras justas do Evangelho de forma pecaminosa e bandida, usando os meios mais escusos para defender a retidão divina e defendendo um constantinianismo direitista. Mas de Deus não se zomba: o fim de McIntire foi a falência financeira e o ostracismo eclesiástico (ver mais em “Os Herdeiros de Carl McIntire”, do Rev. Guilhermino Cunha, disponível emhttp://www.mackenzie.br/fileadmin/Mantenedora/CPAJ/revista/VOLUME_VI__2001_/Guilhermino.pdf). O de Severo será parecido, pois ousou dar à sua carnalidade ares de defesa piedosa da fé. A esses que querem ser professores de Deus, ensinando-o a como agir diante do mundo, o próprio Deus, rindo-se deles, diz: “Nunca vos conheci. Apartai-vos de mim, vós que praticais a iniquidade” (Mt. 7:23)


Não erreis: Deus não se deixa escarnecer; porque tudo o que o homem semear, isso também ceifará. Porque o que semeia na sua carne, da carne ceifará a corrupção; mas o que semeia no Espírito, do Espírito ceifará a vida eterna (Gl. 6:7-8).


Já é hora de acordarmos para todas, EU DISSE TODAS, as enfermidades que acometem a sofrida igreja brasileira. Como se não bastassem o deboche e a vileza dos pseudo-pentecostais, temos que nos haver também com pessoas notoriamente desequilibradas, que julgam segundo a aparência, ao mesmo tempo em que mentem de forma deslavada, pervertendo a mensagem da Cruz. O neo-farisaísmo doente e hipócrita encabeçado por Júlio Severo é uma afronta ao caráter reto, e ao mesmo tempo amoroso, de um Deus que se fez homem, se entregou como ovelha ao matadouro e propiciou salvação a toda a humanidade.


Devemos orar pela conversão de Júlio Severo ao verdadeiro Evangelho, a fim de que cesse o sofrimento de sua família e a má influência de sua pregação antibíblica e zombadora das Sagradas Escrituras. Mas enquanto isso não acontece, que ele e suas doutrinas mentirosas sejam anátema!


Assim também vós exteriormente pareceis justos aos homens, mas interiormente estais cheios de hipocrisia e de iniquidade (Mt. 23:28).


P. S.: De minha parte, somente escreverei sobre tipos como Severo e sua entourage pseudo-fundamentalista em uma obra definitiva, pois não disponho do tempo ocioso que esses reacionários profissionais dispõem (assalariados que são por gente aquinhoada, que se agrada de seu circo de horrores) somente para fazer isso. Trabalho honestamente para viver, tenho uma casa e uma esposa para cuidar, estou me preparando para concursos e não tenho mais tempo para gastar com gente que faz questão de se bandear para o lado do Maligno!




Enviado pelo autor para o Observador Cristão


Comentários