Justiça do Rio de Janeiro realiza o primeiro Casamento Gay do Estado


Primeiro casamento gay do Estado do Rio de Janeiro

João Batista e Cláudio Nascimento

A história de amor entre Cláudio Nascimento Silva e João Batista Pereira da Silva ganhou agora oficialmente o selo da Justiça. Em uma cerimônia no cartório da 7ª Circunscrição no Estácio eles se tornaram o primeiro casal Gay do Estado do Rio de Janeiro com direito à certidão de casamento.

A troca de alianças chamou a atenção de testemunhas e convidados, cerca de 150. Em vez de um anel para simbolizar a união, o casal optou por duas. "Uma delas é de ouro e a outra de tucum (tipo de madeira), que representa os direitos humanos", explicou o cabo reformado da Marinha e assistente social, João da Silva, 40 anos.

Já o superintendente de Direitos Individuais, Coletivos e Difusos da Secretaria de Direitos Humanos do Estado, Cláudio Nascimento da Silva (ele incluiu o 'da' no nome de casado), garantiu que está nos planos a adoção de uma criança. "É preciso planejamento financeiro e controle emocional porque criança exige cuidado, mas queremos", contou.

Com mais de mil cerimônias matrimoniais no currículo, o juiz de paz Leandro de Oliveira Rodrigues disse que encarou o primeiro casamento Gay de sua carreira com muito orgulho. "É um marco para a sociedade carioca. São cônjuges e têm direitos iguais a qualquer casal", explicou Leandro. Com três recepcionistas Drag Queens na porta, a festa foi realizada em restaurante ao lado do cartório.

O casal, em união estável desde setembro, pediu a conversão para casamento civil em 1º de julho. Dia 15 de agosto o juiz da Vara de Registros Públicos, Fernando Cesar Ferreira Viana, deu sentença favorável a Cláudio e João, mas a notícia só chegou em agosto. Entre as 6 testemunhas do casamento, estavam o secretário estadual do Ambiente, Carlos Minc, e o desembargador Siro Darlan.

"Com esse manto de legalidade, eles dão um tapa de cidadania no ódio homofóbico. Depois que o Supremo Tribunal Federal reconheceu a união civil, agora juízes e cartórios a transformam em casamento", resumiu Minc. "O Brasil precisa ser uma república inclusiva, que respeita a dignidade do ser humano", concluiu Darlan.

Comentários

  1. Que lindo, que justo! Eu, Maria Rita Lemos, e minha companheira Fulvia Lucia Margotti estamos também esperando a resposta do Ministério Público. O Juiz Corregedor deu parecer favorável ontem, mas estamos esperando a ciência do Promotor, que tinha negado anteriormente... só nos resta esperar... também queremos fazer a conversão da união estável em casamento civil. Abraços, torçam por nós!

    ResponderExcluir
  2. Maria Rita e Fulvia, estou torcendo por vocês! Não esqueçam de enviar notícias quando conseguirem fazer a conversão da união estável para casamento civil. Será um prazer celebrar com vocês, mesmo que seja no mundo virtual.

    Beijo para as duas,
    Sergio Viula

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixe suas impressões sobre este post aqui. Fique à vontade para dizer o que pensar. Todos os comentários serão lidos, respondidos e publicados, exceto quando estimularem preconceito ou fizerem pouco caso do sofrimento humano.