Terremoto e tsnumani: O mundo abalado!

Incêndio por causa do terremoto no Japão

Um terremoto de 8,9 graus na escala Richter atingiu o Japão na madrugada dessa sexta feira (11/03/2011). O tremor ocorreu por volta das 3 horas da tarde (horário do Japão), na costa noroeste do país. O epicentro foi há 129 quilômetros da costa do Japão e a 24 quilômetros de profundidade, uma distância relativamente curta para um terremoto dessa magnitude. A rede de TV japopesa NHK transmitiu ao vivo o momento em que o tsunami chegou a Sendai, cidade da costa do Japão.

De acordo com testemunhas o terremoto durou aproximadamente 2 minutos e vários japoneses correram para as ruas com medo de serem atingidos por possíveis desmoronamentos.

A previsão é que por volta das 6 horas da manhã a tsunami chegue há costa da Indonésia, Filipinas e Papua Nova Guiné. Esses três países que ficam na costa do oceano índico e correm risco de serem atingidos pelas ondas gigantes. Também existe a possibilidade do Havaí ser atingido.

As redes de televisão de todo o mundo estão transmitindo ao vivo. Abaixo, disponibilizamos alguns vídeos que mostram flagrantes do terremoto e do tsunami que atingiu o Japão.




---------------------------------------------------------

COMENTÁRIO DESTE BLOGUEIRO

O Japão enfrenta hoje uma das piores catástrofes naturais já vistas: terremoto e tsunami varrem cidades inteiras. E o terremoto não parou. Há lugares tremendo de 10 em 10 minutos. Quem pode garantir que novos tsunamis não venham a ocorrer?

É impressionante também a quantidade de enchentes que estão ocorrendo no Brasil, matando centenas e centenas de pessoas, desalojando milhares, acabando com o patrimônio conquistado por pessoas que tiveram que suar muito para conquistarem o que tinham. Não têm mais nada.

Vários países estão em alerta, inclusive os EUA e países que têm o litoral banhado pelo Oceano Pacífico, porque o que aconteceu no Japão pode acontecer por lá também.

Nessa hora, um monte de gente vem com teorias escatológicas - e me refiro à escatologia como o "estudo ou conhecimento das coisas do fim". Essas pregações enlouquecidas deixam as pessoas que acreditam nesses profetas de última hora ainda mais tensas. O grande profeta deste século, porém, foi Al-Gore, que quase foi presidente dos EUA, perdendo numa eleição duvidosa para George Bush.

Al-Gore, ignorando qualquer "profetismo apocalíptico" produziu o filme "Uma Verdade Inconveniente", no qual denuncia o avanço do aquecimento global e atribui grande parte dele à indústria e à poluição causada por ela e por seus produtos. Para produzir e vender, florestas são destruídas, gases tóxicos são lançados na atmosfera, lixo em toda parte, águas dos rios e mares são poluídas. Tudo isso enquanto, consumidores ávidos por novidades fúteis continuam consumindo e poluindo desnecessariamente o planeta. 

É verdade que o fenômeno do aquecimento global não se deve somente à ação destrutiva do homem, mas que essas ações podem estar acelerando o processo, isso podem. 

É impressionante ver as cenas no Japão e em cidades alagadas por enchentes e comparar com as imagens do filme e as informações dos estudos científicos sobre as mudanças climáticas.

E não adianta clamar a Deus ou aos Deuses. Eles não podem ouvir. E por que não  podem? Não podem porque não estão lá nem aqui. Quem escapa com vida, escapa como um peixe que, por pouco, não é engolido pela rede que retira centenas de outros do meio do mar. Enquanto estes sufocam fora dágua, os que escaparam (se pudessem pensar como os humanos) diriam: "Foi um milagre! Se não fosse Deus, eu estaria morto agora." E dizendo isso, não percebem que depõem contra a própria divindade que pretendem glorificar, enquanto sentem-se privilegiados por algum tipo de plano divino que os inclui no livramento e  deixa os demais se ferrarem. E entre os que se ferram, muitos deles são exatamente aqueles que citam o salmo 91 de cor: "Aquele que habita no esconderijo do Altíssimo, à sombra do Onipotente descansará".

Fica aqui o alerta: Cuidar da natureza no que estiver ao nosso alcance é proteger a nós mesmos, posto que somos natureza ou - se preferirem - a natureza também é homem. Além disso, estudar e conhecer (em vez de crer) sobre como o planeta está se comportando e o que pode acontecer em função dessas mudanças. Isso pode nos ajudar a prevenir desastres maiores, deixando as áreas de risco e buscando áreas mais seguras. É importante não se arriscar em nome de divindade alguma, porque na hora do "pega pra capar", nem os templos escapam. E se os deuses não protegem suas casas de oração ou meditação, como protegerão a minha ou a sua? Fica de pé aquilo que a natureza mesma não destrói. Os deuses - imaginários como são - não podem interferir na realidade. Depois que estão em segurança, os humanos fazem interpretações mirabolantes a respeito dos acontecimentos naturais, tentando dar um sentido espiritualizado ao que é simplesmente e absolutamente natural - terrivelmente natural.

Amanhã ou depois pode ser eu. Pode ser você. E não adianta dizer "Deus me livre!". O que a gente precisa é estudar e trabalhar para estabelecer  comunidades humanas em locais menos arriscados, mas nenhum lugar é absolutamente seguro. Isso é verdade para homens, zebras, frangos, peixes, minhocas. Tudo natureza... O sobrenatural é apenas fruto da inquieta imaginação humana.


Natureza: essa coisa fascinante e assustadora ao mesmo tempo. 

Comentários