Igreja inclusiva prometendo cura divina para a AIDS?

Meus parabéns ao Rev. Marcio Retamero e às lideranças da Comunidade Betel, igreja inclusiva que demonstra um equilíbrio geralmente ausente em outras igrejas. Recebi esse comunicado numa das listas de discussão de que participo. O comunicado foi (muito bem!) escrito pelo diácono Gustavo, membro e oficial da Comunidade Betel. É alarmante, mas comprova o que eu já disse até no meu livro (Em Busca de Mim Mesmo), que algumas dessas igrejas inclusivas podem vir a ser grave problema para o próprio Movimento Gay brasileiro.

Veja o comunicado. Leia cuidadosamente para evitar interpretações erradas, e se tiver dúvida, não hesite em perguntar. Conversando é que a gente se entende, já diz o ditado.

Ateus e crentes em geral podem estranhar que num post eu critique tão duramente a religião, inclusive o cristianismo, e em outro, dê espaço para uma igreja inclusiva. Isso é muito simples de entender: Nunca defendi a supressão da religião como decreto. Isso é tolice e desrespeita os direitos humanos. Defendo o direito de dizer o que penso sobre aquilo que considero inconsistências do "mundo religioso". Por outro lado, valorizo as ações daqueles que trabalham pela  inclusão e pelo esclarecimento. A Comunidade Betel é, na minha opinião, um das igrejas mais esclarecidas que conheço. Eles não têm medo de pensar! Não pregam o fanatismo religioso, não exploram financeiramente o povo, não prometem milagres, não vendem coisas como se fossem ungidas, etc. O pastor não é estrela. Os membros da igreja são engajados na luta pelos direitos dos LGBT, e todos são literalmente bem-vindos, seja o L, o G, o B ou os Ts!!! E a igreja está cheia de gente heterossexual. 

Por essas e outras, respeito tanto o povo e o pastor de Betel! E tenho recebido o mesmo tratamento da parte deles, mesmo estando em pólos diferentes no que diz respeito à fé. Cristãos betelenses e um ateu numa relação de amor, respeito e cooperação. Isso não é extraordinário?

Veja o texto-denúncia do Diácono Gustavo:





Minha crítica ao movimento neo-inclusivo me levou aos tribunais. Não somente a mim, mas também o Leandro Rosetti e o Rev. Márcio Retamero, autores deste Blog. Quiseram nos calar, com a desculpa da calúnia, da difamação e de uma pseudo tentativa de cercear a liberdade de culto religioso. Tudo falácia! O processo foi encerrado, arquivado por falta de motivos válidos para prosseguir.

Teve gente vestindo a carapuça da deturpação do Evangelho, o da Inclusão, das doutrinas de multiplicação da desonestidade, do acúmulo ilícito do capital, alheio, claro!

Não podemos nos calar, como grita o Evangelho. Calar é concordar com a balbúrdia e com a exploração e alienação do outro. E o Evangelho de Jesus nos chama para ser sal, luz e libertação nas vidas dos que perecem.

Acusam-nos de fazer uma falsa apologética, baseada na inveja do crescimento, ou inchamento, das neo-igrejas e seus pseudo-evangelhos. Tola acusação! Não dá pra invejar, como crentes em Cristo Jesus, o que é a negação dos valores da vida, a negação da existência e a alienação do mundo. Pois, sabemos,
Cristo nos chamou para plantar os pés no mundo e não para nos perdermos na mística da mentira.

Ontem, no compartilhar comungado de vinhos, petiscos e papos, no santuário de vida da Lapa, me chega a notícia. Notícia esta que encheu meus olhos de lágrima, não de alegria, mas de profunda tristeza.

Sim, é isso mesmo, tem igreja neo-inclusiva na cidade do Rio de Janeiro prometendo curar o HIV, prometendo curar, “pela fé”, os soropositivos.

Agora, imaginam a quantidade de pessoas que podem ser frustradas com essas loucas promessas?! Quanta gente que pode se perder para sempre por conta deste evangelho de faz-de-contas! E quanta gente mais pode vir a se contaminar com o HIV, por acreditar nessas promessas irresponsáveis e
insanas!

É triste, lamentável saber de tanta deturpação e mentira por conta de um desejo egoísta de fama, sucesso e acumulação. É triste saber que lugares que
poderiam estar restaurando vidas, trazendo-as de volta à dignidade, estão egoisticamente pregando a ilusão religiosa e o desligamento da realidade da
vida.

AIDS não tem cura! Como crentes em Cristo devemos falar a verdade, e esta é a verdade. A cura da AIDS depende do empenho e da esponsabilidade de cada um de nós. Depende da prevenção, da luta contra a desinformação e o preconceito.

Antes de se prometer cura milagrosa para uma doença crônica como o HIV seria melhorar promover a cura emocional e espiritual dos portadores da doença, que podem e devem viver dignamente suas vidas, para a honra e glória do seu
Senhor.

Iludir pessoas fragilizadas, machucadas com as chagas sociais da AIDS, em troca de meia hora de poder, de “autoridade espiritual”, e de quinze minutos de fama em programas de TV popularescos, terá um custo. E esta conta será cobrada pelo Senhor, Justo Juiz, que não se deixa escarnecer e não deixa que se escarneça de seus pequeninos.

Promessas como estas são uma afronta à clarificação do entendimento. São um dos motivos para que confundam Igrejas Inclusivas sérias com modelos
deturpados das mesmas. Para que coloquem no mesmo saco de confusões os libertadores e os escravizadores, os que pregam a moral e a ética de Cristo e os falso-moralistas, os que pregam a verdade e os que pregam a ilusão alienante.

Este texto também é um alerta ao Movimento Homossexual Brasileiro. Para que permaneça atento aos desditos e à falta de informação gerados por grupos fundamentalistas que carregam de alguma forma o arco-íris como bandeira.

Isso não pode permanecer assim!

Difícil escrever, mas há de se escrever, pois, o silêncio há de ser cobrado, como omissão e falta de amor. Ainda que haja ameaças, ainda que sejamos
arrastados aos tribunais e perante os magistrados, não nos calaremos! Pois não há ninguém mais pra clamar, somos as próprias pedras que clamam (Lc
19:40), e clamam não por uma reforma, mas por uma revolução na história da Igreja de Jesus Cristo.

Assim profetizo!

Diác. Luiz Gustavo.

Comentários

  1. Sem dúvida que tem de haver um chamado à razão. Não podemos continuar nesta impunidade de que a pretexto da superior liberdade religiosa se façam as mais infames campanhas completamente criminosas, pela irresponsabilidade e falsidade das suas afirmações e promessas.
    Melhor seria que as igrejas (todas elas!!!) se preocupassem com qualidade ao invés de quantidade.

    Beijos, amigo Sergio

    ResponderExcluir
  2. Isso aí, ManDrag! É por aí mesmo: qualidade.

    Vlw pelo comentário, querido.

    Abraço grande,
    Sergio Viula

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixe suas impressões sobre este post aqui. Fique à vontade para dizer o que pensar. Todos os comentários serão lidos, respondidos e publicados, exceto quando estimularem preconceito ou fizerem pouco caso do sofrimento humano.