Estudo que apóia conversão gay é desafiado



Estudo que apóia conversão gay é desafiado



Um estudo desenvolvido por pesquisadores de duas universidades religiosas diz que algumas pessoas podem mudar sua orientação sexual depois de passarem anos por um programa ministerial.

“Evidências do estudo sugerem que a mudança da orientação homossexual parece possível para alguns e que o desgaste psicológico não aumentou, em média, como resultado do envolvimento no processo de mudança”  -escreveram os autores de um estudo publicado no The Journal of Sex and Marital Therapy (Jornal de Terapia Sexual e Conjugal)

Os autores são psicólogos que trabalham em universidades religiosas. Stanton Jones é um professor de psicologia e reitor da Wheaton College em Wheaton, Illinois, e Mark Yarhouse é professor de saúde mental na Regent University, em Virginia Beach, que foi fundada pelo tele-evangelista Pat Robertson.

As conclusões de seu estudo têm sido desafiadas por outros pesquisadores que dizem que a massa de evidência existente indica que a orientação sexual não muda. Blogs de gay advocacy (defesa dos homossexuais) também têm discutido as conclusões.

O estudo de Jones e Yarhouse acompanhou 65 participantes ao longo de seis a sete anos enquanto eles frequentavam os Ministérios Exodus, um programa religioso para "indivíduos e famílias impactados pela homossexualidade." Os indivíduos que frequentam o programa buscam alcançar "a libertação da homossexualidade através do poder de Jesus Cristo" - de acordo com a Exodus.

“É um estudo para pessoas que são altamente religiosas e que estão desgastadas pela experiência de atração," disse Yarhouse.  “Elas querem saber, é pelo menos possível?  O que eu poderia experimentar se eu entrasse num ministério baseado em religião?”

Inicialmente, o estudo cadastrou 98 indivíduos, mas 35 deixaram o programa. Alguns que desistiram do estudo disseram que haviam sido "curados de todas as inclinações homossexuais," e uma pessoa havia abraçado de novo sua identidade gay, de acordo com o estudo.

Os cursos foram oferecidos em 16 locais ao redor dos Estados Unidos e acontecia em grupos pequenos, passando tempo em oração e leitura da Bíblia.

Os autores do estudo acompanharam "o processo de mudança" dos participantes conduzindo entrevistas anuais, fazendo as mesmas perguntas sobre atração sexual,  paixões emocionais e românticas e fantasias sexuais. Eles usaram escalas desenvolvidas pelo sexólogo Alfred Kinsey e outra medida chamada  escala Shively-DeCecco.

A hipótese de Jones e Yarhouse's era de que a orientação sexual é mutável.

Depois de acompanharem os participantes por seis a sete anos de programa religioso, eles concluíram que 23% das pessoas que permaneceram no estudo tiveram êxito em mudar sua orientação sexual para a heterossexualidade. E  30% voltaram-se para a castidade, sobre o que Yarhouse disse que foi "uma redução da atração sexual.”

Também, 23% não responderam ao tratamento do ministério,  20% assumiram sua orientação homossexual e o percentual restante relatou confusão.

“As conclusões desse estudo parecem contradizer a visão comumente expressa de que a orientação sexual não é mutável," escreveu o autor.

A Associação Americana de Psicologia (APA) declarou em 2005 que a homossexualidade não é mutável. A associação havia também declarado que não havia evidência de que terapia reparadora ou conversão com o objetivo de mudar a orientação sexual fosse segura ou efetiva.

“A APA estava fazendo declarações muito fortes de que a orientação sexual realmente não muda e que tentativas nessa direção seriam prejudiciais, disse Yarhouse. “Eles estavam apresentando alegações absolutistas sobre essa imutabilidade de orientação e grande risco de malefício. Estas eram questões ideais para pesquisa.  As pessoas podem mudar? Ou é verdadeiramente uma característica imutável?”

Eli Coleman, professor e diretor de Sexualidade Humana na faculdade de medicina da  Universidade de Minnesota mostrou-se cético sobre as conclusões.

“Temos passado por isso de novo e de novo" - disse ele. "Você pode conseguir mudanças comportamentais, mas isso não é mudança de orientação. Você pode conseguir mudanças comportamentais de curta duração. Isso não se sustenta.”

Yarhouse enfatizou que sua pesquisa acompanhou os participantes por vários anos. Ele informou que existem muitos na comunidade LGBT que consideram programas de conversão religiosa "profundamente ofensivos." Mas ele disse que existem pessoas gays que desejam mudar e não abraçam a identidade gay ou a comunidade gay.

“Eu gostaria de ver organizações de saúde mental mostrarem mais respeito pela diversidade sobre como uma pessoa escolhe viver sua vida e vivê-la,” disse Yarhouse.

O estudo poderia estar confundindo identidade sexual e orientação sexual, o que são coisas totalmente diferentes, disse o Dr. Jack Drescher, um professor associado de psiquiatria na New York Medical College (Faculdade de Medicina de Nova York).

Orientação sexual se refere a por que uma pessoa se sente atraída, e na maioria dos casos, não muda, disse ele.  mas identidade sexual é como uma pessoa se sente sobre sua orientação e sentimentos sexuais, disse Drescher.

Por exemplo, um homem poderia sentir-se fortemente atraído por homens, mas não se identificar como gay. Ele poderia mudar o modo como se identifica, fosse como gay ou hétero ao longo de sua vida. mas orientação sexual geralmente não muda.

"Eu não penso que tenhamos nada realmente novo aqui" - disse Coleman.  "Temos sabido por algum tempo que algumas pessoas são capazes de mudar seu comportamento e sua percepção de sua identidade sexual através dessas tentativas de conversão."

Drescher disse que a maioria das evidências científicas existentes não sustentam as recentes conclusões do estudo.

“Eu penso que os autores são tendenciosos" - disse Drescher.  “Todos têm alguma parcialidade. Por isso é que temos acúmulo de informações - e estas não dão suporte às informações deles.”

“Existem estudos revisados por colegas na literatura e a soma total dessa literatura não indica que esses tratamentos sejam eficazes” - disse ele.  “Se um estudo que surge parece contradizer a massa de pesquisa científica provando que as pessoas podem mudar - isso é interessante, eles podem replicá-lo?”

Drescher também disse que o estudo não explora se a bissexualidade desempenhou um papel nas reportadas mudanças de orientação sexual.

Ele discordou que as conclusões de que terapias religiosas não prejudicam as pessoas, dizendo que ele mesmo teve vários pacientes que culpavam a si mesmos depois de falharem em programas, caindo em depressão, ansiedade e pensamentos suicidas.

“Eles ouvem que é problema deles se eles não mudarem,” disse Drescher. “Quando falha, como falha na maioria dos casos, eles se sentem como fracassados, depois de terem gasto tempo, esforço e dinheiro.

“Algumas dessas pessoas, seguindo o conselho de terapeutas, casam-se, então têm filhos. Pessoas gays têm se casado. Quando eles se casam, não mudam. O que fazem, continuam casados?  Essa é uma questão complicada.”

Fonte
Traduzido por Sergio Viula para o blog  Fora do Armário (www.foradoarmario.net)

------------------------------
COMENTÁRIO DESTE BLOGUEIRO

Um livro que tem emocionado gays, heterossexuais, bissexuais e outros

Já passei por esse tipo de grupo de reversão. Fui co-fundador de um deles. Depois de tanto tempo, posso dizer que tenho muito a dizer sobre isso, mas decidi colocar o principal no livro "Em Busca de Mim Mesmo". Pergunte-me sobre como adquirir o seu pelo e-mail: sviula@hotmail.com

Durante o mês de outubro (mês da Parada LGBT do Rio de Janeiro), as pessoas que pedirem terão um desconto muito especial. Escreva pedindo maiores informações.



************
NOVIDADE:





Livraria Cultura surpreendeu-me com uma proposta de contrato para a venda de Em Busca de Mim Mesmo nas livrarias físicas e no site. Fiquei muito feliz, porque segundo a representante comercial da empresa, essa proposta se deu por causa da procura pelo livro nas lojas. Fiquei honrado e fechamos o acordo. Agora, você pode solicitar o seu exemplar de Em Busca de Mim Mesmo numa das lojas da Livraria Cultura (confira abaixo) ou pelo site da empresa.

Adquira o seu agora mesmo e descubra por que tanta gente tem procurado esse livro.



Se preferir comprar pelo site da livraria, basta clicar AQUI. 



Livraria Cultura - Conjunto NacionalLIVRARIA CULTURA - CONJUNTO NACIONAL
Av. Paulista, 2073
01311-940 - Bela Vista - São Paulo - SP

Horário de Funcionamento:
Segunda a Sábado - 9h às 22h
Domingos e Feriados - 12h às 20h

Tel.: (11) 3170-4033 / Fax.: (11) 3285-4457


Livraria Cultura - Shopping Villa-LobosLIVRARIA CULTURA - SHOPPING VILLA-LOBOS
Av. Nações Unidas, 4777
05477-000 - Jardim Universidade Pinheiros - São Paulo - SP

Horário de Funcionamento:
Segunda a Sábado - 10h às 22h
Domingos e Feriados - 14h às 20h

Tel.: (11) 3024-3599 / Fax.: (11) 3024-3570


Livraria Cultura - Shopping Market PlaceLIVRARIA CULTURA - SHOPPING MARKET PLACE
Av. Dr. Chucri Zaidan, 902
04583-903 - Vila Cordeiro - São Paulo - SP

Horário de Funcionamento:
Segunda a Sábado - 10h às 22h
Domingos e Feriados - 14h às 20h

Tel.: (11) 3474-4033 / Fax.: (11) 3474-4099

Livraria Cultura - Bourbon Shopping São PauloLIVRARIA CULTURA - BOURBON SHOPPING SÃO PAULO
R. Turiassu, 2100
05005-900 - Perdizes - São Paulo - SP

Horário de Funcionamento:
Segunda a Sábado - 10h às 22h
Domingos e Feriados - 14h às 20h

Tel.: (11) 3868-5100 / Fax.: (11) 3868-5122


Livraria Cultura - Shopping Center Iguatemi CampinasLIVRARIA CULTURA - SHOPPING CENTER IGUATEMI CAMPINAS
Av. Iguatemi, 777 - Lojas 04 e 05 - Piso 1
13092-902 - Vila Brandina - Campinas - SP

Horário de Funcionamento:
Segunda a Sábado - 10h às 22h
Domingos e Feriados - 13h às 21h

Tel.: (19) 3751-4033 / Fax.: (19) 3751-4030


Livraria Cultura - Bourbon Shopping CountryLIVRARIA CULTURA - BOURBON SHOPPING COUNTRY
Av. Túlio de Rose, 80 - Loja 302
91340-110 - Passo DAreia - Porto Alegre - RS

Horário de Funcionamento:
Segunda a Sábado - 10h às 22h
Domingos e Feriados - 14h às 20h

Tel.: (51) 3028-4033 / Fax.: (51) 3021-1777


Livraria Cultura - Paço AlfândegaLIVRARIA CULTURA - PAÇO ALFÂNDEGA
R. Madre de Deus, s/n
50030-110 - Recife - PE

Horário de Funcionamento:
Segunda a Sábado - 10h às 22h
Domingos e Feriados - 12h às 21h

Tel.: (81) 2102-4033 / Fax.: (81) 2102-4200


Livraria Cultura - CasaPark Shopping CenterLIVRARIA CULTURA - CASAPARK SHOPPING CENTER
SGCV - Sul, Lote 22 - Loja 4-A
71215-100 - Zona Industrial - Guará - DF

Horário de Funcionamento:
Segunda a Sábado - 10h às 22h
Domingos e Feriados - 14h às 20h

Tel.: (61) 3410-4033 / Fax.: (61) 3410-4099


Livraria Cultura - Shopping Center Iguatemi BrasíliaLIVRARIA CULTURA - SHOPPING CENTER IGUATEMI BRASÍLIA
SHIN CA 4, Lote A
71503-504 - Lago Norte - Brasília - DF

Horário de Funcionamento:
Segunda a Sábado - 10h às 22h
Domingos e Feriados - 14h às 20h

Tel.: (61) 2109-2700 / Fax.: (61) 2109-2701


Livraria Cultura - Shopping Varanda MallLIVRARIA CULTURA - SHOPPING VARANDA MALL
Av. Dom Luís, 1010 - Lojas 8,9 e 10
60160-230 - Meireles - Fortaleza - CE

Horário de Funcionamento:
Segunda a Sábado - 10h às 22h
Domingos e Feriados - 15h às 21h

Tel.: (85) 4008-0800 / Fax.: (85) 4008-0801


Livraria Cultura - Salvador ShoppingLIVRARIA CULTURA - SALVADOR SHOPPING
Av. Tancredo Neves, 2915
41820-910 - Caminho das Árvores - Salvador - BA

Horário de Funcionamento:
Segunda a Sábado - 09h às 22h
Domingos e feriados - 12h às 21h

Tel.: (71) 3505-9050 / Fax.:


Livraria Cultura - Shopping Fashion MallLIVRARIA CULTURA - SHOPPING FASHION MALL
Estrada da Gávea, 899 - Lojas 201,202 e 204
22610-001 - São Conrado - Rio de Janeiro - RJ

Horário de Funcionamento:
Segunda a Sábado - 10h às 22h
Domingos e feriados - 15h às 21h

Tel.: (21) 2730-9099 / Fax.: (21) 2730-9090


Livraria Cultura - Shopping CuritibaLIVRARIA CULTURA - SHOPPING CURITIBA
R. Brg. Franco, 2300 - Loja 306
80250-903 - Curitiba - PR

Horário de Funcionamento:
Segunda a Sábado - 10h às 22h
Domingos e Feriados - 14h às 20h

Tel.: (41) 3941-0292 / Fax.: (41) 3941-0293

Comentários

  1. Comentário enviado por Ricardo via e-mail:

    Pelo pequeno grupo de amostragem, isto não me parece um estudo e sim, uma forma de indução psicológica através de “injeção” de comportamento orientado, já que, segundo a matéria exposta, os participantes da amostra estavam como “cobaias em experimento controlado”.



    Como o estudo pode ser tão direto e não controvertido, já que não corre o risco de permitir aos “estudados” compartilharem o cotidiano normal das relações interpessoais. Em estudo de pesquisa científica, sem o processo de orientação a resultados, as “amostras”, nesse caso os Gays estudados, deveriam participar do estudo sem a “proteção” dos resultados, isto é, deveriam levar suas vidas sem o controle do estudo, recebendo as orientações dos pesquisadores, sem influência direta, para que por si, fizessem a escolha.



    Dessa forma, até eu acreditaria. Mas, não existe na matéria, nenhuma menção a uma entidade externa de controle da pesquisa. Isto evidencia que os resultados no mínimo são controversos, uma vez que a publicidade da pesquisa se deu somente ao final e com a divulgação de resultados controlados.



    Ah tah!!!!!!





    Ricardo

    www.matrimoniohomoafetivo.com.br

    ResponderExcluir
  2. Minha resposta para o comentário do Ricardo que eu colei aqui anteriormente:

    Parabéns pela visão aguçada! Adorei a análise.

    Abração, querido.
    Sergio Viula

    ResponderExcluir
  3. Ei, prof., dá uma olhada nessa matéria:

    http://www.pragmatismopolitico.com.br/2011/10/jovem-gay-submetido-sessao-de-cura-em.html

    Incrível em como retrógrada pode ser a mente humana. Infligir danos físicos para tentar mudar a orientação de alguém? Até onde se sabe, essas atitudes só causam danos psicológicos irreversíveis.

    ResponderExcluir
  4. Valeu, Daniel! Dei uma olhada e lembro que vi esse assunto rolando nas listas de discussão, mas não parei para olhar. Caramba! Muita miséria existencial na vida dos pais desse cara. E o pior é que eles também tornaram a vida dele miserável. Ainda bem que ele está sendo forte o suficiente para seguir em frente.

    Coloquei lá no blog e dei crédito ao blog que publicou originalmente.

    Abração,
    Sergio Viula

    ResponderExcluir
  5. Esses caras devem estar dando pulinhos de felicidade com o resultado dessa pesquisa. Mais da metade do grupo mudou. Imagina, 23% virou hetero e 30% virou casto - devem no mínimo ter cortado o pinto fora...

    Essas pesquisas são tão furadas que não existem provas concretas além de estatísticas e relatos. E numa pesquisa, você pode responder o que quiser que ninguém vai querer saber se o que você falou é verdade ou não.

    Nunca é demais lembrar que "ex-gays" são frequentadores em potencial de saunas, garotos de programa, sex clubs, cinemas pornôs, banheirões, etc.

    ResponderExcluir
  6. É fato, Kummitus! Justamente por não mudarem e não conseguirem segurar o desejo, sem poderem assumir qualquer relação, os "enrustidos" precisam dar vazão de uma forma camuflada. Tudo isso pode ter seu tesão e adrenalina e ser , mas não precisa ser a válvula de escape de gente mentirosa... ;)

    É furada mesmo.

    Abração,
    Sergio Viula

    Abração, querido.
    Sergio Viula

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixe suas impressões sobre este post aqui. Fique à vontade para dizer o que pensar. Todos os comentários serão lidos, respondidos e publicados, exceto quando estimularem preconceito ou fizerem pouco caso do sofrimento humano.