STF condena Saga Veículos por discriminação sexual


  • STF condena Saga Veículos por discriminação sexual

  • Concessionária rejeitou participação de ator em comercial por ele ser homossexual


  • MidiaNews/Arquivo Pessoal 

    STF deu ganho de causa a Menotti Griggi (destaque), que foi discriminado pela Saga por ser gay

    KATIANA PEREIRA
    DA REDAÇÃO

    O Supremo Tribunal Federal (STF) condenou a empresa Saga Pantanal Comércio de Veículos Ltda. - concessionária Ford em Cuiabá - a pagar uma indenização, por danos morais, no valor de R$ 15 mil ao empresário Menotti Reiners Griggi.


    A empresa foi condenada, em todas as instâncias, após ter vetado a participação de Menotti em um vídeo comercial, pelo fato de ele ser homossexual.

    A ação foi movida em 2008, na Primeira Vara Cível de Cuiabá. No processo, consta que Menotti foi convidado para fazer o comercial pela equipe de produção da empresa GMA Propaganda, contratada pela Saga para produzir o vídeo. Mas, após a empresa saber de sua opção sexual, ele foi vetado.

    O empresário disse ao MidiaNews que a decisão do Supremo é importante não só para ele, mas para toda a comunidade LGBTTT (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Transgêneros), que, segundo Menotti, constantemente, é discriminada e submetida a situações vexatórias.

    "Diante do constrangimento que passei, a decisão foi justa. Eu me preparei, cheguei para a gravação, com o figurino que me pediram, e fui barrado. Mentiram que o comercial tinha sido cancelado. Depois, falaram a verdade. Eu fui barrado por ser homossexual", afirmou o empresário.

    Para Menotti, a condenação da Saga Veículos deve ser amplamente divulgada para que outras pessoas que passaram pela mesma situação tomem como exemplo e busquem seus direitos.

    "Não está escrito na minha testa que sou gay. O preconceito e a discriminação por parte dessa empresa fizeram com que minha orientação sexual aparecesse. Isso não pode acontecer. O que faltou à Saga Veículos e à sua diretoria foi o respeito ao próximo", disse Menotti.

    O caso

    O comercial de venda de automóveis era para representar três tipos de clientes: uma família, um jovem e um aposentado, seguindo o piloto da propaganda, feito em Brasília. Menotti faria o papel do pai da família.

    A equipe da GMA mostrou para a diretoria da Saga Veículos fotos de dois atores. Um foi recusado, segundo testemunhos revelados na ação, porque teria uma aparência de "bicho grilo" (denominação dada aos hippies). Já Menotti teve o perfil aprovado por apresentar o biótipo necessário para o roteiro.

    A princípio, o empresário havia recusado a oferta da GMA, por conta de outro compromisso que tinha assumido anteriormente. Desmarcado o compromisso, o autor acabou aceitando a oferta da agência.

    Ocorre que, ao se dirigir ao local e a data combinados para a realização da gravação, Menotti ficou sabendo que o trabalho havia sido cancelado, mesmo verificando que todo o elenco já estava pronto para fazer o comercial.

    Consta na ação que o proprietário da GMA Propaganda, Danilo Rondinelle, recebeu ordens da diretora executiva da Saga, Adriane Palmeira de Oliveira, para que cancelasse a gravação do comercial. A justificava seria porque Adriane teria sido informada que Menotti é homossexual e dono da boate Zum Zum, voltada para o público gay, em Cuiabá.

    Adriane teria rejeitado a participação de Menotti por não querer que a empresa fosse representada por homossexuais, justificando que não passaria a verdade no vídeo. Consta ainda que a diretora despediu a produtora Glenda Pereira Garcia, por causa desse episódio.

    A Saga Veículos providenciou, logo após o ocorrido, a contratação de outro ator, com o mesmo biótipo do Menotti, para gravar o comercial. Tendo conhecimento dos fatos, Menotti pediu para conversar com o responsável pela empresa, mas não foi atendido.

    Por causa disso, ele ficou muito abalado, não conseguindo trabalhar por três dias. Nos dias que seguiram o ocorrido, o autor ainda passou pelo constrangimento de ser questionado, por amigos e conhecidos, com havia sido a gravação do comercial e quando iria passar na TV, ficando numa situação de desconforto.

    O processo

    A Saga Veículos recorreu da decisão em primeira instância, proferida pela juíza Serly Marcondes Alves, que, inclusive, reformou o valor da condenação. Na ocasião, a ré conseguiu a diminuição do valor de R$ 15 mil para R$ 9,3 mil.

    Contudo, a empresa não estava satisfeita com o resultado do recurso e, novamente, interpôs embargos declaratórios, no Tribunal de Justiça de Mato Grosso, que foram negados pelo relator, Nelson Dorigatti.

    Não restando mais alternativas, a empresa interpôs um agravo de instrumento, junto ao Supremo Tribunal Federal, onde também teve negado seu seguimento pelo relator, o ministro Luiz Fux.

    A condenação da Saga Veículo foi publicada no Diário Oficial, em 05/09/11. O advogado João Emanuel Moreira Lima, que representa Menotti, já entrou com pedido para o cumprimento da sentença.

    Outro lado

    Ao MidiaNews, a Saga Veículos se pronunciou por meio do gerente comercial, Rafael Serra. Segundo ele, a empresa lamenta toda a situação e garante que não tem por norma discriminar quem quer que seja.

    "O fato ocorreu logo após a inauguração da loja, em 2007. Na época, uma profissional que dirigia a empresa pediu que o ator fosse barrado no comercial. A decisão foi somente dessa profissional. E, logo em seguida, ela foi desligada do nosso quadro de funcionários. A Saga não adota a postura de discriminação", disse Serra.

    Sobre o fato da empresa ter ido até o Supremo Tribunal Federal para recorrer da decisão que deu ganho de causa ao empresário Menotti Griggi, o administrador explicou: "O autor da ação não se interessou em fazer um acordo. É uma postura da empresa dar seguimento em ações judiciais, até a última instância".

Comentários

  1. O pessoal agora já sabe o que tem a fazer: boicotar essa tal de Saga Veículos.
    Soma e segue!

    Mas quantos casos de discriminação não ficam, ainda, impunes? Há ainda um longo caminho a trilhar.

    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Que bom pelo menos, nesse caso, a justiça foi feita. Deveria ser assim sempre!

    ResponderExcluir
  3. É verdade, ManDrag. E a Saga Veículo deu trabalho a esse rapaz, porque levou caso até a última instância. A questão é essa: não desistir do que é direito seu. ;)

    Abração, amigo!
    Sergio Viula

    ResponderExcluir
  4. Isso aí, Pólux! É como eu disse antes: não desistir daquilo a que tem direito, especialmente quando se trata da dignidade própria.

    Abração,
    Sergio Viula

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixe suas impressões sobre este post aqui. Fique à vontade para dizer o que pensar. Todos os comentários serão lidos, respondidos e publicados, exceto quando estimularem preconceito ou fizerem pouco caso do sofrimento humano.