Amy Winehouse


Amy Winehouse

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Gnome globe current event.svg
Este artigo é sobre uma pessoa que morreu recentemente
Algumas informações relativas às circunstâncias da morte podem mudar a qualquer instante. Editado pela última vez em 24 de julho de 2011.


Amy Winehouse
Amy Winehouse em 2007.
Informação geral
Nome completo
Amy Jade Winehouse
Nascimento
Local de nascimento
Data de morte
23 de julho de 2011 (27 anos)
Local de morte
Ocupação
Período em atividade
2003 – 2011
Outras ocupações

COMENTÁRIO DESTE BLOGUEIRO

Vejo muita gente sinceramente consternada com a morte de Amy Winehouse. Isso me parece bom e justo. Por outro lado, vejo algumas pessoas debochando da cantora por causa das drogas, do álcool, por causa da paixão obsessiva pelo namorado, transformado em marido secretamente, e por aí vai.

Não consigo evitar a ideia de que as pessoas que se refastelam em críticas, deboches e piadas sobre a cantora (nenhuma delas, porém, reconhecida por algum brilhantismo ou genialidade) alimentam sua própria ilusão de grandeza ou nobreza através do tripúdio sobre alguém, de fato especial, como Amy Winehouse.

Quando vejo os documentários sobre ela (isso é o mais perto a que posso chegar - ainda que muito distante - de sua realidade), penso que Amy era muito mais desprendida do que a maioria dos considerados "santos". Com todo o dinheiro que ganhou, nunca realmente se deslumbrou com isso. Nunca posou de riquinha. Nunca pretendeu ditar moda para ninguém. Nunca disse a ninguém o que deveriam fazer ou deixar de fazer. Ela apenas viveu como quis: cantado, sofrendo de amor, cantando o sofrimento desse amor, e se anestesiando com as drogas e o álcool para suportar a dor de viver essa dor.

Amy já tinha dito que queria morrer jovem. E morreu.

Tem gente que fica chocada, mas o que é a vida, senão nascimento, morte e alguma diversão no intervalo? Quando a dor se torna insuportável, para quê continuar vivendo? Talvez essa tenha sido a mais corajosa conclusão a que Amy Winehouse tenha chegado. E talvez seja por isso que tantos procuram se distanciar dela por meio da crítica e do deboche: Têm medo de que a loucura que lhe atribuem esteja coberta de razão. Eles têm medo da vertigem. Têm medo de se sentirem compelidos a pular também; saltar para o nada.

Isso, a meu ver, torna essas pessoas ainda mais miseravelmente desesperadas. Amy não demonstrava desespero. Sofrimento, sim. Desespero, não. Já esses santarrões do moralismo falido, alimentado pela ânsia de viver pra sempre, revelam em cada coisa que dizem um desespero nauseante.

Então, antes de falar de Amy Winehouse e outros românticos como ela, pense no que suas palavras sobre ela vão, na verdade, revelar sobre você mesmo.

E como eu disse no Twitter:

"Se deus existisse, seria realmente muito sacana. Levar a #Amywinehouse e deixar #SilasMalafaia#Magnomalta#Joseserra#Edirmacedo... PQP!"

Aí, vem esses crentes querendo validar a falácia de suas crenças com o realismo da morte. Querem esquentar a falta de vida de suas vidas com a frieza da morte na vida dos outros. Sinceramente, Amy Winehouse nunca fez mal a ninguém, enriqueceu o patrimônio cultural da humanidade com sua voz e composições, conquistou amigos sem prometer nada mundo afora. Enquanto, isso esses pregadores da morte que condenam tudo na vida, prejudicam bilhões de pessoas pelo mundo todo com suas doutrinas pútridas de pecado, juízo e castigo eterno. E, se pensam que suas promessas de graça, salvação e paraíso eterno contribuem para a felicidade da humanidade, enganam-se. Basta olhar para a própria vida desses coitados: mera negação, mesmo quando afirmam alguma coisa, esta é - em última instância - a morte.

Por isso, mais vale uma Amy Winehouse que viveu intensamente e morreu aos 27 anos sem prejudicar ninguém do que um Papa como João Paulo II que viveu até os 85 anos de idade, reforçando o preconceito, a homofobia, encobrindo a pedofilia no clero, enriquecendo a igreja ainda mais com a canonização recordista de santos, entre outras coisas. Isso para não mencionar Edir Macedo, Silas Malafaia, George Bush, Sadam Hussein, cada um produzindo desgraças a seu próprio modo. E todos eles, muito religiosos. ;)

Pieguismo religioso não me impressiona. O talento e a autenticidade de Amy Winehouse, sim.

O que não significa que eu considere o álcool ou as drogas como hábitos aconselháveis. Prefiro ser saudável, mas isso não me torna melhor do que ninguém. Pelo contrário, alguns usuários de drogas são melhores do que eu e a maior parte da humanidade juntos. Isso, porque não são bons graças às drogas, mas apesar delas.

Enquanto isso, a maioria de nós vai passar pela vida sem deixar rastros, esquecidos por nunca termos feito outra coisa que não consumir - o que até aos porcos no chiqueiro não exige nenhum esforço ou talento.
Genialidade, brilhantismo, inovação nos diversos campos de conhecimento humano - isso, sim, é fantástico! Transformar a realidade para melhor, isso é tremendo! E isso não pode ser feito por quem é mero expectador e crítico da vida alheia.



*********


Querida Amy, adoraria que você pudesse me ouvir. Se pudesse, eu diria:

Thanks for singing that beautifully, dear! Keep on, sweetheart!







Amy Jade Winehouse (Londres14 de setembro de 1983 — Londres, 23 de julho de2011[1]) foi uma cantora e compositora de souljazz e R&B do Reino Unido. Seu primeiro álbum, Frank, lançado em 2003 pela Island Records, foi muito bem recebido, comercial e criticamente, e o segundo, de 2006, Back to Black, deu a ela seis indicações ao Grammy Awards, das quais venceu cinco.

Amy também foi muito conhecida por seus escândalos públicos e pelo uso de drogas. Os problemas de Amy com drogas e álcool foram noticiados pelos meios de comunicação ao redor do mundo desde 2008. Em junho de 2008 o pai de Amy revelou aos jornalistas que ela estava com uma possível arritmia cardíaca por conta do uso abusivo de cocaína e cigarro.[2]

Em 2009, Winehouse garantiu estar se recuperando. Ela já vendeu 505 mil cópias de seus dois discos anteriores no Brasil, segundo a revista semanal Veja.[3][4]

Em 2010, Amy terminou seu tratamento na reabilitação e finalmente parecia ter se libertado das drogas, podendo concentrar-se no seu terceiro disco, esperado para janeiro de 2011, fato que não ocorreu. No seu último show, em 19 de junho de 2011, em Belgrado, a cantora teve uma atuação em que era visível o seu estado de embriaguez, levando a assobios por parte dos fãs sérvios. Ficou assim provado, que a cantora não se tinha ainda curado doalcoolismo.[5]

No dia 23 de Julho de 2011, foi encontrada morta em sua casa. A polícia disse que a causa de sua morte "ainda não foi explicada."[6][7][8]

Comentários