Preso assassino da travesti Raissa em Ipatinga





FABRICIANO - Um travesti foi morto com 13 golpes de canivete na madrugada de terça-feira (9), em um motel localizado na avenida Rubens Siqueira Maia, no bairro Mangueiras. A vítima foi identificada como Ronaldo Sabino de Lima, de
25 anos, conhecido como Rayssa. O principal suspeito foi identificado como Ronney Oliveira Bramusse, 33 anos.




O crime ocorreu na suíte 209 e a vítima foi encontrada caída nos pés da escada. Relatos de funcionários do estabelecimento dão conta de que ouviram gritos e barulho de algo caindo no interior da suíte. Uma das funcionárias foi verificar e deparou com várias marcas de sangue no chão e nas paredes da escada de acesso à garagem. Em seguida as testemunhas ouviram o barulho do portão do motel sendo fechado.




Testemunhas relataram que os envolvidos chegaram ao motel por volta de 1h e pediram cervejas, cigarros e sabonete para a banheira. A confusão teria ocorrido por voltas das 2h30. Compareceu ao local a perita Laudiene, da Polícia Civil, que inicialmente constatou que a vítima tinha três
perfurações no tórax, pescoço e ombro. Na suíte foram encontradas várias garrafas de cerveja quebradas, sinais de luta, presumindo-se que após ser agredida a vítima saiu do quarto e caiu na garagem. Mas o laudo de necropsia feito no IML confirmou que a vítima recebeu 13 golpes de canivete.




A vítima era vista frequentemente em um ponto ao lado da passarela do bairro Iguaçu, em Ipatinga. A arma utilizada no crime é um canivete de aproximadamente 15 cm de lâmina que foi jogado durante a fuga no pátio do motel.




Documento




A polícia conseguiu chegar ao suspeito porque ele deixou para trás o documento do veículo em que estava, um Fiat Uno de cor azul placas LAY-0668,
em nome de S.B.S., pai do suspeito. 




Policiais foram até a casa dele e a mãe do rapaz confirmou que o veículo é de propriedade do marido, mas que estava com o filho Ronney, estudante do curso de Enfermagem em uma universidade de Ipatinga.




No bolso da calça do suspeito, encontrada no quarto de motel, foram encontrados documentos e uma camisa com os dizeres "Faço farmácia", colocando Ronney como principal suspeito do homicídio. O acusado já tem passagem por homicídio ocorrido no bairro JK, no dia 15 de novembro de 1998.




Por causa desse crime, Ronney foi condenado a 19 anos e 9 meses de prisão pelo assassinato da própria prima, Leila Bramusse, um caso de grande
repercussão no Vale do Aço. Ele negava a autoria do homicídio por estrangulamento de sua prima. Em 2006, depois de cumprir pena na Penitenciária Dênio Moreira de Carvalho, em Ipaba, Ronney conseguiu sair da cadeia para estudar, dentro do que prevê a progressão de pena.




No assassinato de ontem, o suspeito fugiu no veículo e, após rastreamento, o automóvel foi localizado na garagem de um parente seu, na rua Alípio José da
Silva, no bairro São Geraldo. Até o fechamento desta edição, Ronney não havia sido localizado pela polícia.

Comentários